Sexta-feira, 3 de Agosto de 2012

PALMA INÁCIO e o Golpe dos Generais

 

[…]

A revolta militar do Norte, em 1946, foi um teste para a operação com grande participação, organizada para eclodir em Abril de 1947. O Movimento em embrião tinha a cobertura e a orientação da denominada Junta de Libertação Nacional, criada em 1946.

Trata-se de uma organização ilegal “constituída com fins manifestamente subversivos (…) para a sublevação das Forças Armadas, (para), por estes meios, alterar a Constituição Política do Estado e mudar a forma de Governo…”. Era assim que a Ditadura a classificava.

Dessa Junta faziam parte: vice-almirante José Mendes Cabeçadas Júnior; general José Garcia Marques Godinho; brigadeiro Eduardo Corregedor Martins; brigadeiro António de Sousa Maia; coronel Celso Mendes de Magalhães; coronel Carlos Tavares Afonso dos Santos e o civil doutor João Soares.

Nos “autos” de 1947, citados por Fernando Queiroga, não existe referência ao coronel de Infantaria Luís Gonzaga Tadeu e ao tenente José Joaquim Gaita, que constam na ordem do exército 2ª série, nº 6, de 5 de Julho de 1947, como desligados do serviço desde 14 de Junho de 1947, por decisão do Conselho de Ministros. Não existem referências a muitos outros oficiais, sargentos, praças e civis que assumiram o compromisso de operacionalizarem o derrube de Salazar sob os auspícios da referida Junta.

A logística da operação foi preparada e financiada sobretudo por industriais e empresários portugueses, dos quais destacamos Lúcio Tomé Feteira, um dos industriais que posteriormente viria a ajudar Palma Inácio no Brasil e a financiar outras operações para depor Salazar.

O centro da acção foi determinado para a região de Tomar. Havia, consequentemente, necessidade de neutralizar as unidades que não haviam manifestado receptividade ao golpe militar ou onde não havia confiança plena em oficiais hesitantes.

Todos os oficiais foram desligados de serviço e passados à reforma, por deliberação do Conselho de Ministros, em 14 de Junho de 1947. Todos eles foram entregues aos tribunais militares ou plenários civis, que os haviam de julgar por “crimes contra a organização do Estado”, os previstos e punidos pelo artº 167 do Código Penal.

Palma Inácio foi um desses civis que aceitou, por proposta do tenente Quilhó, que fazia a ponte com o brigadeiro da Aeronáutica António de Sousa Maia, participar no levantamento militar.

No âmbito do Movimento, foi-lhe adstrita a missão de sabotar todos os aviões que se encontravam na Base Aérea nº 1, em Sintra, no sentido de não poderem vir a operar contra as forças revoltosas. Tratava-se de uma unidade militar com a qual o movimento não contava.

Palma Inácio terá afirmado ao tenente Quilhó: “estes gajos estão sempre a preparar levantamentos militares que não dão em nada”. Porém, assumiu fazer parte da conspiração até porque a missão de que fora incumbido “caía-lhe como uma luva”. Primeiro, porque tinha ali feito toda a sua formação militar. Segundo, porque, mesmo eliminado do serviço militar, continuava a ter horas de voo no Air Clube, sediado na referida base. Terceiro, porque nela se mantinham ainda alguns ex-camaradas amigos.

Luís Vaz, Palma Inácio e o Golpe dos Generais (1947)

 

 

publicado por Elisabete às 19:28
link do post | comentar | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar