Terça-feira, 7 de Janeiro de 2014

Marina Ginestà

Éramos periodistas y nuestra profesión era que no decayera nunca la moral, difundíamos el lema de Juan Negrín “con pan o sin pan, resistir”. Y nos lo creíamos.

  

Nascida a 29 de Janeiro de 1919, em Toulouse, Marina Ginestà cedo se muda, com seus pais para Barcelona, onde passa a fazer parte das juventudes do PSUC (Partido Socialista Unificado da Catalunha).

Em 1936, com outros companheiros, organiza a chamada Olimpíada Popular, em resposta aos Jogos Olímpicos de Berlim.

Depois do insucesso do golpe de estado de 18 de Julho de 1936 contra o governo da II República Espanhola e do início da Guerra Civil, surge a Revolução Social na Catalunha. As Juventudes Socialistas instalam-se no Hotel Colón, entretanto abandonado pelos clientes. É dos seus telhados que o fotógrafo Hans Gutmann a fotografa, a 21 de Julho de 1936, tendo ela apenas 17 anos, transformando-a num símbolo da Guerra Civil.

Como jornalista e tradutora, traduz Mijail Koltsov, correspondente do diário PRAVDA (URSS) e, com ele, entrevista o líder anarquista Buenaventura Durruti, crítico de Estaline.

Pouco antes do fim da guerra é ferida e evacuada para Montpellier.

Quando a França é ocupada pelos nazis, ruma ao México. Exila-se na República Dominicana. Em 1946, vê-se obrigada a abandonar o país, perseguida pelo ditador Rafael Trujillo.

Nos anos 60 do século passado, volta a Barcelona. Residia, actualmente, em Paris, onde morre a 5 de Janeiro de 2014. 

Fonte Wikipédia

publicado por Elisabete às 14:20
link do post | comentar | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar