Sábado, 22 de Abril de 2017

JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ESCRITOR NÃO CHORA

J.C.Pires 3.jpg

Faz hoje dez anos que morreu José Cardoso Pires, o escritor cinematográfico que cortou com o neo-realismo vigente.

As homenagens começaram no princípio do mês e continuam domingo fora.

De qualquer maneira, e como se sabe, um escritor não morre enquanto houver gente a lê-lo.

J.C.Pires 30.jpg

A pieguice é a assassina, besta devoradora que tenta o escritor. Um escritor mostra, mas não mostra o que sente. Deixa-se aliciar pela torrente sentimental, é como pendurar a forca à volta do pescoço e empurrar o banco debaixo dos pés. O escritor senta-se à mesa e contém o caudal de emoções, inventa-lhes canais, subverte-as e elabora-as para as sugerir de outra maneira. Implícita, jamais explicitamente. O escritor concentra-se e pensa como dizer sem ter de dizer. O leitor que chore se quiser. Mas isso não fica escrito. O escritor controla-se porque um escritor não é sentimental. Quando escreve. Já quando fala, a voz é entidade autónoma. Tenta carregar apressadamente na tecla de “pause” mas já a voz adiantou em inflexões que o atraiçoam e o escritor não tem como dominá-la. A não ser assim: “Estou a ficar comovido, passo a palavra ao Júlio Pomar”. António Lobo Antunes remete-se ao silêncio para fazer o trabalho de contenção. Ainda que, dez anos depois, dê vontade de chorar a absurda ausência de um amigo.

Isto passa-se na casa Fernando Pessoa, em Lisboa, Campo de Ourique, no mesmo dia 2 de Outubro em que Cardoso Pires nasceu, há 83 anos. Morreu dez anos, também no mês de Outubro e, no presente, há apenas uma grande vaga de gente a apinhar a sala para ouvir dois amigos íntimos a falar sobre o escritor. Uma homenagem entre as muitas que este mês acontecem em seu louvor, esta de algum modo especial por não ser apenas uma exposição pelo seu trabalho, mas acabando por ser também a “exposição” de uma amizade. E da nossa avidez de intimidade, nem que seja da dos outros.

Enquanto aqui em baixo (imagem infantil esta de imaginar que os mortos passaram a um plano superior, mas adiante), enquanto aqui em baixo esperamos por revelações, José Cardoso Pires “está a passar no purgatório”. A informação é de Lobo Antunes. “As editoras são máquinas terríveis e horrorosas", diz a propósito de “o Zé não estar agora a vender o que podia estar a vender”. A sala apinhada e o Lobo Antunes a blasfemar contra a rapidez com que, hoje em dia, se faz um escritor: O problema é que ser ou parecer um tipo inteligente não chega. “É o livro que tem de ser inteligente, não o escritor.” E tenta esmiuçar o que está a dizer a partir da escrita do José Cardoso Pires: “Todas as palavras que a gente leu, mas que não estão lá. Isto é muito difícil de fazer!” “É uma prosa seca, não é adjectivada, só aparentemente é simples.”

Como é possível escrever ou descrever sem recorrer a adjectivos, como Cardoso Pires tão trabalhosamente conseguia? Como é que se fica sem adjectivos? Lobo Antunes pergunta e responde: “O Zé era um alpinista que trepava sem corda.” Mas como não há milagres nem grandes escritores instantâneos, o seu processo era o de um infindável riscar e apagar. Inês Pedrosa, directora da Casa Fernando Pessoa e mediadora da conversa, diz, ou melhor, pede confirmação: “A Edite dactilografava-lhe vezes sem conta as inúmeras versões, não era?”, e olha para o público onde a mulher de Cardoso Pires acena afirmativamente.

“O que ele sofria para chegar ali, podia passar uma tarde inteira com uma frase”, diz António Lobo Antunes. E Inês Pedrosa, com um misto de espanto e ternura, acrescenta: “Tinha vergonha de escrever pouco.” Coisa irónica, esta de se medir um escritor pelo amontoado de caracteres que se consegue expelir.

O público aproveita a intervenção de Inês Pedrosa para se queixar de que não ouve nada. Vozes irritadas: “Viemos aqui ansiosos por ter esta oportunidade única e não se ouve nada!” A responsabilidade parece não ser da acústica da sala mas de Lobo Antunes, que fala baixo e se afasta do microfone. O escritor justifica-se com a dificuldade que o tema lhe causa. Fala baixo porque ainda lhe “custa muito estarem ali os dois (ele e o Júlio Pomar) sem o Zé aparecer”. O que é de facto uma daquelas ilusões causadas pela própria realidade porque o Zé Cardoso Pires está ali todo o tempo e em todas as palavras de Lobo Antunes, que se percebe não ter desistido de dialogar com o amigo.

Enquanto vai tentando violentar-se por empatia a esta homenagem pública ao amigo, risca e apaga antes de dizer aquilo que a memória provavelmente lhe vai trazendo. Cada revelação é pontuada pela dúvida: “Há coisas que talvez o Zé não quisesse que eu estivesse a contar.” Arrisca outra vez: “O Zé escrevia no apartamento da Costa da Caparica em frente ao mar; precisava de uma grande concentração para escrever. Até as badaladas da igreja o perturbavam. Precisava de estar num isolamento completo. E, às vezes, por sentir que outros escritores seus contemporâneos recebiam mais atenções, perguntava-me: O meu trabalho não é assim tão mau, pois não?”

O pintor Júlio Pomar, menos verbal, também frisa em Cardoso Pires o sentido de responsabilidade que punha naquilo que escrevia. “O sentido de gravidade perante o objecto que estava a fazer e a quantidade de versões que escrevia. Havia uma diferença abissal entre o contador de histórias, ao vivo, e o escritor.” E diz que “o Zé era um homem eternamente solitário apesar de estar sempre rodeado de gente”. Lobo Antunes conta que em casa dele havia muito poucos livros e que não havia um único livro seu à vista. “Tinha muito pudor.” Recebia imensos livros, rasgava a página da dedicatória e deitava fora o resto, revela. Tal como não tinha fotografias suas ou da família na sala, mas tinha três do Hemingway.

De repente, Lobo Antunes está a falar da morte, a dizer que Cardoso Pires “achava a morte uma coisa indigna”, e das coisas indignas a que ele próprio assistiu, como a maneira como Cardoso Pires foi tratado no hospital, da segunda vez que esteve doente. “A tratarem-no por tu quando ele estava semiconsciente! Não me apetece falar sobre os últimos tempos, foram de uma grande revolta.”

J.C.Pires 40.jpg

Aplica-se o que Cardoso Pires explicou ainda melhor numa entrevista ao “Jornal de Letras”, um ano antes de morrer. A entrevistadora perguntara-lhe “como encara a morte?”. Cardoso Pires responde: “É mais uma puta. É isso. Pena que a definição não seja minha mas do Hemingway”. E disse também, num documento gravado para a RTP, no ano da sua morte: “Eu tenho medo físico, não tenho medo da morte. Tenho medo do sofrimento, da dor e da humilhação. (…) Morrer, a mim, não me faz diferença nenhuma, desde que me tirem as dores, que é obrigação da medicina. (…) Tenho uma grande admiração pela eutanásia, tenho um grande respeito pela morte ajudada e um grande desprezo pelos tais heróis do sacrifício.”

 

No CCB e na estante

Cardoso Pires morreu na madrugada de 26 de Outubro de 1998. Se se apressar, hoje, dez anos volvidos sobre o dia da sua morte, ainda vai a tempo de participar numa homenagem que acontecerá no Centro Cultural de Belém (CCB), com leituras da sua obra por António Mega Ferreira, Inês Pedrosa, Mário de Carvalho, Lídia Jorge ou Eduardo Agualusa; com o visionamento da adaptação a cinema de “O Delfim”, de Fernando Lopes, ou com a conferência “Memória e Autoficção”, de João Lobo Antunes, médico, amigo e autor do prefácio de “De Profundis, Valsa Lenta, onde Cardoso Pires descreve e revisita a experiência do acidente vascular cerebral que sofreu em Janeiro de 1995.

Todas as homenagens para que depois possa regressar a casa e reencontrar José Cardoso Pires entre as páginas de “O Anjo Ancorado, de “O Delfim” ou de “Alexandra Alfa”, e redescobrir a inigualável companhia deste homem e deste escritor, improvável e danadamente vivo

 

Não me beije

Há cinquenta anos, podia “coçar-se o sexo” sem problemas e até violar em grupo uma vadia porque “ou bem que uma mulher pertence só a um homem ou então, catrapus, arroz fingido” (“Ritual dos Pequenos Vampiros” in “Histórias de Amor”). Podia sugerir-se as coisas só não se podia verbalizá-las. Do que a censura não gostava era de palavrões, coisas tipo “comeu-a”, “galdéria” ou “camandro” e, evidentemente, de ninguém que aparecesse nu ou aos beijos num livro. Cardoso Pires escreve: “Não me beije”, a censura corta. Ele escreve: “Com a coberta enrodilhada aos pés, o jovem fitava-a. Estava nu e fitava-a”. A censura corta.

Nelson de Matos, que foi seu editor durante vinte anos, primeiro na Moraes Editores e, depois, na Dom Quixote (onde está editada grande parte da obra de Cardoso Pires), volta agora a sê-lo em nome próprio (Edições Nelson de Matos), com a recente edição do inédito “Lavagante” e do livro de contos “Histórias de Amor”, que não sendo inédito porque foi publicado, e logo apreendido, no Verão de 1952, é original por tudo o que reúne no mesmo volume. E é de leitura deliciosa como curiosidade histórica. Aos contos de José Cardoso Pires, escritor que na altura ainda não completara trinta anos de idade, mas que já deixa inscritas as marcas da obra ímpar que viria a criar, juntam-se todos os cortes que a censura tentou impor-lhe (assinalados a cinzento no texto), bem como a carta que dirige à censura e com que tenta contra-argumentar, mais as críticas ao livro que então foram publicadas, da autoria de Mário Dionísio, Luís de Sousa Rebelo e Óscar Lopes.

A censura regista o livro como “imoral”, sublinhando o retrato que o escritor faz das “misérias sociais” onde “o aspecto social se revela indecorosamente”. “De proibir”, classifica. A crítica enaltece e glorifica o escritor mas aproveita para lhe apontar uns pecados a corrigir e para lhe dar uns pequenos conselhos paternalistas. Felizmente, Cardoso Pires nunca desistiu do pecado que a crítica lhe aponta em uníssimo, corre o ano de 1952. Nas palavras de Mário Dionísio, “grandes escritores americanos continuam a ser presença excessiva nos contos do autor de “Caminheiros” (primeiro livros de contos de 1949). (…) Faulkner, Caldwell, Hemingway, estão demasiado presentes nestas histórias que desejam ser portuguesas”. E mais adiante o conselho de que “o contacto mais estreito com os europeus lhe será utilíssimo na desamericanização dos seus processos e até da sua construção linguística”.

Mas o estilo de Cardoso Pires perdurará, como diz Inês Pedrosa na fotobiografia que escreveu e organizou sobre o autor. José Cardoso Pires “sempre se guiou pela lei anglo-saxónica que manda agarrar o leitor pela gola do casaco e empurrá-lo para dentro do livro – mas educadamente, como convém a um cavalheiro de cartilha. Sempre se deu ao trabalho de neutralizar a resistência à leitura através da técnica da surpresa”.

Imagens retiradas de José Cardoso Pires,

 Fotobiografia, de Inês Pedrosa. Dom Quixote, 1999

Notícias magazine

26 Outubro 2008

Texto: Cláudia Moura

 

publicado por Elisabete às 21:01
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 10 de Abril de 2017

PELA VIA FRANCÍGENA, NO TRILHO DOS PEREGRINOS

(Uma estrada cujas origens remontam ao Império de Júlio César volta a conquistar caminhantes. Vamos à descoberta das suas formações geológicas únicas e de vinhos, queijos e enchidos sem igual. [Revista ULYSSE-Paris]

Ponte de Saint-Martin sobre o rio Lys, no vale de

Ponte de Saint-Martin sobre o rio Lys, no Vale do Aosta [Foto: Nicholas Thibaut]

“Todos os caminhos vão dar a Roma”, diz o provérbio. É esse precisamente o destino da Via Francígena, a estrada dos Francos ou Franceses que, na Idade Média ligava o Norte da Europa à Cidade Eterna. Era usada pelos peregrinos que se dirigiam ao túmulo de São Pedro.

Caída no esquecimento, esta estrada histórica conheceu novo alento desde que foi nomeada “Grande Itinerário Cultural”, pelo Conselho da Europa, em 2004. A designação pretende proporcionar aos europeus a descoberta do seu património cultural comum, numa viagem pelo espaço e, ao mesmo tempo, pela História. Divulgado pelos organismos de turismo e por numerosas associações de entusiastas beneméritos, este regresso às origens europeias tem conhecido um grande desenvolvimento em Itália. É o caso do troço que atravessa a região da Canavese, no Piemonte, entre Turim e o vale de Aosta.

Cinquenta e cinco quilómetros de caminhos de terra e pedra -cujo pavimento, em alguns pontos, remonta à época romana ou medieval- serpenteiam por uma das regiões mais verdes da Europa. O itinerário começa em Pont-Saint-Martin, uma pequena comuna no vale de Aosta, cuja ponte, construída em 25 a.C. para permitir o acesso das legiões romanas à Gália, marca a entrada no território piemontês; passa, em seguida, por meia dúzia de comunas medievais e pitorescas, entre elas a sedutora cidade de Ivrea, e termina em Cavaglia, na direcção de Vercelli. Na verdade, este traçado é apenas uma pequena parcela da Via Francígena, que se estende por cerca de 1600 km.

Mapa.JPG

 No ano 58 a.C., Júlio César inaugurou a “Estrada de Roma”, que depressa se transformou na espinha dorsal do sistema rodoviário da Europa Ocidental.

Em consequência do domínio árabe sobre Jerusalém (no ano 640), Roma passou a ser o principal destino das peregrinações cristãs, assim se mantendo até ao início do culto de Santiago, em Compostela (Galiza), no século X. Em Itália, na Alta Idade Média, o percurso seguiu itinerários lombardos baseados nas vias romanas.

A Via recebeu a designação de “Iter Francorum” em 725, passando a ser conhecida como Via Francígena em 876. Com a proclamação dos Anos Santos a partir de 1300 [através dos quais o Papa concedia pleno perdão aos pecadores que iniciavam a peregrinação a Roma], o fluxo chegava a ser, frequentemente, de dezenas de milhares por ano. A peregrinação a Roma pela Via Francígena caiu em desuso por volta do século XVII.

 

Uma estrada que mudou muito

Segundo Adelaide Trezzini, presidente da Associação Internacional da Via Francígena (CAIVF), em 1985, Giovanni Caselli, especialista em arqueologia rodoviária, registou, nos mapas e no terreno, o itinerário do arcebispo Sigéric de Cantuária, que foi a Roma, em 990, para receber o pálio das mãos do papa João XV.

No caminho de regresso à Grã-Bretanha, o arcebispo saxónico manteve um diário onde anotou meticulosamente as 79 etapas da sua viagem. São estas as etapas que constituem a Via Francígena tal como a conhecemos hoje.

No entanto, esta conheceu numerosas variantes ao longo dos séculos. Em vez de ser uma via com traçado definitivo, assemelhava-se a um encadeado de trajectos e caminhos que ligavam igrejas, mosteiros e outros locais de devoção, onde os peregrinos podiam reunir-se, como a Sacra di San Michele, no vale de Susa, a poucos quilómetros de Turim.

Se o peregrino moderno pode continuar a pernoitar nos inúmeros edifícios religiosos que cruzam o caminho, deve-o à natureza luxuriante envolvente que lhe inspira o sentimento de aproximação ao divino e à riqueza infinita da criação. Paisagens ostentando a paleta completa do verde e lagos de águas calmas aguardam a caminhante ao longo dos caminhos.

Este não deixará, sem dúvida, de se maravilhar perante a majestade imponente do “circo glaciar” de Ivrea. Esta formação geológica, um vasto anfiteatro que se estende por 530 quilómetros quadrados, surgiu durante o Pleistoceno e resulta de sucessivas fases de expansão e retracção do glaciar Baltoro, que veio do vale de Aosta depois de ter passado pelas vertentes meridionais do Monte Branco.

Cordilheiras e depósitos glaciares, blocos erráticos, turfeiras, bacias lacustres… são alguns dos elementos geomorfológicos que fazem do “circo glaciar” de Ivrea um dos locais de origem glaciar mais notáveis e melhor conservados do planeta. É também nos arredores de Montalto Dora que passa a “linea insubrica”, a maior falha tectónica da cadeia dos Alpes.

Toscânia.Troço da Vila Francigena.JPG

Toscânia.Troço da Vila Francigena

Os da montanha

Os apaixonados pelas grandes caminhadas e os amantes dos prazeres terrenos podem ficar tranquilos. O troço de Canavese reserva-lhes boas surpresas. Em Carema, a primeira vila depois de Pont-Saint-Martin, encontrar-se-ão face-a-face com um exército de “pilun”, pilares de pedra de forma característica que suportam as pérgulas das vinhas plantadas em socalcos. De noite, libertam o calor acumulado durante o dia e permitem uma maior resistência das plantas ao frio das montanhas.

É nestas terras altas que se produz o “carema”, um vinho tinto cor de rubi e de gosto aveludado, que beneficia da designação de origem controlada.

Algumas etapas mais à frente, antes de chegar a Borgofranco d’Ivrea, os amantes de Baco não deixarão de apreciar as "balmetti". Incrustadas nas montanhas, estas adegas naturais, escavadas na rocha, permitem manter a humidade e a temperatura a níveis constantes. Correntes de ar, chamadas “ore”, causadas por um fenómeno natural no interior do maciço de Mombarone, são captadas por uma rede de pequenos orifícios e permitem conservar vinhos, queijos e enchidos ao longo de todo o ano. Estas “balmetti”, que remontam a meados do século XVIII, são transmitidas de geração para geração e constituem o orgulho dos seus proprietários.

Ao longo do tempo, tornaram-se locais de convívio entre amigos em volta dum copo de vinho e um petisco. Como prova disso, a rua onde se situa a maioria tem o nome de Via del Buonumore (rua do bom humor).

Todos os anos, no terceiro domingo de Junho, as portas abrem-se para uma jornada de festa popular, baptizada de “Andona ai Balmit”, em que todos podem apreciar as delícias desta tradição local, baseada na cordialidade e na hospitalidade.

A redescoberta da Via Francígena não teria sido possível sem o esforço de associações como a de Trezzini que, gratuitamente, sinalizam os caminhos, organizam excursões, fornecem mapas e listas de alojamentos, trocam testemunhos na sua página na Internet, etc. Com resultados excelentes, pois o número de peregrinos tem aumentado regularmente desde 2001.

[…]

Piemonte italiano.Quinta no Vale de Susa, na Sacra

Quinta no Vale de Susa, na Sacra di San Michele, no Piemonte italiano [Foto Yvan Travert]

 

Anichada no cimo do monte Pirchiriano (962m) como uma sentinela silenciosa, a Sacra di San Michele vigia a entrada do Piemonte. Não foi por acaso que este imponente monumento religioso, de formato singular, foi escolhido como símbolo da região. Construída no século X, a abadia foi uma etapa obrigatória da Via Francígena, além de se situar a meio caminho dum percurso que une os três grandes locais de devoção ao arcanjo, desde o Monte Saint-Michel, na Baixa Normandia, até ao santuário do Monte Gargano, na Apúlia (Itália). Por vezes, esta rota chega a ser conhecida como Via Francígena do Sul.

Depois de chegarem a Roma, os peregrinos fazem uma última paragem no santuário de Gargano, na ponta da península, antes de continuarem a sua peregrinação e embarcarem para Jerusalém.

Peregrinos diplomados

São já 1850, os peregrinos que percorrem a Via Francígena desde 2001, e obtiveram o respectivo “testimonium”, um pergaminho de edição limitada, emitido pela Associação Internacional Via Francígena e entregue na Basílica de São Pedro aos caminhantes que tenham percorrido, pelo menos, o caminho entre Acquapendente e Roma (150 km), ou feito o percurso em bicicleta desde Lucques (400 km). Apenas 35% dos caminhantes efectuam a peregrinação por motivos religiosos.

 A marca F

Encontramos a marca do peregrino, por vezes denominada por um F, ao longo de todo o trajecto da Via Francígena que atravessa a região de Canavese, entre Turim e o Vale de Aosta.

 

publicado por Elisabete às 18:35
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Abril de 2017

CHILE: O mundo dos índios Mapuche

o mundos dos índios mapuche1.jpg

Fotógrafo ambulante: Temuco [Chile, 1972]

Os mapuches -Gente da Terra-, são depositários duma civilização antiga que persistiu até aos nossos dias. Povo orgulhoso da sua história de luta pela sobrevivência da sua cultura, vivia nos vales férteis do sul do Chile, ao tempo da chegada dos espanhóis. O conflito entre eles durou cerca de 300 anos, tendo ficado conhecido por Guerra de Arauco, nome por que era designada, pelos espanhóis, a terra que habitavam.

Separados de outras civilizações da América do Sul, os mapuches viviam da caça e das colheitas, organizados em clãs, tendo esta dispersão em pequenos grupos separados tornado mais difícil a conquista espanhola e o seu total domínio nos territórios a Sul do rio Biobío.

o mundos dos índios mapuche2.jpg

Mercado indígena [Temuco, 1973]

Conquistada a independência do Chile, os mapuches foram sobrevivendo como cultura, constituindo actualmente 4% da população chilena. Vivem, sobretudo, na região de Temuco, no Sul do Chile, se bem que, na procura de uma melhor situação económica, alguns se tenham integrado nas grandes cidades.

As imagens incluídas neste portefólio – seleccionado de uma exposição que esteve patente na Fundação Mário Soares, em Lisboa, e no Fórum Romeu Correia, em Almada – referem-se ao início dos Anos 70, ao tempo do Governo da Unidade Popular, tempo em que o orgulho dum povo foi encorajado e respeitado, e processo no qual o autor destas linhas e destas imagens entusiasticamente participou. Nestas fotografias, agora recuperadas, presenciámos reuniões e celebrações próprias deste povo. Encontros de homens sábios que debatem o seu destino, preparação de rituais das “machi” e simples gestos do quotidiano.

As suas “machi” – curandeiras espirituais de uma comunidade – são portadoras duma sabedoria antiga, que através das gerações foi passando de velhas a novas o conhecimento das ervas medicinais, mas não se limitam à cura de doenças físicas, sabem afastar o mal, prever o tempo e até interpretar os sonhos.

Os rituais de cura e outros cerimoniais mágicos estão vedados a estranhos. Possível foi apenas fotografar momentos de convívio com a “machi” e a sua família e os vários objectos sagrados: entre estes, máscaras, o “rehue” – escadas de sete degraus de onde a “machi” executava os seus rituais, os “metahue”, cântaros também sagrados. Entre o mero convívio nos campos e a ida aos mercados, onde tentavam vender os seus produtos, olhámos o rosto de um povo e o que nele habitava de antigo e perdurara através do tempo.

o mundos dos índios mapuche3.jpg

 Rehue de sete degraus onde os “mochi” (curandeiras) executavam os rituais sagrados [Nueva Imperial, Temuco, 1972]

1970-1973

A minha visão do Chile

Foram pouco mais de três anos em que tanta coisa mudou, mas, ao mesmo tempo, foi tudo tão rápido! Em Setembro de 1970, Salvador Allende e a Unidade Popular venciam as eleições chilenas com um programa político – as 40 medidas que incluíam desde a nacionalização do cobre, principal riqueza e fonte de divisas, até ao fornecimento gratuito de leite a todas as crianças. O programa da Unidade Popular expressava as aspirações da maioria do país e reunia as suas energias mais profundas para o cumprimento dos objectivos revolucionários. A coluna central dessa marcha histórica era a classe operária; ao seu redor, camponeses pobres e médios, pequenos e médios empresários, largos sectores dos funcionários públicos e dos intelectuais.

o mundos dos índios mapuche4.jpg Machi (curandeira) na sua botica [Nueva Imperial, Temuco, 1971]

A plataforma política abrangia marxistas e cristãos, maçons e agnósticos, reformistas e revolucionários, organizados em sete partidos e movimentos.

Na crista dessa vasta movimentação, o Presidente Allende, médico, político e revolucionário, ídolo dos trabalhadores que se recordavam do juramento que fizera, ainda muito jovem, de dedicar a vida às lutas sociais.

Em 1970, o Chile começa a procurar a sua identidade, e nessa procura tudo aquilo que estava no fundo, escondido ou sufocado, vem à superfície, gera tensão: o número de desempregados que já não é escondido, manipulado; saber se há desnutrição, que há falta de leite para as crianças nas escolas e nos hospitais. Que nos campos reinam os caciques latifundiários e que, com a exploração do cobre por estrangeiros, se vai a riqueza do país. De repente, a nação dá-se conta do que existe para além “barrio alto”, de belas vivendas e ruas ajardinadas, e descobre o outro lado da face. Até os índios Mapuche, conhecidos como “Gente da Terra”, que resistiram e sobreviveram aos conquistadores espanhóis, saem dos campos do Sul para entrarem na cidade contemporânea, sob o espanto dos “caballeros” da retórica que só os conheciam de fotografias, moldura de uma chilenidade que escondia as costas partidas dos índios nas sementeiras. E a roupagem nacional estoura com a chegada dessas súbitas multidões, cujos passos ressoam no país dos terramotos.

o mundos dos índios mapuche5.jpg

Mapuches reunidos numa escola [Nueva Imperial, Temuco, 1972] 

De agora em diante, mudará a linguagem, os gestos, as aspirações, a rua será tumulto e a palavra “señor” dará lugar a “compañero”. O primeiro ano foi uma festa e descobrimento. Descobrir que há um motor, uma pulsação desconhecida, um sonho, dentro de mim, de ti, e descobrimo-nos juntos nesta alameda, cantando canções de Violeta Parra. 

o mundos dos índios mapuche6.jpg

 Família Mapuche [Nueva Imperial, Temuco, 1972]

Para que o Chile deixe de ser o “centro da injustiça” e para que as aspirações dos vales, da Patagónia, dos salitreiros, cristalizem uma nova identidade nacional. O programa da UP passa a ser cumprido desde o primeiro dia: nacionalização do cobre, da Banca, dos grandes monopólios privados e a reforma agrária.

Mas a burguesia, perplexa num primeiro momento, começa a reagir, fortificada no outro Chile, cujas fronteiras começam na Praça de Itália e terminam no sopé da cordilheira. Ela utilizará todos os processos para juntar ódio e medo. Cobrará indevidamente os seus dólares e não se deterá até que o projecto de transformação social seja letra-morta, queimado pelas bombas.

o mundos dos índios mapuche 8 001.jpgIndígenas a cavalo [Temuco, 1972]

Três anos pouco dizem do Chile popular: foi tudo muito intenso, profundo, um outro sentimento do tempo, dias condensando anos, décadas.

Nas avenidas, multidões indescritíveis davam apoio ao Companheiro Presidente: tempo em que as lutas de classe podiam ser fotografadas quotidianamente nas esquinas da cidade.

o mundos dos índios mapuche 9 001.jpg

 Índios reunidos para tratar de assuntos da terra, à qual lhes voltara a ser reconhecido direito [[Nueva Imperial, Temuco, 1972]

Mas os ricos, os mais abastados de sempre, não podem aceitar a ofensa dos “rotos”, dos chilenos de segunda e, dispondo de maioria no Parlamento, dos Tribunais de Justiça e de Contas, dos dólares da CIA e das multinacionais, mobilizam a maioria das camadas médias, cujo padrão de vida era comparável ao dos países industrializados, para assaltar o Governo com o ódio mais espantoso. Nesse cerco tudo foi permitido: bombas, assassinatos, açambarcamentos, greves, manipulação da informação; “juntem raiva, chilenos” era o lema da burguesia sublevada que, acusando o Governo de violar a Constituição, instigava os militares ao golpe.

o mundos dos índios mapuche 10 001.jpg

 À fogueira [Aldeia de Osorno, 1973]

A 11 de Setembro de 1973, por fim, uma junta militar toma o poder, culminando a sedição iniciada logo após o anúncio da vitória eleitoral de Allende, três anos antes. O objectivo era derrubar o Governo e vencer a Unidade Popular, reinstalando um regime de fachada democrática, mas autoritário por dentro, favorável aos monopólios privados, nacionais e estrangeiros.

o mundos dos índios mapuche10.jpg

Jovem com máscara tradicional [Colon, Nueva Imperial, 1972]

Contudo, o que desmoronou sob os foguetes da aviação não foram apenas as paredes do palácio – com a morte de Allende e dos defensores que lá estavam – nem a Unidade Popular; com os escombros ruíram as instituições democráticas levantadas ao longo de século e meio de vida republicana.

E, no lugar de La Moneda, surge – para o espanto de muitos do “barrio alto” – um imenso campo de concentração por onde irão passar milhares de chilenos.

o mundos dos índios mapuche11.jpg

 Colares em prata para rituais [Nueva Imperial, Temuco, 1972]

Estas fotografias devolvem-nos, aqui e agora, o Chile daqueles anos que, tão profundamente vividos, não deixarão de existir. A História faz uma pausa.

 

ARMINDO CARDOSO (autor de fotos e textos) trabalhou,

no Governo de Unidade Popular de Salvador Allende,

entre 1970 e o golpe militar de Pinochet de 11 de Setembro de 1973.

Perseguido pelos golpistas, saiu do Chile sob protecção da

Embaixada Francesa e conseguiu salvar muito do seu espólio fotográfico.

 

Publicado no COURRIER INTERNACIONAL, Dezembro 2013

 

 

 

publicado por Elisabete às 11:08
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 26 de Março de 2017

NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁCULA…

 Reduz-se Vlad III à sua reputação de autocrata sanguinário, quando não bebedor de sangue humano. A imagem deste príncipe do século XV, em guerra contínua contra os turcos, foi objecto de 500 anos de manipulações e fantasias

         REVISTA HISTÓRIA

Bucareste

Drácula jj 001.jpgO mais conhecido dos retratos de Vlad III.Quem foi ele? Um patriota ou um tirano sanguinário?As opiniões divergem

 

Vlad Tepes é, sem dúvida, o romeno mais famoso da Idade Média. O seu nome era conhecido desde o Império Otomano até aos países germânicos.

Ainda em vida era já herói de histórias de terror. Registou um aumento de popularidade póstuma no final do século XIX, graças ao romance Drácula, de Bram Stoker [publicado em 1897], e essa celebridade nunca mais foi abalada. Mas quem era ele afinal?

 

Nascido em 1431, Vlad III era filho de Vlad Dracul II, voivoda [príncipe] da Valáquia [sul da Roménia].

O apelido de Dracul (“o diabo” em romeno) vem do latim draco (=dragão), porque Vlad II foi feito cavaleiro da Ordem do Dragão por Segismundo de Luxemburgo [imperador romano-germânico de 1410 a 1437]. Vlad III foi por isso chamado de “Drácula” pelos seus contemporâneos, ou seja, filho de Dracul, ao passo que os turcos o apelidaram de “Tepes”, ou seja, “Empalador”, devido à punição que mais lhe agradava infligir aos inimigos: o empalamento.

A tradução romena do cognome turco “Tepes” ficou nos livros de História, ao passo que o epíteto de Drácula, preferido pelos ocidentais, se encontra associado à imagem fantasiosa da personagem do romance de Bram Stoker.

Vlad III passou a infância e a adolescência na Transilvânia e na Hungria com o pai. Quando este se tornou vassalo do sultão, Vlad foi enviado como refém para o Império Otomano. Antes de assumir o poder, terá conhecido várias culturas: a húngara e a alemã na Transilvânia, a otomana e a romena. Os contactos com meios diversos permitiram-lhe forjar uma concepção própria do poder.

Drácula 001.jpg

O poder dos boiardos

Situada entre o Império Otomano e o reino da Hungria, a Valáquia [para a qual Vlad é chamado a reinar] é um Estado-tampão, situação que só lhe é vantajosa enquanto haja equilíbrio entre as duas potências. Rei húngaro e sultão otomano reivindicam o título o título de soberano dos voivodas romenos. Consoante os interesses e a preponderância militar de cada um, o príncipe será repudiado, ora pelos turcos, ora pelos húngaros.

O antagonismo entre húngaros e otomanos agrava a instabilidade na Valáquia, com os nobres divididos em facções, cada uma apoiando um pretendente. Os boiardos [classe de aristocratas] detêm, para além do poder económico decorrente de serem grandes proprietários de terras, o poder militar, desempenhando papel importante na mobilização do exército.

Vlad Tepes está ciente da necessidade de garantir a lealdade destes últimos. Já passou pela experiência dum reinado efémero, em 1448, quando subiu ao trono com a ajuda dos turcos sem ter conseguido ganhar o apoio do país. Ao voltar ao poder em 1456, Drácula sabe que não pode governar sem os boiardos. Correndo sempre o risco de perder o trono, decide submetê-los, acusando alguns de traição. Manda-os executar e confisca-lhes os bens, reforçando assim a autoridade central.

Inicialmente, reconhece-se vassalo do rei da Hungria. Mas no final de Agosto de 1456, volta-se de novo para os otomanos, a quem paga tributo. A situação muda radicalmente em 1459. O voivoda atrasa o pagamento do tributo porque, no mesmo ano, os turcos transformaram a Sérvia, que dominavam, em pachalik [província imperial]. Os boiardos da Valáquia temem que as suas terras sofram o mesmo destino, o que resultaria na perda de bens e privilégios. Unem-se em torno de Vlad Tepes para, em conjunto, enfrentarem os otomanos.

O contexto internacional é-lhes favorável. Em Mântua, na Itália, o Papa Pio II acaba de lançar uma grande cruzada contra os turcos, na qual o jovem rei da Hungria, Matias Corvino, desempenhará um papel preponderante. Para Vlad Tepes é o factor decisivo. Renova fidelidade à Hungria e desencadeia uma campanha militar, no Inverno de 1461-1462, que visa enfraquecer a linha de defesa otomana ao longo do Danúbio.

Em 11 de Fevereiro de 1462, Vlad Tepes informa o seu soberano, o rei Matias Corvino da Hungria, do sucesso da campanha e apresenta-lhe a estimativa dos inimigos mortos: 23.888. Se a corte de Buda fica impressionada, o sultão Mehmet II, conquistador de Constantinopla, assume o comando de um exército de 100 mil turcos para punir o voivoda romeno. Consciente da impossibilidade de uma luta frontal, usa os seus 25 a 30 mil homens para levar a cabo uma cruel guerra de guerrilha, que culmina numa célebre batalha que ficou conhecida como a “Noite do Terror”.

o empalador.jpg

 Cena de empalamento. Vlad Tepes ou Vlad o Empalar almoça à mesa enquanto assiste

Na mesma altura, a Valáquia é atacada, a norte, pela Moldávia de Estêvão, o Grande, que parece ter esquecido que Tepes o ajudara a ascender ao trono em 1457. Aliado aos turcos, o moldavo vai sitiar a fortaleza valáquia de Chilia, enquanto a marinha otomana ataca por mar, sem sucesso.

O sultão vê-se obrigado a sair da Valáquia sem a ter conquistado. Mas joga um trunfo que lhe irá garantir a submissão do país. Na sua corte, encontra-se o irmão mais novo de Vlad, Radu, o Belo, de quem faz novo pretendente ao trono. Abandonado pelos boiardos, que se aliam ao irmão, Vlad Tepes refugia-se na Transilvânia. A lenda conta que a esposa de Vlad se suicida para evitar a prisão turca, lançando-se de uma escarpa, cena explorada, em 1992, por Francis Ford Coppola no filme Drácula.

Os inimigos de Vlad forjam uma carta, que ele teria enviado ao sultão, interceptada pelos súbditos do rei Matias. Nela, Vlad prometeria fidelidade a Mehmet e oferecer-se-ia para o ajudar a conquistar a Transilvânia. A carta serve de pretexto para prender Vlad, na fronteira da Valáquia. Acusado de traição, fica confinado quase 12 anos a Visegrád, residência real sobre o Danúbio, ao norte de Buda. O rei Matias Corvino reconhece Radu, o Belo, como voivoda da Valáquia.

 

Uma lenda ainda em vida

Após a sua libertação em 1476, no contexto das guerras contra os turcos, movidas desta vez por Estêvão, o Grande [no trono da Moldávia entre 1457 e 1504], Vlad Tepes recupera brevemente o trono até ser assassinado por um grupo de boiardos que se queriam vingar. Mas o reinado do Empalador não deve ser reduzido às campanhas militares, embora estas tenham contribuído para espalhar a sua reputação de poder e de terror.

Esforçou-se por impor aos emissários estrangeiros que, como príncipe, tinha de ser tratado com respeito. Dizem as crónicas medievais, que teria tomado providências rigorosas noutras áreas: medidas draconianas contra o roubo, punição dos improdutivos, primeiro programa conhecido de integração dos ciganos – pelo seu envolvimento forçado na guerra contra os turcos – e supressão física dos mendigos.

Vlad Tepes entrou na lenda ainda em vida. Os textos alemães destacavam a sua crueldade. Os historiadores sublinham que essas histórias eram intencionalmente espalhadas pelos mercadores saxónicos e por Matias Corvino, a fim de se justificar perante o Papa por terem prendido Vlad e interrompido a sua cruzada.

Se ainda hoje gostamos de contar histórias à volta da fogueira, também na Idade Média as histórias sangrentas eram apreciadas por aqueles que animavam o ambiente dos albergues. Quanto mais intoleráveis fossem os horrores, melhor. E cada contador acrescentava o seu grão de sal para lhes aumentar o encanto.

 

NASCE A LENDA: A “Noite do Terror”

Em Junho de 1462, o sultão Mehmet II invade a Valáquia. O seu enorme exército desloca-se para o Norte, mas comete o erro de acampar na orla de uma floresta. É aí que o espera Vlad Tepes.

Em 17 de Junho, este lança um ataque nocturno. O pânico toma conta dos otomanos e Vlad por pouco não mata o sultão.

De madrugada, os valáquios retiram-se tendo morto cerca de 15 mil turcos. Abalado, o sultão continua a sua ofensiva até aos muros de Targoviste, a capital de Vlad. Aí é recebido por uma floresta de estacas ornadas com os cadáveres de cinco mil turcos. Repugnado, Mehmet volta para trás. Vencerá o seu adversário mas por outros meios.

 

BRAM STOKER

A actual popularidade de Vlad III deve muito a este escritor irlandês [1847-1912].

No seu romance, Drácula, publicado em 1897, inspirou-se na lenda do príncipe valáquio para criar uma personagem de vampiro que se tornaria muito famosa e inspiraria, entre outros, numerosos cineastas.

 

Marius Diaconescu, Professor da Faculdade de História

da Universidade de Bucareste

 

in COURRIER internacional
[Agosto 2013]

 

 

publicado por Elisabete às 20:03
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 22 de Março de 2017

ARTUR SEMEDO: Actor, galã, realizador, benfiquista e tudo

Artur Semedo1.jpg

E talvez mais. Talvez também o que escreveu António Lobo Antunes, na mesma hora em que Semedo partiu: “chamavam-te marialva, galã, machista, irónico, sei lá que mais, quando, na minha ideia, me lembraste sempre esses artistas de circo que dispõem uma mesa no centro da pista, em cima da mesa sete ou oito varinhas verticais, no topo de cada varinha um prato de loiça, e correm, aflitos, de um lado para o outro, a agitar as varinhas de forma a que os pratos continuem a rodar e nenhum deles tombe e se quebre. No teu caso parecia-me que cada prato era uma lágrima. Deus sabes o esforço que fizeste mas nunca deixaste cair nenhuma.”

Este belo texto de Melo Antunes, que foi grande amigo de Artur Semedo, põe o ponto final na ternura que o actor derramava à sua volta. Sim, o Artur era um homem terno, doce e apaixonado. Apaixonado por tudo, pelo cinema, pelo teatro, pelas mulheres, pelos amigos, pelo Benfica. Se ele pudesse ter visto a bandeira do Benfica a meia haste quando o seu funeral passou pelo seu querido Estádio da Luz, teria sorrido feliz.

Artur Semedo2 com legenda.jpg

A história da luva preta

Muita gente ficava intrigada quando via Artur Semedo com uma luva preta na sua mão direita. O mistério da luva preta era afinal uma forma de aquecer a mão que, depois de um acidente com um copo partido, ficara com os tendões afectados e, para sempre, irremediavelmente fria.

A luva preta era, também, a sua imagem de marca. Artur Semedo era o realizador da luva preta, o homem de “O Dinheiro dos Pobres” (1956), “Malteses, burgueses e às vezes” (1973), “O Rei das Berlengas” (1977), “O Barão de Altamira” (1987), “O Querido Lilás” (1987). O homem de teatro de “A Rainha do Ferro Velho” e de “Meu Amor é Traiçoeiro”, com Laura Alves. De “O Vison Voador”, ao lado de Raul Solnado. Do teatro de revista em “Mini-Saias” ou “Mulheres à Vela”. Enfim, Artur Semedo foi homem de sete ofícios, de muitas viagens (Angola, Moçambique, Brasil), de muitos enredos. 

Artur Semedo3 com legenda.jpg

Artur Semedo4.jpg

A Missa das Sete

Artur Semedo era, todos o sabiam, um benfiquista ferrenho, um benfiquista a quem o clube fazia febre e esfarelava os ossos. Quando ia ver jogar o Benfica, ao Estádio da Luz, costumava dizer que ia à catedral, à missa das sete. E, apesar do Benfica ter sido sempre “a sua religião”, Artur tinha orgulho em dizer que era amigo de Pinto da Costa que vi, triste e sombrio, no velório de Artur Semedo, o mesmo Pinto da Costa que, disse-me Artur, vinha a Lisboa para o visitar no Hospital Curry Cabral, onde o actor acabaria por morrer.

Semedo foi grande amigo de outro grande senhor da Lisboa boémia chamado Diniz Machado. Diniz era sportinguista e o Artur, conta Lobo Antunes, dizia-lhe: “Como podes ser um homem às riscas? O Diniz a sorrir, como se pode ser de clubes às riscas…”

Artur Semedo5.jpg

De Arronches para a Luz

Artur Semedo6.jpg

Natural de Arronches, alentejano da raia, Artur cedo demonstrou um talento natural para o teatro e até José Régio, que foi seu professor no liceu de Portalegre, escreveu uma peça de teatro para o pequeno Artur representar. O destino estava traçado desde então e mesmo os pais, latifundiários e com militares na família, não conseguiram desviar o rapaz da cena teatral. Ainda passou pelo Colégio Militar de onde acabou de ser expulso e o resto já se sabe como decorreu. Teatro, cinema, televisão, rádio. Imprensa, não houve meio onde Artur Semedo não desse largas à criatividade e ao talento.

Gostava de dizer que a Luz sempre o seguiu na vida. De facto, morava na Luz, o Colégio Militar está situado na Luz e o seu clube do coração vive na Luz.

Apetece-me perguntar, como Lobo Antunes, “morreste?”. E ainda hoje me custa a acreditar. Mas já faz nove anos neste mês de Fevereiro.

 

Maria João Duarte

(Na TEMPO LIVRE nº 212)
Fevereiro 2010

 

publicado por Elisabete às 15:29
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 16 de Março de 2017

COMO SE PÔDE DERRUBAR O IMPÉRIO RUSSO EM POUCO MAIS DE UMA SEMANA?

Entre 23 de Fevereiro e 3 de Março de 1917, a Rússia foi sacudida pela chamada Revolução de Fevereiro, que teve uma grande importância, mas cujo significado se perde pelo impacto da Revolução de Outubro

Queda do Csar1.jpg

Há 100 anos, na Rússia, começou a REVOLUÇÃO DE FEVEREIRO, que de forma dramática mudou o rumo da História do país.

Em pouco mais de uma semana, em Fevereiro de 1917 (Março, segundo o calendário gregoriano) caiu o Império Russo e formou-se o Governo Provisório que durou até à REVOLUÇÃO DE OUTUBRO.

Ao longo de várias décadas, a segunda foi considerada a mais significativa, mas não se pode desvalorizar a importância da primeira.

Estão relacionadas as duas revoluções?

Sim. Grande parte dos historiadores considera a Guerra Civil na Rússia como um acontecimento global: a Revolução Russa de 1917-1922.

Durante a Revolução de Fevereiro, que teve lugar principalmente na capital, Petrogrado (San Petersburgo), caiu a monarquia na Rússia.

Sete meses depois, a Revolução de Outubro levou à Guerra Civil e ao estabelecimento do poder soviético.

Os participantes na Revolução de Fevereiro tiveram a esperança de que o futuro da Rússia fosse determinado pela Assembleia Constituinte, eleita de forma democrática.

Porém, durante a Revolução de Outubro, a Assembleia foi dissolvida e o poder foi tomado pelos bolcheviques, que eram defensores da "ditadura do proletariado".

Queda do Csar2.jpg

A monarquia na Rússia caiu em sete dias?

Sim. Depois da Revolução de Fevereiro, o imperador Nicolau II abdicou e chega ao fim o Império russo. Em poucos dias, os comícios antimilitares, as greves de trabalhadores e as manifestações provocadas pela falta de provisões desencadearam motins e a rebelião armada. As exigências a favor da recuperação da providência de Petrogrado, foram substituídas por "Fora a autocracia!"

Contudo, a legitimidade do poder dos czares vinha a debilitar-se há vários anos. Alguns grupos e movimentos tinham vindo a manifestar-se a favor da limitação da autocracia ou da sua anulação desde 1905, quando a monarquia absoluta foi restringida.

Queda do Csar3.jpg

Quem exigiu o quê?

A Revolução de Fevereiro foi apoiada por várias camadas sociais, em particular, por pessoas com educação e pelo proletariado, pelo Exército, por políticos da Duma Estatal e membros de movimentos radicais não representados no Parlamento. Para além da monarquia, cuja anulação não foi exigida por todos, outra questão chave se centrou na atitude face à guerra. Os liberais e centristas insistiam no cumprimento das responsabilidades da Aliança e em continuar com a participação na Primeira Guerra Mundial. Os esquerdistas estavam a favor da saída imediata do conflito.

A maioria dos partidos políticos defendia "a manutenção da paz interna" através de reformas. Outros membros da Revolução reclamavam a mudança da estrutura estatal e a ampliação do poder do Parlamento. Os mais radicais exigiam a anulação total da autocracia e da propriedade dos terratenentes. Todavia, não se pode afirmar que a Revolução fora fruto da actividade dum só grupo, ja que o país se encontrava numa profunda crise política.

O que é que levou à Revolução?

Na época soviética, as causas foram explicadas pela "inevitabilidade das mudanças”. Os investigadores da actualidade defendem que a Revolução foi a consequência dos problemas e contradições económicas, sociais e políticas, acumuladas que foram exacerbadas pela guerra.

Queda do Csar4.jpg

Foi um levantamento pacífico ou armado?

Como início da Revolução consideram-se as desordens provocados pelas interrupções das provisões a Petrogrado, conhecidos por “motins do pão”, que levaram à destruição de vitrinas por parte das pessoas que formavam filas nas tendas.

A Revolução começou no dia 23 de Fevereiro (ou 8 de Março), quando os trabalhadores, numa manifestação antimilitar massiva se uniram aos refugiados, desertores e soldados de batalhões de reserva. Estima-se que cerca de 200.000 pessoas participaram nas manifestações no centro da capital. No mesmo dia, começaram os confrontos com a Polícia e cossacos, que tinham como objectivo reprimir os distúrbios. A 25 de Fevereiro, iniciaram-se arrestos para "de forma contundente, pôr fim" aos distúrbios, segundo a ordem do imperador.

A 26 de Fevereiro, produziu-se a primeira revolta, depois dos soldados do regimento Pávlovski abrirem fogo contra os oficiais e a Polícia. Em 27 de Fevereiro, arrancou um levantamento armado, os manifestantes lançaram fogo a edifícios do Governo, tomaram os arsenais, as estações, as pontes e os cárceres e puseram em liberdade os prisioneiros. Pela noite desse dia, os revolucionários já tinham o controle completo da capital.

Onde se encontrava o czar?

Em 1915, Nicolau II tomou a decisão de comandar o Exército e abandonou Petrogrado. Voltou à capital em várias ocasiões, mas na sua ausência era a esposa, a imperatriz Aleksandra Fiódorovna, quem governava o país.

O comité provisional, formado a seguir ao golpe, enviou os seus representantes na cidade de Pskov para conseguir a abdicação do imperador a favor de seu irmão, Mijaíl. Contudo, este último foi preso e mostrou-se a favor da criação da Assembleia Constituinte.

Não estava organizada a Revolução?

Durante muito tempo, na historiografia soviética, destacava-se o papel chave dos bolcheviques e do proletariado. Porém, não se pode dizer que foi decisivo o papel de sua propaganda nos eventos de Fevereiro de 1917.

Alguns especulam que a actividade do líder do partido opositor “A União de 17 de Outubro”, Aleksandr Guchkov, influenciou drasticamente o desenlace.

Queda do Csar5.jpg

E outros países?

A questão da participação dos Estados Unidos, Alemanha e outros países é mais relevante para a Revolução de Outubro, a Guerra Civil e a intervenção do Ocidente.

Antes deles, los interesses de outros Estados estavam conectados com a participação da Rússia na Primeira Guerra Mundial.

É de sobra conhecido que, na Rússia, operavam espiões britânicos, enquanto que, desde 1907, a Alemanha financiava, em parte, a actividade do futuro Partido Bolchevique.

Quando se entendeu que la Revolução terminou?

Depois da vitória do levantamento em Petrogrado, o novo poder estabeleceu-se nos “governos” (Governos Gerais) russos por telégrafo. Até ao final de Março, o processo terminou, na maioria dos lugares, de forma pacífica. Porém, durante o próprio levantamento na capital e nos meses seguintes, morreram mais de 1.500 pessoas.

 

Tradução minha, daqui:

https://actualidad.rt.com/actualidad/232143-derrumbarse-imperio-ruso-revolucion?

 

 

 

publicado por Elisabete às 22:54
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 5 de Fevereiro de 2017

DÉCIMO MANDAMENTO

Pablo Picasso.O Mendigo a a Criança.jpg

PABLO PICASSO, "O Mendigo e a Criança"

O mendigo devorava uma costeleta, sentado nos degraus da igreja, e tinha em frente um chapéu, à espera das esmolas. Reparou nele porque parecia ter um ar quase normal, se não fosse a sujidade, a barba de muitos dias e o mau estado da roupa.

Não era novo nem velho, mas quando ele tornou a abrir a boca viu que tinha dentes podres e lhe faltavam alguns, logo na frente. No entanto, dava grandes dentadas no pedaço de carne que segurava numa das mãos, e de vez em quando um pedaço de pão que segurava na outra. Mastigava com vontade e dava outra dentada, inclinando um pouco a cabeça, como os cães costumam fazer quando procuram a melhor posição para cravar os dentes.

Certamente a costeleta era suculenta e saborosa, porque ele lambia os beiços, que por vezes limpava à manga e às costas da mão. A certa altura parou, pousou a costeleta e o pedaço de pão dentro do chapéu e tirou do bolso uma lata de cerveja. Abriu-a fazendo estalar a tampa e bebeu um grande trago, e depois outro e outro. Arrotou e recomeçou as dentadas, até não restar quase nenhuma carne.

Agora já não devorava: roía devagar, entreabrindo os dentes, e ajudava com a língua e os beiços a puxar os últimos pedaços, agarrados ao osso. Era uma operação mais demorada, mas visivelmente ainda prazerosa. Só depois de chupar e lamber o osso voltou ao pão, em que recomeçou a dar dentadas, bebendo de cada vez um gole de cerveja, como um animal buscando uma recompensa.

Quando acabou, atirou fora o osso e a lata, que galgou metade da rua, batendo com estrépito nas pedras da calçada. Enroscou-se depois sobre si próprio e deitou-se no degrau, como um cão a preparar-se para dormir ao sol. Porque havia sol e, apesar da hora matinal, o ar não estava frio.

Ou talvez estivesse, afinal, porque o homem tirou um gorro do bolso e o enfiou na cabeça, depois de levantar e puxar para si a gola do casaco.

Foi nessa altura que o homem que o olhava saiu do carro e entrou na igreja, passando ao lado do mendigo. Era sempre assim, por uma ida à igreja, que começava o seu dia.

Só que muito raramente, como naquela manhã, era ele próprio a conduzir o carro. Aliás poucas vezes utilizava o carro para chegar ao trabalho, já que tinha um helicóptero privado, que em escassos minutos o levava do prédio onde morava ao edifício do Banco. Descia então no elevador até à rua e entrava numa igreja ao lado.

Naquela manhã, no entanto, apetecera-lhe fazer o trajecto com vagar, reflectindo nos assuntos que o preocupavam. As coisas estavam a correr mal, eram necessárias medidas drásticas e urgentes. Mais do que nunca precisava da ajuda divina, de um sinal, uma inspiração. Deus sabia que ele cumpria o seu dever como podia e, num mar de dificuldades, ia mantendo o Banco a navegar. Pertencia com bravura à elite que dominava a sociedade, segurando-a pela cabeça. Se a cabeça da sociedade estivesse a salvo, também o resto do corpo social sobrevivia.

Com a ajuda de Deus, a cabeça da sociedade ia salvar-se. Todas as noites rezava, de joelhos, por essa única intenção, que continha em si todas as outras. Só depois se despia, devagar, e, como autorizara o seu capelão e confessor, retirava o cilício do seu corpo humilde.

Desde a juventude se mantivera casto, só no estrito cumprimento dos deveres matrimoniais fornicara e unicamente para gerar os filhos que um dia estariam lá, no seu lugar, servindo a Deus, segundo a sua doutrina e a sua lei.

Ajoelhado na igreja, com a cabeça entre as mãos, o homem pensava nessas coisas, e nas muitas outras que o preocupavam. Sentia-se esmagado de responsabilidade e, sem dar conta, começou a chorar baixinho. Ao Bancos eram os alicerces, se falissem a sociedade ruía. E ele sentia uma tempestade, um terramoto que se aproximava, sub-repticiamente.

Um medo sem precedentes invadiu-o e transformou-se em pavor. Todo ele tremia, suplicando a Deus que viesse em seu auxílio. Mas a igreja estava escura, envolta em sombra, silenciosa. E vazia.

Só lá em cima, diante do altar do Santíssimo, cintilava frouxamente uma lamparina. Que não resistiria ao menor sopro do vento.

Sentiu-se abandonado, como Cristo no Monte das Oliveiras, antes de beber o cálice que Deus não veio afastar da sua boca.

A boca do homem arfava agora com ruído, como se o ar lhe faltasse, mesmo o chão onde se mantinha ajoelhado.

Chorava desabaladamente e gemia. Acabava de pecar com gravidade. Tivera a presunção de se comparar a Cristo e pecara também por desespero, duvidando que Deus o socorresse, que estivesse ali e o ouvisse.

Nessa noite fustigaria as costas com mais violência, com o chicote com pedaços de metal nas pontas. Pensou na força com que sangraria, e que o seu sangue impuro derramado talvez pudesse redimi-lo de se ter comparado a Jesus, o do sangue sem mácula, no horto das oliveiras.

Mas não parou de chorar, apesar de sentir o alívio do arrependimento e uma espécie de torpor que o invadia.

As suas lágrimas pareciam provir agora, inexplicável e confusamente, do mendigo que vira comer com gula, do pecado de ter tido inveja de o ver comer daquele modo bruto, daquele prazer animal de cravar os dentes no pedaço de carne, devorando-o com voracidade até ao osso.

Sentia, de um modo absurdo, que o mendigo o ofendia só por existir e sobretudo por comer assim. Como se o naco de carne e o acto de comê-la fossem uma agressão e um roubo contra ele próprio, contra o mundo que ele representava e defendia.

Esse mundo que começava a tremer e ameaçava ruir.

Talvez estivesse a enlouquecer, pensou, e o seu entendimento das coisas vacilasse, por excesso de stress e de aflição.

Levantou os olhos para a lamparina do altar-mor e pediu a Deus que o iluminasse, lhe apontasse um caminho.

E então, de repente, a salvação surgiu-lhe.

Viu-se no brilhante papel de benemérito a assinar um compromisso de serviços gratuitos aos mendigos: distribuição ilimitada de pão, vinho e carne, tratamento nas clínicas geridas pelo Banco, garantia de todos os encargos com a sua cremação ou enterro.

A abundância de comida pouco variada mantê-los-ia fartos e gordos, mas não saudáveis, por um tempo relativamente curto. E, vivos ou mortos, os seus corpos tornavam-se um manancial de lucro, desde recolha de sangue a venda de órgãos, campo livre para testar novas substâncias, para já não falar do que, como a gordura, poderia ser aproveitado no campo da cosmética. Bastava saber como fazer as coisas, mas nisso ele era perito e tinha uma enorme rede a colaborar com ele.

Claro que toda essa parte seria omissa no que viria a público e permaneceria insuspeitada em tudo o que ele dissesse e assinasse, com pompa e circunstância, com as autoridades governamentais.

Meu Senhor e meu Deus, eu Vos dou graças. Aleluia, aleluia, o Vosso humilde servo foi ouvido.

Levantou-se depressa e viu as horas – ia chegar tarde à reunião, Jesus, como se atrasara.

Benzeu-se e curvou-se diante do altar, numa reverência profunda e agradecida.

Sobretudo agradecida, meu Deus, como se sentia grato, pensou descendo a correr os degraus e batendo a porta do carro, depois de passar, sem sequer o ver, ao lado do mendigo.

TEOLINDA GERSÃO, “Prantos, amores e outros desvarios

Teolinda Gersão.jpg

 

 

publicado por Elisabete às 18:35
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

CRISE TRAZ CUNHALISMO DE VOLTA

001.jpg008.jpg

 

 

 

 

PCP regressa às origens e recentra discurso na defesa do patriotismo

Ana Paula Correia

apc@jn.pt

 

A crise e a troika trouxeram de volta ao PCP o reforço do discurso do patriotismo, num regresso às origens e ao “cunhalismo”. Uma orientação que coincide com o centenário de Álvaro Cunhal, que hoje se comemora.

Historiadores e antigos dirigentes ouvidos pelo JN convergem na ideia de que a situação de dependência em que se encontra o país é o terreno fértil para que a actual direcção do PCP aproveite o centenário do líder histórico para “voltar às origens” e consolidar a identidade partidária.

É nesse contexto que o discurso político comunista se recentrou na defesa do patriotismo, ilustrada no slogan “Por uma política patriótica e de Esquerda”.

O historiador José Neves, antigo militante do PCP, sublinha que foi essa linha de identidade nacional que “Cunhal garantiu a resistência do partido à queda da União Soviética e é com a mesma orientação que Jerónimo tenta polarizar à Esquerda, num quadro de intervenção externa no país”.

Se é verdade que “o patriotismo teve sempre uma presença no partido com ou sem Cunhal”, como lembra Octávio Teixeira, antigo líder parlamentar no consulado de Carlos Carvalhas, a conjuntura era outra. É que não era preciso cerrar fileiras contra a agressão externa”.

 

DIRIGENTES //CUNHALISTAS

Jerónimo1.jpgFrancisco Lopes.jpgJosé Casanova.jpgAbrantes.jpg

Também Carlos Brito, o histórico dirigente que se afastou do partido em 2002, considera que esta aproximação pública ao “cunhalismo” por parte da direcção de Jerónimo é circunstancial. Brito não subscreve a tese de que há um regresso ao legado ideológico de Cunhal. Pelo contrário, lamenta que “não se retire o melhor do pensamento” do líder histórico, o que “reflecte um vazio ideológico”. E acusa os dirigentes de usarem “de forma incompleta e fora do contexto” alguns pensamentos de Cunhal. Ou seja, “num culto da personalidade usado para capitalizar o descontentamento nacional pela crise e a ingerência da troika”.

Na mesma linha de pensamento, o historiador João Madeira, que já militou no PCP, duvida que a aproximação a Cunhal seja ideológica. “É instrumental numa tentativa de consolidação da identidade partidária para polarizar o descontentamento em relação à crise”.

A ideia de que há culto da personalidade na comemoração do centenário de Cunhal é rejeitada por Manuel Loff, historiador próximo do PCP, que assume, no entanto, existir “estratégia e empenho particular na gestão da comemoração” como forma de “reforçar a identidade do partido”.

003.jpg

002.jpg

O rapaz sem medo que sempre quis ser comunista

Uma das inúmeras palestras que Álvaro Cunhal deu em universidades e escolas nos anos 1990, foi perturbada por uma ameaça de bomba. Encarou a provocação com um sorriso quase displicente.

“Nunca tive medo. Essa é a palavra que não vejo que me possa ser aplicada”, diria num colóquio, em 1997.

Que poderia temer, ao cabo de tantos anos de vida, décadas de exílio e clandestinidade, 12 anos de prisão – oito em isolamento – três prisões e torturas?

Nascido em Coimbra a 10 de Novembro de 1913, Álvaro Cunhal – cujo centenário o Partido Comunismo Português (PCP) assinala hoje com um Comício no Campo Pequeno, em Lisboa – enfrentou o risco desde muito cedo.

Aderindo ao PCP aos 17 anos, através da Federação das Juventudes Comunistas Portuguesas, da qual será secretário-geral em 1935, apresenta neste ano, no Senado da Universidade de Lisboa (em cuja Faculdade de Direito entrara em 31), uma proposta para a extinção da organização fascista Acção Escolar Vanguarda. E é delegado ao VI Congresso da Internacional Comunista Juvenil, em Moscovo.

Em 1936, vai a Espanha tratar da libertação de camaradas presos em Cáceres e envolve-se durante meses na resistência ao levantamento franquista. No regresso clandestino, com apenas 23 anos, é preso e torturado. Libertado em 1938, é forçado, no ano seguinte, a cumprir o serviço militar na Companhia Correccional de Penamacor.

Preso novamente em 1940, prepara a tese de licenciatura na Penitenciária de Lisboa, mas recusa defendê-la noutro local que não seja a sua faculdade. Embora comprometidos com o regime, professores como Marcelo Caetano aprovam com 16 valores a tese sobre o aborto.

A partir daqui, o trabalho político intensifica-se. Mergulha na clandestinidade e participa activamente na organização do PCP, especialmente no Norte do país, a partir de 1942. Mas a organização sofre um rude golpe, com a captura de Cunhal, Militão Ribeiro e outros quadros, em assaltos da PIDE a casas clandestinas do partido em 1949.

Julgado em 2 e 9 de Maio de 1950, faz a sua própria defesa e reverte o libelo: “o nosso povo pensa que, se alguém deve ser julgado (…), que se sentem os fascistas no banco dos réus”.

Na prisão, que cumpre na Penitenciária de Lisboa, até 1956, e no forte de Peniche, sofre o isolamento durante oito anos, tratamentos médicos insuficientes e alimentação deficiente. Mas resiste. Estuda, reflecte, escreve, pinta e prepara meticulosamente a fuga com outros camaradas. A 3 de Janeiro de 1960, dez quadros do PCP realizam a mais espectacular e humilhante evasão.

Álvaro Cunhal e outros quadros vivem clandestinamente no país até 1961, mas acaba por exilar-se para dirigir o partido a partir do exterior, embora tivesse regressado secretamente várias vezes.

A 30 de Abril de 1974, é recebido em festa por milhares de pessoas no aeroporto de Lisboa. Na sua primeira alocução, saudou “todos aqueles que sofreram perseguições”.

Morreu a 13 de Junho de 2005, comunista como sempre quisera ser. ALFREDO MAIA

 

UMA CARTA DA PRISÃO

007.jpg

A Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto vai lançar o livro “Cunhal/Cem Anos/100 palavras”.

Com pequenos textos sobre palavras-chave, abre com uma carta inédita do dirigente e intelectual comunista ao pai e à irmã Eugénia. Oferecida ao investigador Victor Pinho e pertencendo ao espólio da Biblioteca de Barcelos, o documento, datado de 23 de Agosto de 1951, na Penitenciária de Lisboa, é uma singular carta familiar de prisão. Num registo carinhoso, alude às preocupações de saúde. Mas a menção ao incómodo do vento “soprando do Norte” pode referir-se à arriscada candidatura de Ruy Luís Gomes à Presidência e à violenta repressão da PIDE sobre ela.

Partilhando elementos dos estudos sobre questões agrárias, a pretexto de uma pretensa visita da família à feira de Barcelos, alerta: “Conheço essa boniteza pitoresca de bilhete postal (…) Mas sei também que esse Minho é o Minho dos caseiros e dos terços e dos `quintos’ e das hipotecas”, explorados pelos grandes proprietários. A.M.

 

[ESCRITOR E PINTOR]

004.jpg

 Manuel Tiago

Seguiu o exemplo do pai muito para lá da faceta de resistente ao fascismo. Tal como Avelino da Costa Cunhal, licenciou-se em Direito e destacou-se nas Artes, principalmente como escritor e sob o pseudónimo de Manuel Tiago (só revelado em 1994).

Publicadas após o 25 de Abril, são obras marcantes o romance “Até Amanhã, Camaradas”, em grande parte escrito na prisão de Peniche e, agora, recuperado por Joaquim Leitão para o cinema (depois da série televisiva, em 2005), e a novela “Cinco Dias, Cinco Noites”, que José Fonseca e Costa adaptou para o cinema em 1996. São ainda da sua autoria o romance “A Estrela de Seis Pontas” e a colectânea de contos “Fronteiras”.

Tradução do “Rei Lear”

Data de 1962 a primeira publicação da tradução que fez da tragédia “Rei Lear”.

Incluída nas “Obras de Shakespeare”, edição da Tipografia Scarpa, a tradução não foi, naquela época, atribuída ao histórico do PCP. Realizado entre 1954 e 1955, quando estava preso em Lisboa, o trabalho foi publicado como sendo de Maria Manuela Serpa. O nome de Cunhal seria assumido muito mais tarde. 

“Desenhos de prisão”

Carvão e grafite sobre papel foram os materiais que usou nos “Desenhos da prisão”, publicados sob esse título em 1975 e executados entre 1951 e 1959, em reclusão. O povo é o tema dominante, mas, quando se trata de figuras individuais, a mulher é quase sempre a protagonista. Estes desenhos inserem-se na estética neo-realista, na linha da capa que fez para a primeira edição de “Esteiros” (1941), de Soeiro Pereira Gomes. ISABEL PEIXOTO

011.jpg

010.jpg

Anúncio do JN ajudou a denunciar prisão

013.jpg

A CIDADE recebeu apoteoticamente o secretário-geral do Partido Comunista Português”. É assim que começa a reportagem do “Jornal de Notícias” sobre a deslocação de Álvaro Cunhal ao Porto, em 22 de Junho de 1974, contabilizando “muitos milhares de pessoas” na Praça do Município e no comício do Palácio de Cristal.

Era a primeira vez que estava no Porto em liberdade e às claras. Noutras, estivera clandestino, em trabalho partidário no Porto e no Norte, desde 1942. Ou trazido às ocultas pela PIDE, com Militão Ribeiro e Sofia Ferreira, para os calabouços da Rua do Heroísmo, depois da sua prisão numa casa clandestina no Luso (25 de Março de 1949). O paradeiro do Porto foi dado a conhecer à família – via JN e “O Primeiro de Janeiro” – através de um hábil estratagema dos antifascistas Virgínia Moura e Lobão Vital.

Num anúncio pago, inserido no dia 30, fizeram constar que o advogado “Álvaro Cunhal Duarte” (Duarte fora um pseudónimo da clandestinidade) agradece aos amigos “os cuidados que têm manifestado pelo seu estado”.

De imediato, o pai, Avelino Cunhal, põe-se a caminho do Porto e a polícia política acaba por deixar de poder ocultar a prisão, fazendo publicar uma nota sobre a detenção daqueles quadros (JN, 31/4/1949). Aqui foi sujeito a interrogatório sob tortura, mas resistiu e nada revelou, pelo que foi levado durante o mês de Abril seguinte para a Penitenciária de Lisboa. Voltaria ao Porto clandestinamente e teria vivido aqui entre Fevereiro e Maio de 1961.

 

AFÁVEL e ouvinte atento, arguto na análise política

014.jpg

 

ERA UM HOMEM de um relacionamento absolutamente fácil – afável e amável. Estava atento aos problemas pessoais dos quadros e de toda a gente” e de “grande argúcia política”. É assim que Agostinho Lopes, quadro comunista do Norte, que trabalhou nos órgãos centrais com Álvaro Cunhal, recorda o líder, com quem se encontrou pela primeira vez no final de 1974.

Desmobilizado do Exército, onde o 25 de Abril o encontrara como alferes-miliciano, este engenheiro e já militante do PCP, Lopes é destacado para a Direcção da Organização Regional do Norte, onde fica responsável pela área da agricultura – uma das predilectas de Cunhal, nota.

Surpreendido com a extensão e a densidade dos dados estatísticos do estudo “Contribuições para o Estudo da Questão Agrária”, elaborado na prisão, destaca a contribuição da obra para a visibilidade de problemas como a dimensão e posse da propriedade e as condições dos camponeses.

O primeiro contacto com Álvaro Cunhal ocorre em 29 de Dezembro, na 1ª Conferência dos Camponeses do Norte. E prossegue nas reuniões regulares da comissão de agricultura junto ao Comité Central, nas quais Cunhal participa. “Tinha uma extraordinária capacidade para ouvir e ouvia com paciência e humildade as informações de todo o país.”

O momento mais “empolgante” partilhado foi a campanha eleitoral de 1987, na qual Lopes era cabeça de lista em Vila Real. A caravana na região foi bem recebida e o comício encheu. “Foram momentos de grande exaltação”. Mas “os resultados não corresponderam”: Cavaco Silva teve a primeira maioria absoluta.

Eleito para a Comissão Política (1990), Agostinho Lopes viveu os momentos de “tensão e muito grande preocupação com as rupturas na União Soviética”. Cunhal desenvolveu “um grande esforço de racionalização na compreensão dos acontecimentos”, especialmente o desmoronamento do Bloco Socialista e os efeitos na alteração na correlação de forças. A.M.

 

Evocação da DORF

Ontem, no âmbito das comemorações do centenário do ex-secretário-geral do PCP, a Direcção da Organização Regional do Porto do PCP promoveu, no Salão do Clube dos Fenianos Portuenses, uma sessão evocativa do contributo de Cunhal para a luta dos trabalhadores já depois do 25 de Abril. A sessão incluiu a exibição de um filme alusivo às visitas de Cunhal ao Norte entre 1974 e 1984. “Nos momentos mais difíceis vividos sobre a tirania fascista, o Porto deu elevadas provas da sua fidelidade aos ideais democráticos de combatividade, da sua inabalável confiança no futuro”, afirmou Cunhal em 1974.

O líder comunista voltou várias vezes, já como membro do Primeiro Governo Provisório, para comícios, congressos e para a primeira Festa da Alegria, em Braga.

Em Abril de 1976, reforçou a importância da defesa da Constituição Portuguesa. “Representa uma grande vitória dos trabalhadores porque, com a sua luta, levaram a cabo e tornaram irreversíveis transformações profundas das estruturas económicas e sociais”.

A 25 de Março de 1977, desmascarou a “política de recuperação capitalista” de Mário Soares, cujo governo cairia oito dias depois.

ALFREDO MAIA e HELENA TEIXEIRA SILVA 

publicado por Elisabete às 15:41
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

O CÓDIGO SECRETO DA CAPELA SISTINA

Enquanto os Papas rejubilavam com os frescos do tecto, Miguel Ângelo ocultava, na Capela Sistina, críticas à decadência da Igreja. Um legado pouco católico do mestre renascentista, agora recordado a propósito dos quinhentos anos da jóia do Vaticano

Capela Sistina1.jpg

A ideia que Miguel Ângelo tinha de si mesmo como artista não coincidia com os planos que Júlio II tinha para o mestre renascentista. Queria, o Papa que o tecto da Capela Sistina, no Vaticano, se tornasse um gigantesco fresco retratando a criação de Adão e Eva, Noé e o Dilúvio, Deus a formar o Mundo, e outras cenas bíblicas que reforçassem o prestígio da Santa Igreja junto dos fiéis. Miguel Ângelo que se considerava escultor e não pintor, criou a obra-prima que fez o mundo aloelhar de devoção, mas aproveitou para se vingar com elegância: muitos dos conteúdos dos frescos, codificados para iludirem a vigilância do pontífice e pouparem o artista à morte, revelaram ser mensagens esotéricas e críticas veladas à decadência da Igreja. Só isso explica que o Vaticano não festeje com pompa os quinhentos anos desta obra, visitada anualmente por quatro milhões de turistas.

O projecto de construção da Capela Sistina, à imagem do lendário Templo de Salomão, em Jerusalém, descrito pelo profeta Samuel no Livro dos Reis, foi encomendado em 1475 pelo papa Sisto IV, que lhe deu o nome. Porém, só entre 1508 e 1512, sob as ordens de Júlio II (sobrinho de Sisto), é que Miguel Ângelo concebeu as famosas pinturas narrando a história da Criação, num processo crivado de animosidade entre o artista solitário e um Papa impaciente em ver o trabalho concluído. Em pouco tempo, Miguel Ângelo dispensou todos os ajudantes que o serviam, ao perceber que o melhor trabalho de que eram capazes não satisfazia o seu grau de exigência. Devido ao cansaço, retenção de líquidos, pedras nos rins e problemas respiratórios, tanto contorceu o corpo nos andaimes que ganhou reumatismo e escoliose. A vista ficou-lhe turva, das gotas de tinta que caíam do tecto e da minúcia dos pormenores, mas o mestre não desarmava.

"Quando estará pronta a minha capela?" perguntava invariavelmente Júlio II, o Terrível, ameaçando substituir Miguel Ângelo caso não desse conta do recado. "Quando eu puder", era a resposta do artista, a braços com falta de paciência, dificuldades financeiras, problemas de saúde e aquelas quase trezentas figuras descomunais que o consumiam - mas que resultaram tão perfeitas quando as terminou que mais pareciam esculpidas em mármore de Carrara. A sibila Líbia foi uma delas, erguendo na mão a tocha que ilumina o mundo e profetizando sobre Cristo. Ninguém pareceu reparar que ela também se tornou famosa ao prever a chegada do dia "em que todo o oculto será revelado, sugerindo que o autor pintou a sonhar com o tempo em que o seu código seria revelado ao mundo.

Capela Sistina2.jpg

Mais tarde, Miguel Ângelo diria que a boa pintura se aproxima de Deus. "Não é mais do que uma cópia das suas perfeições, uma sombra do seu pincel, a sua música." Já nada podia apagar o código secreto ocultado nas imagens que representam a criação do Universo, sete episódios do Génesis, cinco sibilas(que teriam anunciado a vinda de Cristo), sete profetas, a embriaguez de Noé e façanhas heróicas do povo de Israel, incluindo Judite matando Holofernes, David vencendo Golias e Ester denunciando as perseguições de Amã aos judeus. O Papa rejubilava ao olhar os frescos. Estava longe de imaginar que o artista usara o seu humor rebelde para criticar a decadência da Igreja, passar mensagens esotéricas a quem as soubesse interpretar e declarar a sua admiração pelo povo judeu, o Talmude e a Cabala.

Foi isto mesmo que descobriram, alguns séculos mais tarde, os especialistas em judaísmo Roy Doliner e Benjamin Blech, confirmando no livro Os Segredos da Capela Sistina, As Mensagens Proibidas de Miguel Ângelo no coração do Vaticano (ed. Casa das Letras): "Às vezes, ele usava códigos ou alusões simbólicas que eram parcialmente escondidas, por vezes sinais que só poderiam ser entendidos por certos grupos religiosos, políticos e esotéricos. São mensagens que ecoam, nos dias de hoje, com o seu apelo corajoso para a reconciliação entre a razão e a fé, a Bíblia Hebraica e o Novo Testamento, e entre todos os que se irmanam na busca sincera pela fé verdadeira e no serviço de Deus."

Mas nem só os frescos de Miguel Ângelo guardaram mensagens ocultas durante mais de cinco séculos. Segundo exames complexos realizados recentemente pelo Museu Britânico, recorrendo a tecnologia de ponta, vários esboços de Leonardo da Vinci, Rafael Sanzio, Andrea Mantegna e do próprio Miguel Ângelo revelaram que os grandes nomes da Renascença eram recorrentes na arte da ocultação. Uma Virgem Maria de Leonardo deixa antever, por baixo, rascunhos de um gato e um menino Jesus. Um desenho da Viegem com o Menino, da autoria de Mantegna, revela, numa camada inferior, traços de uma mulher rodeada por dois querubins que, entretanto, acabaram apagados pelo artista. Miguel Ângelo modelou a sua Madona de Bruges, uma escultura exemplar da Virgem com o Menino, sobre o desenho de um torso que começou por ser, inegavelmente, masculino.

Capela Sistina3.jpg

"Através destes desenhos é possível ligarmo-nos àqueles momentos criativos, como se espreitássemos por cima do ombro dos artistas", disse Hugo Chapman, curador dos esboços italianos no Museu Britânico, em declarações à Imprensa. "Teríamos de ter estado com eles no estúdio para ver aqueles desenhos em particular. Isto é como uma máquina do tempo.", congratula-se o perito, deslumbrado com o modo como os traços profundos desvendam o ensaio das poses, da anatomia e do movimentos finais das grandes obras. No caso da Capela Sistina, a subversão de Miguel Ângelo está lá para quem quiser vê-la. Nunca a expressão "O essencial é invisível aos olhos" teve tanto significado.


 

Texto: Ana Pago

Fotografias: CORBIS
Notícias Magazine

 

 

publicado por Elisabete às 18:14
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Junho de 2016

O VOO MELANCÓLICO DO MELRO

P1170199.JPG

(O verdadeiro osso das coisas)

Posso dizer que foi um ano branco, aquele. Redigida a Carta Constitucional, o país auscultado com o estetoscópio da democracia parlamentar. Henrique esfumava-se sob um álamo, a cinza devolvia a política aos altares naturais.Só falava quem tinha pergaminhos ou quem não tinha vergonha de tropeçar na sua ignorância. Nos anos de brasa podia-se mostrar a ignorância sem vergonha. A ignorância era uma medalha da opressão. Os doutores ouviam os ignorantes e apreciavam a sabedoria da ignorância. Mas a cinza repôs o pêndulo da História e os néscios voltaram a ter vergonha. O país ficou ponderado. No fundo, o país não queria falar tanto, só queria ouvir quem tivesse o mérito da fala, apreciar a oratória televisiva. Tornou-se um país de cidadãos sentados com a faca numa mão e o queijo na outra. O queijo era o sorriso do político e a faca o voto do eleitor. Aceitaram-se os patrões e os capatazes como inevitabilidade da vida, eram as cigarras da economia. Eu estava numa posição de privilégio para o dizer porque era patrão e empregado ao mesmo tempo, tinha dado dois dias de salário à nação no tempo do Vasco Gonçalves, um como empregado e outro como patrão. Descobriram-se curvas desconhecidas na nossa língua. Foi tempo da Sónia Braga e do doutor Mundinho. Cinema indiano, introspecção, melodrama, frigoríficos, televisores.

[...]

O amor, soube-o ali, não precisava de palavras de legendar filmes. E antes que nada mais restasse do que uma narrativa inútil, juntei as minhas bagas de trovisco às do padre Rubim e transformámos os Melros numa associação cultural com teatro, biblioteca, desporto, escola de música. Tal como a utopia nos tinha ensinado. E utopia pareceu-me uma palavra justa para definir um sonho amplo no céu coberto pela cinza dos dias.

CARLOS TÊ, O Voo Melancólico do Melro

Carlos Tê.jpg

 

publicado por Elisabete às 20:39
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Abril de 2016

Explicação do "Impeachment" num minuto...

EXPLICAÇÃO DO  IMPEACHMENT

NUM MINUTO

 

ESTADOS UNIDOS+URSS

seta2.png

ESTADOS UNIDOS

seta3.jpg

 

BRICs

BRASIL+RÚSSIA+ÍNDIA+CHINA+ÁFRICA DO SUL

publicado por Elisabete às 15:50
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 5 de Abril de 2016

CAMILLE CLAUDEL

Camille Claudel.jpg

 Com 20 anos em 1884

 

CAMILLE CLAUDEL (Camille Athanaïse Cécile Cerveaux Prosper) foi uma escultora talentosa, nascida em Aisne (França), a 8 de Dezembro de 1864. Foi aprendiz de Rodin, com quem manteve um relacionamento tumultuoso. A separação dos dois, provoca-lhe um grande sofrimento. Camille começa a ter alucinações, cada vez mais frequentes e, em 1913, é internada num manicómio.

Morreu depois de 30 anos de internamento, com 79 anos, em Paris,  a 19 de Outubro de 1943 Camille era filha de Louis Prosper, hipotecário, e Louise Athanaïse Cécile Cerveaux. Passou toda sua infância em Villeneuve-sur-Fère, morando num presbitério que seu avô materno, o doutor Athanaïse Cerveaux, havia adquirido. Foi a primeira filha do casal, sendo quatro anos mais velha que Paul Claudel. Ela impõe a sua forte personalidade ao irmão e à sua irmã mais nova, Louise. Comandava os dois desde pequena. Segundo Paul, ela manifestou desde cedo o seu desejo de ser escultora. Camille tinha algumas premonições e previu também que o irmão se tornaria escritor e que a irmã seria musicista.

 

Período criativo

Seu pai, maravilhado com o seu grande e precoce talento que produziu, ainda na infância, esculturas de ossos e esqueletos com impressionante verossimilhança, dá-lhe todos os meios para desenvolver as suas potencialidades, colocando-a em escolas e cursos de primeira qualidade. A mãe, por outro lado, não vê isso com bons olhos, colocando-se sempre contra e reagindo, muitas vezes, violentamente no sentido de reprovar a filha pelos incómodos e custos da manutenção do seu "capricho". Camille, que sonha ser uma grande escultora, sente-se ameaçada pela mãe, por não aprovar os elevados gastos com a sua educação.

Em 1881, com 17 anos, sai de casa para ir em busca do seu grande sonho. Parte para Paris e ingressa na Academia Colarossi, uma escola para escultores. Teve por mestre, de início, Alfred Boucher e, depois, Auguste Rodin. É desta época que datam as suas primeiras obras conhecidas: La Vieille Hélène ou Paul à Treize Ans.

Rodin, impressionado pela solidez e beleza de seu trabalho, admite-a como aprendiz no seu atelier, na rua da Universidade em 1885. É então que colabora na execução de Les Portes de l'Enfer e do monumento Les Bourgeois de Calais.

Tendo deixado a família por amor à escultura, trabalha vários anos ao serviço de seu mestre e mantem-se à custa de sua própria criação, pois ganha salário como aprendiz. Por vezes, a obra de um e de outro são tão próximas que não se sabe qual é a do professor ou da aluna. Às vezes, confunde-se quem inspirou um ou copiou o outro, tal é a qualidade do trabalho de Camille. As esculturas dos dois são muito idênticas e isso aproxima os dois.

O tempo passa e Camille e Rodin envolvem-se e têm um caso ardente de amor. Porém, Camille Claudel enfrenta muito rapidamente duas grandes dificuldades: por um lado, Rodin não consegue decidir-se a deixar Rose Beuret, a sua namorada dos anos difíceis do princípio; por outro lado, alguns insinuam que as suas obras eram executadas pelo próprio mestre. Triste e depressiva pelas acusações e por Rodin ainda ter outra mulher, Camille tentará distanciar-se de Rodin e fazer suas obras longe dele. Percebe-se muito claramente essa tentativa de autonomia na sua obra (1880-94), tanto na escolha dos temas como no tratamento: La Valse ou La Petite Châtelaine. Esse distanciamento leva ao rompimento definitivo, em 1898. A ruptura é marcada e contada pela famosa obra: L’Age Mûr.

Ferida e desorientada, Camille Claudel passa a nutrir por Rodin um estranho amor-ódio que a levará à paranóia e à loucura. Instala-se então no número 19 do hotel Quai Bourbon e continua a sua busca artística em grande solidão, pois ama loucamente Rodin e, ao mesmo tempo, odeia-o por ele a ter abandonado. Apesar do apoio de críticos como Octave Mirbeau, Mathias Morhardt, Louis Vauxcelles e do fundidor Eugène Blot, seus amigos, ela não consegue superar a dor da saudade. Eugène Blot organiza duas grandes exposições, esperando que o reconhecimento seja benéfico, a nível sentimental e financeiro, para Camille Claudel, que ele quer ajudar. As exposições têm grande sucesso de crítica, mas Camille já está doente demais para se reconfortar com os elogios. Fica estranha e obsessiva, desejando a morte de Rodin. Recorda o passado, a oposição da mãe à sua carreira. As lembranças ruins passam a sufocá-la cada vez mais.

 

Doença

Depois de1905, os períodos paranóicos de Camille multiplicam-se e acentuam-se. Ela acredita nos seus delírios. Nos seus sonhos doentes, ela acredita que Rodin roubará as suas obras de arte para moldá-las e expô-las como suas, ou seja, acha que Rodin roubará as suas esculturas e que dirá que foi ele quem as fez. Passa a achar que o inspector do Ministério das Belas-Artes está em conluio com Rodin, e que desconhecidos querem entrar em sua casa para roubar as suas obras. Nesta fase, fala sozinha e chegou à esquizofrenia. Chora muito, e pensa em suicídio. Camille cria histórias imaginárias que aceita como pura verdade. As suas crises de loucura aumentam, vive num grande abatimento físico e psicológico, não se alimentando e desconfiando de todas as pessoas, achando que todos a matarão. Isola-se e, como mora sozinha no hotel, ninguém sabe da sua condição, pois rompe a amizade com os amigos e passa a viver sozinha no seu quarto. Mantém-se vendendo as poucas obras que ainda lhe restam.

O pai, seu porto-seguro e única pessoa que a entendeu, morre em 3 de Março de 1913, o que piora a depressão e a faz sair, ainda mais, da realidade. Entra numa crise violenta, partindo tudo e gritando. Em 10 de Março, é internada no manicómio de Ville-Evrard. A eclosão da Primeira Guerra Mundial faz com que seja transferida para Villeneuve-lès-Avignon onde morre, após trinta anos de internamento e desespero, passando todo esse tempo amarrada e sedada. Morreu em 19 de Outubro de 1943, aos 79 anos incompletos.

Acredita-se hoje que Camille tenha sido vítima da Acção T4, no manicómio, como muitos outros durante a ocupação nazi da França. A Acção T4 foi o nome usado após a Primeira Guerra Mundial para o programa de eugenismo e eutanásia da Alemanha nazi, durante o qual médicos assassinaram centenas de pessoas consideradas por eles "incuravelmente doentes, através de exame médico crítico". O programa ocorreu oficialmente de Setembro de 1939 a Agosto de 1941, mas continuou de modo não-oficial até ao fim do regime nazi, em 1945. Claude foi informado da condição "terminal da irmã" em Setembro de 1943, mas não esteve presente nem na morte, nem no funeral de Camille. A sua mãe morreu em 20 de Junho de 1929 e sua irmã nunca viajou até o manicómio para vê-la.

Camille Claudel foi enterrada no cemitério de Monfavet numa vala comum.

 

Do livro Camille Claudel, A Life:

Dez anos após sua morte, os ossos de Camille foram transferidos para uma vala comum, onde foi misturado com os ossos de pessoas mais pobres. Presa ao solo de onde ela tentou fugir por tanto tempo, Camille nunca mais retornou à sua amada Villeneuve. A negligência de Paul com o túmulo de sua irmã é imperdoável... Enquanto Paul decidiu não se sobrecarregar com o túmulo da irmã, ele fez grandes planos para seu local final de descanso, dando um local exacto - em Brangues, sob uma árvore, ao lado de seu neto, e citando cada palavra que estaria na lápide. Hoje, seus fãs prestam homenagens à sua memória em seu túmulo nobre; mas de Camille não há traço sequer. Em Villeneuve, uma placa simples lembra aos visitantes curiosos que Camille Claudel ali viveu, mas seus restos ainda estão no exílio, em algum lugar, alguns passos de distância do lugar que a sequestrou trinta anos antes.

 

TALENTO

Camille Claudel, La Valse, escultura (bronze), 190

Camille Claudel, La Valse, escultura (bronze), 1905

 

A força e a grandiosidade de seu talento estavam na verdade num lugar muito incómodo: entre a figura lendária de Rodin e a de seu irmão que se tornou um dos maiores expoentes da literatura de sua geração. E não é difícil perceber que as questões de género influenciaram esse lugar menor dedicado a Camille.

O seu génio sufocado por dois gigantes, a sua vida sufocada por um abandono, as suas forças e a sua lucidez esgotadas por uma relação umbilical com seu mestre e amante. Uma relação da qual não conseguiu desenvencilhar-se, consumindo a vitalidade na vã tentativa de desembaraçar-se desse destino perverso. Camille Claudel, com a sua forte personalidade, a sua intransigência, o seu génio criativo, ultrapassou a compreensão de sua época e permanecerá ainda e sempre um Sumo Mistério. Ela tinha uma inteligência, um talento fora do comum e poucas pessoas da época entendiam o seu grande dom de verdadeira artista.

publicado por Elisabete às 19:28
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Novembro de 2015

OS PALACETES TORNAM-SE ÚTEIS

Comuna Soldado Luís1.png

TOMADO DE ASSALTO UM PALACETE DESABITADO


 "A igualdade dos homens começa na igualdade das crianças"Comuna Soldado Luís2.png

Seguindo uma linha de actuação que desde há muito não deixa qualquer tipo de dúvidas, quanto às finalidades a atingir, a LUAR (Liga de União e Acção Revolucionária), ocupou ontem, para o povo, um prédio abandonado da Rua Morgado Mateus, transformando-o de imediato, numa Comuna Infantil Popular, a que deram o nome, por sugestão dos moradores dos bairros da zona, de Soldado Joaquim Luís, o militar assassinado em 11 de Março pelas tropas reaccionárias de Spínola. 

A acção foi programada com a antecedência que uma actuação deste tipo exige. As comissões de bairro da freguesia do Bonfim foram auscultadas. Militantes da organização vinham efectuando desde há dias um levantamento social da zona, chegando à indubitável conclusão de que era necessário instalar um infantário na freguesia. O prédio foi escolhido com a ajuda de moradores, a partir de informações que permitiram a selacção. 

Designado o local, grupos de elementos da LUAR estudaram a parte operacional do "assalto". Foram contactados médicos e enfermeiros. Confirmada a viabilidade da operação, foi escolhido o dia de ontem, à hora 10ª, para o accionar de toda a orgânica do grupo.

Em segundos, o prédio foi tomado.

Tinha sido aumentado o poder das crianças. A miudagem do Bonfim, tinha mais qualquer coisa de seu.

 

CRIAR PODER POPULAR

A LUAR não trabalha de improviso. As acções desenvolvidas são consequência de um profundo estudo operacional de cada segundo dos minutos de actuação e do avaliar consciente das possibilidades de apoio às posições assumidas. A intervenção do grupo começa na consciencialização das bases. Como tal, enquanto o grupo de intervenção tomava a casa de assalto, o grupo de propaganda distribuía pela zona da morada ocupada o seguinte comunicado:

"No dia 16 de Março, pelas 10 horas, foi ocupada pela LUAR e com o apoio imediato e activo da população local, a habitação há muito desocupada, situada na Rua Morgado Mateus, ao Campo 24 de Agosto, ex-sede do Grémio da Indústria de Curtumes.

"O objectivo é transformar esta magnífica casa inútil e ampla num infantário-creche comunal administrado exclusivamente pelos populares. Pretende-se com esta acção lançar as ideias básicas de um Serviço Nacional de Assistência à Criança, ao serviço das massas trabalhadoras mais desfavorecidas e controlado por elas.

"É evidente que acções como esta não terão significado se não se alargarem à população de todo o País, se não assumirem uma forma de poder popular. Para que o povo futuramente ganhe o poder, é necessário para já a nível político e económico haver um controlo efectivo por parte das massas trabalhadoras. É aqui que surge a necessidade dos poderes piopulares, significando isto que, em regime de exploração capitalista, quem comanda o poder não pode servir o povo. 

"É necessário que no local onde vivemos, nos bairros, nas fábricas, nas aldeias, nas cidades, nos locais onde trabalhamos, nos campos e nas empresas, se constituam comissões de moradores, de consumidores, de trabalhadores que, coordenados a nível nacional, procurem constituir uma alternativa ao poder burguês. A luta contra a exploração capitalista vai ser dura e prolongada. Neste momento, para que o plano de "Assistência Nacional à Criança" não morra, é preciso o apoio consciente, profissional e material, de todos quanto queiram lutar por uma sociedade socialista".

 

UM APELO DAS CRIANÇAS

O manifesto termina com um apelo das crianças do Bonfim, S. Lázaro, Campo 24 de Agosto, Fernão de Magalhães, S. Vítor, etc. lançado ao papel pelo punho de um militante da LUAR:

"Apelamos sobretudo para os camaradas dos hospitais, das comissões de trabalhadores dos estabelecimentos de Saúde e Assistência e das empresas ligadas aos ramos médicos e farmacêuticos, dos sindicatos dos médicos, dos enfermeiros, dos assistentes sociais; a todos os particulares que apoiem esta iniciativa popular."

E é obrigatório apoiar esta iniciativa realmente popular. Sem dogmatismos, sem discursos ou corta-fitas, homens do povo, ontem a meio da manhã, mostraram que estão efectiva e incondicionalmente ao serviço do povo. Sem a mira do voto (como se sabe a LUAR não participa nas eleições), sem rótulos liberalizantes, nem com gritos de liberdade, os homens da LUAR agiram como verdadeira força popular, ao serviço do povo, sem histéricas pragmáticas e democracia, sem cognominações de povo ou trabalhadores ou cristãos. Na unidade revolucionária, a LUAR continua a construir o socialismo.

 

"FARTOS DE CONVERSA ESTAMOS NÓS"

O sr. Alberto Correia é subchefe aposentado da P.S.P. Tem 79 anos. Mora na freguesia. Ontem, foi visitar "o prédio dos netos".

- Assim é que é. Olhe, os meus netos é que ficam a lucrar. Não tinham onde brincar, agora passam a vir para aqui. Sabe, eu sou do tempo da 1ª República. Também quando foi do falecido general Humberto Delgado, pus lá o meu voto por ele, mas cortaram-mo. Sou democrata velho. E fartos de conversa estamos nós. Assim é que é..."

Setenta anos mais nova, disse-nos a Margarida do Carmo Sá Azevedo:

- Acho que isto é uma coisa muito boa, e que pensaram em nós. Assim, é dar-nos também o poder.

Edite Manuela, de 7 anos, desenhava uma bonita casa nos painéis postos pela LUAR à disposição das crianças numa das salas do magnífico edifício de 5 pisos:

- O que penso disto é que é bom, porque ficamos com mais coisas.

Com um ano a menos, o Fernando Pedro acha que "é muito bom, porque posso encontrar aqui muitos amigos e é termos uma casa só para nós".

- Havia era de ter sido há mais tempo. - disse-nos o sr. Inácio dos Santos Sobrinho, nascido e criado na freguesia do Bonfim. - Estar uma casa destas aqui abandonada até é uma ofensa para os pobres. Veja lá o senhor que os tipos queriam vendê-la por vinte mil contos. Foi bem feito. As crianças merecem tudo.

 

UMA CASA PARA O POVO

Durante todo o dia de ontem, o edifício foi visitado por centenas de pessoas, dezenas de crianças que foram conhecer a sua nova casa.

- Nós tomámos a casa. Mas para a dar ao povo. Por isso o povo é que irá administrá-la e usufruir da organização médica que começamos a programar - disse-nos um dos responsáveis do núcleo do Norte da LUAR.

Após a actuação do Grupo de Intervenção, secundado por um grupo de Segurança, um grupo procedeu ao inventário das poucas coisas que se encontravam no interior do prédio abandonado. Como já referimos, um outro grupo, o de Propaganda, comunicou à população da zona que a partir daí possuiam uma Comuna Infantil Popular.

Hoje, começam já a funcionar os serviços médicos, através de alguns clínicos simpatizantes da LUAR, e de outros que imediato se solidarizaram com a ideia. Numa segunda fase, que se prevê seja o mais breve possível, a Comuna Infantil Popular será entregue a uma Comissão de Gestão constituída por moradores da zona, retirando-se então os elementos da LUAR, que continuarão, no entanto, activos e organizados, para novas acções de interesse geral. 

Podemos desde já adiantar que está num dos planos futuros da Liga de União e Acção Revolucionária, ocupar uma outra morada para aí instalar uma Comuna de Convívio para Velhos, onde além de um merecido repouso, os mais idosos encontrarão assistência médica e o carinho humano de que tanto precisam.

Mas para a concretização desta ideia e consolidação do projecto ontem iniciado, a LUAR, organização apartidária, progressista e sobretudo revolucionária, espera a ajuda de todos.

Comuna Soldado Luís3.png

 AS CRIANÇAS AGRADECEM:

As crianças da Comuna Infantil Popular agradecem ofertas de cobertores, colchões, brinquedos, material escolar, roupas, medicamentos, livros, géneros alimentícios, móveis e a colaboração de médicos, enfermeiros e assistentes sociais. Todas as ofertas poderão ser entregues na Rua Morgado Mateus, nº 137, ou na sede da LUAR, na Praça Marquês de Pombal.

P1160233.JPG

 

 

 

P1160234.JPG

                            

 

 

publicado por Elisabete às 18:05
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Setembro de 2015

Tudo o que queria era um lugar, um lugar de cinco mil...

A Morte de Ivan Ilitch.JPG

 Ia com um único objectivo: obter um lugar com cinco mil rublos de ordenado. Já não se inclinava para nenhum ministério, orientação ou género de actividade em particular. Tudo o que queria era um lugar, um lugar de cinco mil, fosse na administração, nos bancos, nos caminhos-de-ferro, numa das instituições da imperatriz Maria, ou mesmo na alfândega, mas necessariamente sair de um ministério onde não sabiam apreciá-lo.

E eis que esta viagem de Ivan Ilitch foi coroada de um êxito notável e inesperado. Em Kursk entrou na carruagem de primeira classe um conhecido seu, F. S. Ilin, e informou-o acerca de um telegrama recente recebido pelo governador de Kursk, anunciando que por aqueles dias se daria uma mudança no ministério: iam nomear Ivan Semiónovitch para o lugar de Piotr Ivánovitch.

A possível mudança, além da sua importância para a Rússia, tinha uma importância especial para Ivan Ilitch porque, ao promover um novo homem, Piotr Petróvitch, e evidentemente também o seu amigo Zakhar Ivánovitch, lhe era altamente favorável. Zakhar Ivánovitch era colega e amigo de Ivan Ilitch.

Em Moscovo a notícia foi confirmada. E ao chegar a Petersburgo, Ivan Ilitch encontrou-se com Zakhar Ivánovitch e obteve a promessa de um lugar seguro no seu anterior ministério da Justiça.

Uma semana depois, telegrafou à mulher:

"Zakhar lugar Miller. Obterei lugar ao primeiro relatório."

Graças a essa mudança de pessoas Ivan Ilitch obteve inesperadamente, no seu anterior ministério, uma nomeação pela qual ficava dois graus acima dos seus colegas: cinco mil rublos de ordenado e três mil e quinhentos como subsídio de transferência.

Todo o seu enfado com os anteriores inimigos e com o ministério foi esquecido, e Ivan Ilitch sentiu-se completamente feliz.

Voltou para o campo alegre e satisfeito como há muito não se sentia. Praskóvia Fiódorovna também se alegrou e entre eles estabeleceu-se uma trégua. Ivan Ilitch contou como tinha sido felicitado por todos em Petersburgo, como todos os que tinham sido seus inimigos estavam envergonhados e agora o adulavam, como era invejado pela sua posição e, em especial, como toda a gente em Petersburgo tinha gostado muito dele.

 

LEV TOLSTÓI

Tolstoi.jpg

 

 

 

publicado por Elisabete às 11:47
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015

1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigiam eles e elas

Divórcio.jpg

Em 1974 foram recolhidas cem mil assinaturas a pedir a legalização do divórcio

Por causa da Concordata de 1940, os casamentos católicos eram indissolúveis

 

Num cartaz fotografado pelo Diário de Notícias lê-se "algemas no casamento". Outro anuncia que há "dois milhões de filhos ilegítimos". Com a Revolução de Abril de 1974, um vasto movimento popular a exigir a legalização do divórcio pôs-se em marcha. E uma maciça campanha de recolha de assinaturas foi lançada. Recolheram-se mais de cem mil, mas apenas 51 mil foram entregues no Palácio de Belém ao presidente António de Spínola, segundo a notícia que surge na primeira página de 6 de Junho de 1974. 

Citando membros da comissão que recolheu as assinaturas, o jornal escreveu que "o governo entende de momento não poder resolver este grande problema que os paladinos do movimento pró-divórcio apontam como nº 2 na ordem de prioridades absolutas da nação (o primeiro é, naturalmente, o colonial)". E o DN dava conta ainda da promessa de se manifestarem no Vaticano, a favor da revisão da Concordata de 1940, entre o Estado Novo e a Santa Sé.

Com a implantação da República em 1910, o divórcio tornou-se legal em Portugal (o casamento civil vinha de 1867, durante o reinado de D. Luís). Mas Salazar negociou com o Vaticano um vasto acordo de Estado a Estado que incluía a proibição de divórcio para os casamentos católicos, o que significou décadas de famílias desfeitas e refeitas à margem da lei - e com o tal problema dos filhos ilegítimos. A interdição teve fim em 1975, com a revisão da Concordata, que permitiu de novo aos casados pela Igreja que pedissem o divórcio civil. Depois disso a lei não deixou de se ir liberalizando cada vez mais em Portugal. 

Mas se o divórcio é antigo na civilização (era comum na Grécia Clássica e no Império Romano), ainda hoje não é um direito universal. Além de dificultado, para as mulheres, em muitos países muçulmanos, continua proibido nas Filipinas, o mais populoso país católico da Ásia. E só mais um Estado o interdita: o Vaticano.

 

Notícias Magazine

 

 

 

publicado por Elisabete às 15:29
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 6 de Setembro de 2015

Continuará a Terra a girar unicamente para alimentar a solidão dos homens?

sputnik-meu-amor1.jpg

 Amanhã meto-me no avião e regresso a Tóquio. As férias de Verão estão quase a acabar e voltarei a calcorrear os intermináveis caminhos do costume. É lá o meu lugar, é lá que está o meu apartamento, a minha mesa de trabalho, a minha sala de aulas, os meus alunos. Esperam-me dias tranquilos, romances por ler. Uma ou outra ligação esporádica.

Uma coisa é certa: não voltarei a ser o mesmo. A partir de amanhã, serei outra pessoa. Os que me rodeiam não se darão conta de que voltei ao Japão completamente diferente. Por fora, nada terá mudado, mas algo dentro de mim ficou reduzido a cinzas e deixou de existir. Houve sangue derramado e, dentro de mim, algo morreu. Desapareceu de vez, de cabeça baixa, sem uma palavra. Há uma porta que se abre e uma que se fecha. Apaga-se a luz. Para mim, tal como sou agora, hoje é o último dia. Este é o meu último entardecer. Quando o novo dia nascer, eu, tal como sou agora, já não estarei aqui. Outra pessoa diferente habitará o meu corpo.

Por que será que estamos condenados a ser assim tão solitários? Qual a razão de tudo isto? Há tanta, tanta gente neste mundo, todos à espera de qualquer coisa uns dos outros, e, contudo, todos irremediavelmente afastados. Porquê? Continuará a Terra a girar unicamente para alimentar a solidão dos homens?

Virei-me de costas sobre a laje de pedra, fitei o céu por cima de mim e pus-me a pensar na quantidade imensa de satélites que naquele preciso momento deviam girar à volta da Terra. No fio do horizonte era ainda possível distinguir uma réstia de luz, e as estrelas começavam a brilhar no céu de um profundo tom púrpura. Procurei com o olhar a luz de um satélite, mas havia demasiada claridade para distinguir fosse o que fosse a olho nu. As estrelas que estavam à vista permaneciam imóveis, cada uma no seu sítio, como se cravadas no céu. Fechei os olhos e prestei atenção para ver se conseguia ouvir os descendentes do Sputnik que continuavam a dar voltas à Terra, tendo como único elo de ligação ao planeta a gravidade. Solitários pedaços de metal que se encontraram de repente nas trevas do espaço, cruzam-se no seu caminho e depois separam-se para sempre. Sem trocarem uma palavra, sem fazerem uma promessa.

Haruki Murakami

Haruki Murakami.jpg

 

 

publicado por Elisabete às 19:54
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 31 de Agosto de 2015

SETEMBRO

107.Terceira.4Outubro2009.Beladonas.JPG

 Em Setembro lembramo-nos dos canaviais. Cheira a terra húmida e a apara-lápis, e o vento faz tombar sobre a terra os primeiros ouriços, precoces ainda. Sei que entra Setembro porque ouço os pneus dos automóveis sobre o asfalto. Há um arco-íris no céu, folhas de plátano pelo chão e nos rostos das crianças uma ternura. Em Setembro casam-se as segundas oportunidades, e não há nada tão redentor como elas. E também é em Setembro que ficam deprimidos os que não suportam o silêncio. Setembro é vindima e é crepúsculo. O crepúsculo sempre foi assim. Nos grandes e calmos dias de Setembro, como lhes chamou o poeta, comem-se os últimos tomates, o resto do milho doce e o mel da fajã da Serreta, feito pelo Sr. Manuel Jorge. Compram-se sapatos novos, tiram-se os casacos do armário e o Q.B. torna a fazer torrões de pistácio. Tenho saudades de torrões de pistácio. E de chá de néveda. E de tempestades. No mês de Setembro estreiam-se os filmes de Woody Allen (pelo menos, a mim, parece-me sempre Setembro). Voltam o jazz, o teatro e as noites sem programa, e também há festas em São Bartolomeu, com o João Ângelo cantando ao desafio. Tudo é mais romântico em Setembro. As lavadias abrandam, o mar antém-se cálido, as praias ficam desertas. E nós lembramo-nos dos canaviais. Tudo é mais romântico e belo em Setembro, e é por isso que nos lembramos dos canaviais. E de casacos. Lá mais para o final de Setembro abrem as primeiras beladonas, engordam os primeiros araçás, partem os primeiros cagarros. Talvez possamos até acender a lareira, lá para o final de Setembro - mas os ouriços continuarão precoces, como uma expectativa do que está para vir.

Amanhã entra Setembro, e Setembro traz sempre consigo a expectetiva do que está para vir. Eu ainda sinto a expectativa do que está para vir. 

 

JOEL NETO

(DN Opinião)

joel_neto1.png

publicado por Elisabete às 12:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 12 de Agosto de 2015

SEM CORAÇÃO

miranda.jpg

Quim Comandos preocupa-me, o seu estado enquistado em processo revolucionário permanente. As paredes do bar grafitadas com frases de ponta e mola, assinadas por um tal comandante Raio:

Os mais fortes demoram apenas mais tempo a ser abatidos.

O objectivo da guerra é atingir a paz, o objectivo da paz é acabar com a guerra; o meu objectivo é acabar com as duas.

Quero que todas as revoluções aconteçam ontem. Hoje é demasiado tarde.

Que raio de comandante será este? Tenho a certeza de que é apenas um pseudónimo do próprio Quim, devoto do Che Guevara e de mais ninguém. Preocupa-me esse seu estado alucinado, vulcão adormecido capaz de atravessar a qualquer momento a fronteira entre a sanidade e a loucura e fazer um disparate, julgando que a revolução, a insurreição armada, chegará num dia talvez de nevoeiro, como um sebastianismo no cano de uma metralhadora.

No entanto, por vezes parece-me que tem razão. Esta sociedade precisa duma revolução. Quando olho para o mundo e vejo a loucura das guerras, fomentadas pelos comerciantes de armas e por aqueles que fazem fortunas a reconstruir cidades arrasadas por bombardeamentos… Quando vejo a corrupção de governantes e políticos, quando assisto impotente a todas as técnicas de manipulação da imprensa, do condicionamento das mentes, quando os eleitores elegem sucessivamente quem os conduz ao desastre e à miséria, sem saber como ou porquê, quando a democracia é apenas uma forma mais trabalhosa de alguns explorarem todos, aí eu tenho a certeza de que Quim Comandos é senhor da razão. Loucos são os outros…

 

Miguel Miranda, Sem Coração

Miguel Miranda.Sem coração.jpg

 

publicado por Elisabete às 15:36
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 28 de Julho de 2015

A ESPIRAL REPRESSIVA

Camilo LUAR DE Janeiro.JPG

Tão inevitável como a morte?

 

A concentração do capital, facilita, estimula e permite, comprar a concentração do poder político.

O poder político, (também o pseudo-democrático) adquirido pelos donos do capital, é usado como arma suprema contra quem vive do seu trabalho.

Os donos do capital, para defender os seus interesses, passaram a preferir as armas “democráticas.” Aquelas que sem prender formalmente as pessoas por delitos de opinião, até lhes permite eleger os seus representantes, desde que os escolhidos sejam quem eles querem e em quem confiam.

As vias democráticas para impor os interesses do capital e sujeitar quem trabalha às suas leis, começam a ser demasiado óbvias e perceptíveis aos olhos das vítimas e, por isso, mais uma vez, os capitalistas pressentem o perigo e cerram fileiras em defesa dos seus privilégios, daí a propalada ostentação de firmeza e cega irredutibilidade na decisão de querer arrebanhar, custe o que custar, o dinheiro que semearam nas grandes sementeiras da especulação, feitas em “terras de reduzida fertilidade”.

Nervosos, perante as ténues ameaças que o futuro desenha, “reagem à capitalista”e não resistirão à tentação de recorrer à força das armas e da repressão generalizada, para tentar “controlar à nascença” as tempestades sociais que as suas humilhações provocaram.

Ilusão!

Aos Homens, Aos Países, às Comunidades Humanas, às Sociedades Nacionais ou supra-nacionais, nada as empurra mais irracionalmente para a voracidade incontrolável da Guerra do que a Humilhação. Pelos vistos, para lá caminhamos de novo!

E a partir do momento em que a Espiral Repressiva do Capitalismo sinta de novo a necessidade de abandonar a capa sacrossanta da camuflagem democrática, privando-nos também das liberdades formais… aí, (demasiado tarde?) contra a violência despida de cinismos, toda a violência revolucionária será de novo legítima, desta vês à escala da Europa, tem der ser. Aí, disso não tenho dúvidas, o Povo português, a sua juventude, estarão de novo dispostos a sacrificar as vidas, para chegar de novo à Av. da LIBERDADE.

É imperioso obrigar os capitalistas (os lobos) a despirem os seus disfarces de cordeiros.

 Desengane-se quem avilta a dignidade humana. Mais segura, tranquila e feliz é a vida duma família socialmente solidária, que a vida duma família muito rica de património conseguido à custa da miséria alheia.

 

Camilo Mortágua

(Julho de 2015)

 

publicado por Elisabete às 15:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 30 de Junho de 2015

1967 FÉ DE PEDRA

 

001.jpg

A França, onde o Sagrado Coração de Jesus se manifestou, foram os do Porto

buscar o começo de uma nova igreja

 

Uma pedra será mais do que isso, mero bloco granítico a partir do qual se constrói a casa, seja esta dos homens ou da divindade. Uma pedra pode remeter-nos à penitência de Sísifo, condenado a repetidamente levar o mesmo monolito ao cume da mesma montanha, mas pode também lembrar-nos a fé dos de há quase cinquenta anos, que do Porto foram a França buscar o alicerce basilar da sua igreja. A pedra que aqui mostramos, primeira de um moderno templo que viria a representar, na Invicta, novo paradigma da arquitectura religiosa assinado pelo arquitecto Luís Cunha, que poucos anos depois teria nova expressão na Igreja Paroquial de Cedofeita, assinada por Eugénio Alves de Sousa. Mas a primeira pedra da nova igreja do Carvalhido, que é dessa que aqui falámos, é mais do que um fragmento de arquitectura, antes foi uma expressão de fé. Consagrado ao Sagrado Coração de Jesus o templo, à localidade de Paray-le-Monial foram peregrinos, em 1966, buscar o bloco que aqui vemos, um ano depois, na cerimónia simbólica de arranque da construção. Porque naquela distante terra se acredita que Cristo apareceu de peito aberto a Margarida Maria Alacoque, que viveu no século XVII e é santa desde 1920. Num pedaço de granito, "o coração que tanto amou os homens", como se acredita que Cristo disse à vidente, mas também a perseverança dos que quiseram dar à sua casa de oração uma essência de divindade. Foi em Junho de 1967 que, como noticiava o JORNAL DE NOTÍCIAS, "as principais autoridades civis e militares" do Porto assistiram à bênção da pedra, protagonizada pelo bispo Florentino de Andrade Silva, administrador apostólico da dioceses. O bispo diocesano, D. António Ferreira Gomes, afrontara Oliveira Salazar e vivia no exílio, em Espanha e França, desde 1959. Só regressaria dois anos depois desta cerimónia, beneficiando da relativa abertura a que se chamou "primavera marcelista", ainda a tempo de assistir ao final da construção da igreja do Carvalhido.

Igreja_Carvalhido_nova_(Porto).JPG

 A nova Igreja do Carvalhido

publicado por Elisabete às 22:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

* Festas Felizes

* A Liberdade de Escolher…

*arquivos

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar