Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012

Beloved

 

Denver pensava compreender a ligação entre a mãe e Beloved: Sethe tentava compensar a serra; Beloved fazia-a pagar por isso. Mas aquilo nunca teria um fim, e ver a mãe humilhada, envergonhava-a e enfurecia-a. No entanto sabia que o maior medo de Sethe era o mesmo que Denver tivera no início – que Beloved pudesse partir. Que partisse antes que Sethe a pudesse fazer compreender o que significara passar os dentes daquela serra sob o pequeno queixo; sentir o sangue de bebé a espalhar-se como óleo nas suas mãos; segurar-lhe o rosto para que a cabeça não caísse; apertá-la para conseguir absorver os espasmos da morte que percorriam aquele corpo adorado, gorducho e doce de vida – Beloved podia partir. Partir antes que Sethe a fizesse compreender que pior do que aquilo – muito pior – fora aquilo por que Baby Suggs morrera, aquilo que Ella sabia, aquilo que Stamp Paid vira e aquilo que fazia Paul D estremecer. Que qualquer branco nos podia levar por completo e por qualquer motivo que lhe passasse pela cabeça. Não apenas para nos pôr a trabalhar, matar, ou mutilar, mas também conspurcar. Conspurcar tanto que já não nos podemos amar. Conspurcar de tal modo que esquecíamos quem éramos e já não nos conseguíamos encontrar. E embora ela e os outros o tivessem vivido e ultrapassado, ela nunca poderia deixar que isso acontecesse aos seus filhos. O melhor de si eram os filhos. Os brancos podiam sujá-la, mas não ao que tinha de melhor, a melhor coisa bela e mágica – a parte dela que estava limpa. Sem sonhos inconcebíveis em que se interrogava se os troncos sem pés nem cabeça pendurados nas árvores eram de Paul A ou do marido; sem se preocupar que entre as raparigas queimadas vivas numa escola para negros, pudessem incluir a sua filha; sem a dor de ver um bando de brancos a invadir as partes íntimas da filha, a ensopar-lhe as coxas e a enlouquecê-la. Ela até poderia fazer engates no pátio do matadouro, mas a sua filha não.

E ninguém, nem uma única pessoa à superfície da Terra, iria enumerar as características da filha no lado do papel reservado aos animais. Não. Oh, não.
Talvez Baby Suggs se pudesse conformar com aquilo, viver com essa proximidade; mas Sethe recusara-se a fazê-lo – ainda se recusava.

Denver ouviu-a dizer isto e muito mais da sua cadeira do canto, a tentar convencer Beloved, a única pessoa que achava ter de convencer, que aquilo que fizera fora o correcto porque viera do amor verdadeiro.

 

Toni Morrison,

escritora norte-americana nascida em Lorain (Ohio), a 18 de Fevereiro de 1931
Recebeu o Nobel da Literatura em 1993
 

publicado por Elisabete às 11:45
link do post | comentar | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar