Quinta-feira, 26 de Setembro de 2013

Novas formas de escravatura do Capitalismo

A morte de Moritz Erhardt e o erro de Keynes


Ainda não se sabe ao certo a causa da morte de Moritz Erhardt, um jovem de 21 anos, estagiário no Bank of America Merrill Lynch, em Londres no mês passado. Erhardt, um estudante alemão que havia terminado recentemente um semestre de intercâmbio na faculdade de negócios da University of Michigan, estava a aproximar-se do final de um estágio de Verão, de sete semanas, no renomado banco, quando desmaiou ao tomar banho, na sua residência, no leste de Londres. Os relatórios indicaram que ele sofria de epilepsia e deve ter tido convulsões. Esta é uma trágica história. O que a torna ainda mais atroz é a revelação da fatigante agenda de Erhardt nas semanas que antecederam a sua morte. (As convulsões epilépticas também podem ocorrer devido a exaustão).

Tentando conseguir a aprovação do seu chefe, Erhardt trabalhou até de madrugada oito vezes em duas semanas, dizem os colegas. Nas noites que antecederam sua morte, trabalhou até às seis horas da manhã por três dias seguidos. Erhardt estava empregado na divisão de investimentos bancários, que é notável, mesmo para os parâmetros degoladores da City of London e de Wall Street, pelas horas de trabalho esperadas dos trabalhadores. “Eu vejo muitas pessoas andando por aí, com os olhos avermelhados e bebendo cafeína para poder passar por isso, mas elas não reclamam, pois a recompensa pode ser muito boa”, disse um estagiário ao The Independent. (Na sua declaração, o Bank of America Merrill Lynch disse que não poderia comentar estas afirmações sobre as horas de trabalho de Erhardt e que aguarda os laudos pós-morte).

Excesso de trabalho: a possível causa da morte de Erhardt pode ser relativamente rara, mas não é nenhuma novidade. Apenas há alguns meses, um rapaz de 24 anos, em Beijing, sofreu uma paragem cardíaca por ter trabalhado excessivamente durante um mês. No Japão existe até um termo para este fenómeno, e o ministério da Saúde fez um grande esforço para reduzir o número de casos. A morte de Erhardt mostra um curioso fenómeno, que destaca a natureza do trabalho e do lazer e as razoáveis expectativas que as pessoas possuem de ambos.

 

Moritz Erhardt: no seu sector, são quase inevitáveis as jornadas de 80 horas semanais

 

Em 1930, John Maynard Keynes escreveu um ensaio chamado Economic Possibilities for Our Grandchildren (Possibilidades Económicas para os Nossos Netos), no qual previu que, com o avanço das tecnologias e o consequente aumento da produtividade, poderíamos trabalhar muito menos para satisfazermos as nossas necessidades. No espaço de um século, estimou Keynes, ninguém deveria trabalhar mais do que quinze horas semanais. O argumento parece quase ingénuo, na medida em que 2030, a data estimada por Keynes, se aproxima.

As horas de trabalho no mundo desenvolvido de facto caíram drasticamente nas primeiras décadas do século XX, graças às inovações industriais (como o próprio Keynes testemunhou). O declínio diminuiu nas décadas seguintes e, desde os anos 1980, as horas de trabalho estagnaram na média de quarenta horas semanais. Hoje, nenhum lugar, no mundo desenvolvido, está perto da projectada semana de trabalho de quinze horas de Keynes. Mesmo assim, no final do século XX, a média anual de horas trabalhadas era quase metade em relação ao século anterior, principalmente pela drástica mudança no início do século. Isto conduziu a um aumento nas actividades de lazer: prática de desporto, viagens, televisão, etc.

No entanto, os 10% do topo dos assalariados “não compartilharam muito deste ganho no lazer”, escreveu Robert Fogel, um historiador económico, em 1994. Ao invés disso, estas pessoas bem pagas, notou ele, estavam trabalhando próximo dos padrões do século XIX: 3200 horas por ano, comparadas com o actual padrão de 1800 horas.

 Isto é surpreendente, se se pensar – como fez Keynes – que as pessoas preferem as horas de lazer e que passariam menos tempo trabalhando, se ganhassem dinheiro suficiente para trabalhar menos. Por outras palavras, parece fazer sentido que pessoas que ganham muito dinheiro trabalhariam menos e não mais.

Ao contrário, é o oposto que tem acontecido. Na verdade, o salário de 4.200 dólares por mês de Erhardt não o colocaria na categoria de Fogel do topo dos 10% dos assalariados. Mas não há dúvida de que, se ele tivesse vivido e continuado a trabalhar num banco de investimentos, os seus rendimentos teriam aumentado exponencialmente. Além disso, Erhardt pertencia a um meio em que as horas de trabalho pouco diminuem conforme se sobe na carreira corporativa. Alexandra Michel, professora assistente na U.S.C. Marshall School of Business, entrevistou mais de quinhentos sócios de bancos para um artigo sobre a cultura no local de trabalho: no seu primeiro ano de trabalho, todos os entrevistados disseram trabalhar mais do que oitenta horas por semana; no quinto ano, este número permaneceu nos 97%. “É como se fosse uma experiência psíquica em que a luz está sempre acesa,” disse um sócio a Michel sobre o seu ambiente de trabalho. “O único marco temporal são os turnos das secretárias”.

 

  

Como é que Keynes, cujas previsões já se mostraram tão acertadas, errou nesta?

A resposta talvez tenha a ver com o facto de a cultura dos locais de trabalho – incluindo as horas que as pessoas trabalham – não são estabelecidas pelos trabalhadores, mas pelos empregadores. Estes, preferem contratar um número menor de trabalhadores que conseguem trabalhar um longo período do que pagar menos e dividir o trabalho, pelo simples motivo de que da primeira forma é mais rentável, escreveram Robert e Edward Skidelsky no livro How much is enough? (Quanto é o bastante?). O resultado, de acordo com os autores, é que o mercado de trabalho está agora “dividido entre os que são obrigados a trabalhar mais tempo do que querem e os que não conseguem trabalhar o suficiente.”

A solução mais simples, argumentam, seria reduzir gradualmente o número de horas dos empregados. Esta solução, provavelmente, não anima os empregadores, é claro. Mas muitos se perguntam, à luz destas conclusões, se uma cultura de trabalho que reconhecesse os objectivos dos empregadores do mesmo modo que as necessidades dos trabalhadores poderia ter ajudado a evitar a tragédia da morte de Erhardt.

 

RUTH MARGALIT

[Tradução de Cristiana Martin, com aproximação minha ao português de Portugal] 

 

http://www.leituras.eu/out.php?u=http://outraspalavras.net/posts/a-morte-de-moritz-erhardt-e-o-erro-de-keynes/



publicado por Elisabete às 12:44
link do post | comentar | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar