Sexta-feira, 30 de Março de 2007

A NOITE

Recordo aqui o álbum "A Noite" de José Mário Branco, gravado em Abril de 1985, com ternura e lágrima a rolar na face.

 

Versos: a) Antero de Quental (Tentanda Via)

               b) J. M. Branco (A Noite)

               c) J. M. Branco (Cantiga do Leite)

Música: José Mário Branco

 

                               

 

A NOITE

a)

Com que passo tremente se caminha

Em busca dos destinos encobertos!

Como se estão volvendo olhos incertos!

Como esta geração marcha sozinha!

 

Fechado, em volta, o céu! o mar, escuro!

A noite, longa! o dia, duvidoso!

Vai o giro dos céus bem vagaroso...

Vem longe ainda a praia do futuro...

 

b)

Em tudo que já fomos está o que seremos

No fundo desta noite tocam-se os extremos

E se soubermos ver nos sonhos o processo

Os passos para trás não são um retrocesso

 

A noite é um sinal de tudo quanto fomos

Dos medos, dos mistérios, das fadas e dos gnomos

Da ignorância pura e da ciência irmã

Em que, sendo passado, já somos amanhã

 

A noite é o espaço vago, o tempo sem história

Em que as perguntas nascem dentro da memória

Em tudo que já fomos está o que seremos

Mas cabe perguntar: Foi isto que quisemos?

 

Em tudo que já fomos está o que deixamos

No ventre das marés, nos portos que tocamos

O rumo desvendado, o preço da bagagem

É tudo quanto resta para seguir viagem

 

A noite é parideira da contradição

Que existe em cada sim que nos parece não

Olhando para nós, os grandes dissidentes

No meio da luta entre lemes e correntes

 

Será esta viagem feita pelo vento

Será feita por nós, amor e pensamento

O sonho é sempre sonho se nos enganamos

Mas cabe perguntar: Como é que aqui chegamos? 

 

a)

Vem longe ainda a praia do futuro...

 

É a luta sem glória! é ser vencido

Por uma oculta, súbita fraqueza!

Um desalento, uma íntima trisreza

Que à morte leva... sem se ter vivido!

 

A estrada da vida anda alastrada

De folhas secas e mirradas flores...

Eu não vejo que os céus sejam maiores,

Mas a alma... essa é que eu vejo mais minguada!

 

b)

Em tudo que já fomos estão os nossos mortos

E os vivos que ficaram entram nos seus corpos

Na noite do amor, na noite do sinal

Naufrágio de fantasmas na pia baptismal

 

A noite é o impreciso e escuro purgatório

Que alinha as nossas almas no seu dormitório

A culpa dos heróis é serem sempre poucos

Acaso somos mais? ou tão-somente loucos?

 

Temos que descasar a culpa e o prazer

Naquilo que fizemos ou deixamos de fazer

Para reconstruir os corações cativos

Mas cabe perguntar:

 

c)

Mama, meu menino, o leite é como um rio

 

b)

Acaso estamos vivos?

 

a)

Eu não vejo que os céus sejam maiores!

 

Irmãos! Irmãos! amemo-nos! é a hora...

É de noite que os tristes se procuram,

E paz e união entre si juram...

Irmãos! Irmãos! amemo-nos agora!

 

Vós que ledes na noite... vós, profetas...

Que sois os loucos... porque andais na frente...

Que sabeis o segredo da fremente

Palavra que dá fé - ó vós, poetas!

 

b)

Em tudo que já fomos há um sonho antigo

Conversa universal de cada um consigo

São sombras e brinquedos, tudo misturado

E o vago sentimento de nascer culpado

 

c)

Mama, meu menino, o leite é como um rio

 

b)

Será um sonho absurdo este olhar para dentro

E o nosso destino, só, servir de exemplo

Andamos a fugir à frente desta vida

Mas cabe perguntar: Existe uma saída?

 

a)

Irmãos! Irmãos! amemo-nos agora!

É de noite que os tristes se procuram!

 

Sim! que é preciso caminhar avante!

Andar! passar por cima dos soluços!

Como quem numa mina vai de bruços,

Olhar apenas uma luz distante!

 

Irmãos! Irmãos! amemo-nos agora!

É de noite que os tristes se procuram!

 

Heis-de então ver, ao descerrar do escuro,

Bem como o cumprimento de um agouro,

Abrir-se, como grandes portas de ouro,

As imensas auroras do futuro!

 

c)

Mama, meu menino, o leite é como um rio

Que nunca pára de correr

O leite branco

É o remédio santo

Com que tu vais crescer

 

Entre as duas margens quentes e fecundas

Mama, meu menino, sem parar

Rio sem fundo

Que corre devagar

 

Mama o leite, meu passarinho,

Mata a sede sem temor

Este rio é o teu caminho

O cordão do meu amor

 

Mama, meu menino, mais um poucochinho

Que eu páro o tempo só p'ra ti

Seiva de vida

Com que fui enchida

Quando te concebi

 

Um pequeno esforço, mete-te ao caminho

Duas colinas mais além

Asas de estrume

P'ra te dar o lume

Oh meu supremo bem

 

Mama o leite, meu passarinho,

Mata a sede sem temor

Este rio é o teu caminho

O cordão do meu amor

 

a)

Irmãos! Irmãos! amemo-nos agora!

É de noite que os tristes se procuram!

 

======================================

A gravação está fantástica. Vale a pena ouvir.

Luar de Janeiro

publicado por Elisabete às 20:59
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Março de 2007

SALAZARISMO OU SEBASTIANISMO?

 

Salazarismo ou Sebastianismo?

 

Pois é!... Parece que Salazar foi eleito “o melhor português”. Se se tratasse dum referendo, ficaria muito preocupada. Felizmente, trata-se apenas de mais um concurso que permite, a quem tem acesso à Internet ou possui muitos telemóveis, eleger, de forma falaciosa, o que quer que seja.

Não acredito que haja assim tantos fascistas em Portugal, como não acredito que seja preciso “um outro Salazar” para pôr o país na ordem. A nossa ordem tem de ser a da DEMOCRACIA. Não a da democracia que temos, mas outra: a DEMOCRACIA de todos.

Era uma jovem rapariga em 25 de Abril de 1974. Dei o meu coração, e a minha vida se preciso fosse, à construção dum país novo, mais humano e igual. Os capitães de Abril merecem, ainda hoje, a minha gratidão. No entanto...

No entanto... aos poucos... o poder foi mudando de mãos. “A clara madrugada” foi escurecendo e prevejo um futuro negro para o meu País. Não posso dizer que foi tudo em vão. Há conquistas importantes que subsistem e que impedirão um retorno ao passado. Enquanto viver, nada apagará da minha memória a esperança e a fraternidade imensas que Abril nos deu. Mas quando as pessoas estão habituadas ao cinzento, à obediência cega, à ausência de espírito crítico (O que é dizer que não estão habituadas a gerir o seu destino.), são alvo fácil dos irresponsáveis e oportunistas.

Não foi isto que quis. Não é isto que quero. Um país em que só comem os grandes empresários, os políticos, os gestores, os “espertos”, os sem escrúpulos... não é o meu país. Sabes, Zeca, os vampiros regressaram: “Eles comem tudo e não deixam nada”. No meu país, no país que amo, há desemprego e miséria de todos os tipos, temos muitos políticos e governos apostados em dar cabo da classe média, dos sindicatos, da agricultura, da saúde, da educação e da possibilidade de termos alguma felicidade.

O que me assusta não é que um magote de fascistas tivesse eleito Salazar. Os mortos não ressuscitam. O que espero que ainda esteja vivo, e bem vivo, é o “espírito de Abril”. Para que possamos ainda sonhar com um amanhã.   

publicado por Elisabete às 15:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 25 de Março de 2007

A ALQUIMIA DA DOR (II) (Cont.)

 

  

Concluindo: a vida é, apenas, o caminho que todos temos de percorrer desde o nascimento até à morte. Ao longo desse percurso, encontramos, por vezes, paisagens maravilhosas, que deleitam os nossos sentidos e as nossas almas; quase sempre, o que se nos depara são espaços, mais ou menos bonitos, a que nem prestamos grande atenção; o pior é quando entramos em terreno movediço, precipícios medonhas, que, ao menor descuido, nos aprisionam, nos magoam, quase nos matam. A verdade é que todos os troços vão passando. Não nos é permitido ficar nos que nos dão prazer, nem passar por cima dos que nos fazem chorar amargamente. A única certeza que temos é que nenhum deles dura para sempre. É a essa certeza que nos devemos agarrar nos momentos mais difíceis. Afinal... a vida é uma sequência de mortes e de renascimentos. Temos de aceitar o fim duma situação para que outra possa surgir. O caminho vai mudando e nós também.  Por vezes, é doloroso. Mas, como alguém disse, “As personalidades mais fortes assentam em inúmeras cicatrizes.”.

publicado por Elisabete às 19:31
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Março de 2007

A ALQUIMIA DA DOR (II)

 

            Por mais longa que seja a vida, ninguém até hoje descobriu a fórmula da felicidade. É inegável que todos temos, em certos momento das nossas vidas, um vislumbre daquilo a que poderemos chamar felicidade. Em contrapartida, o sofrimento, sob as mais variadas formas, está quase sempre presente.

            Então... se não podemos alcançar uma felicidade duradoura, talvez possamos aprender a conviver com o sofrimento, de modo a transformá-lo e a transcendê-lo.

            Não perfilho qualquer religião e defino-me como agnóstica, uma vez que considero inacessível ao entendimento o humano a compreensão de problemas metafísicos como a existência de Deus ou o sentido da vida e do Universo. Tal não significa, no entanto, que não me interesse por esses problemas.

Faço a minha própria busca e devo de confessar que encontrei no Budismo, que considero uma filosofia de vida, uma forma diferente de encarar o sofrimento que, para mim, faz muito sentido e que me tem ajudado a ser um pouco mais feliz.

Tendo como base a obra “A ALQUIMIA DA DOR”, de Tsering Paldrön (Emília Marques Rosa, vice-presidente da União Budista Portuguesa e presidente da AMARA – Associação pela Dignidade na Vida e na Morte), vou tentar fazer um apanhado de conceitos e de procedimentos, que considero da maior importância para compreendermos a inutilidade (e, muitas vezes, da utilidade) do sofrimento.

 

             O primeiro passo, perante o sofrimento, deve ser aceitá-lo. Rejeitá-lo automaticamente, negá-lo como se não existisse, não é a melhor maneira de combatê-lo.  Estaremos mais preparados para enfrentar o sofrimento se, à partida, soubermos que ele existe, que não somos imunes a ele, que é mesmo inevitável em qualquer vida.

              Para gerir e minimizar o sofrimento, temos de conhecer, primeiro, as suas causas.

 

A negação do movimento e da impermanência. É natural querermos tornar eterno aquilo que nos faz feliz ou nos dá prazer. Mas, no Universo, tudo é movimento, transformação e mudança. Por isso, tudo o que nos dá prazer pode causar-nos dor. Nada, nem a felicidade nem o sofrimento, é imutável e para sempre. O sofrimento da impermanência é bem conhecido de todos nós. O mundo não é fiável. Tudo muda e nós não queremos a mudança. O mundo não é fiável porque a sua natureza é movimento – o movimento frenético dos átomos e das partículas. O mundo não é fiável porque os fenómenos não existem da forma como os projectamos. Conscientes da instabilidade do mundo, procuramos desesperadamente a estabilidade. Para tal, apoiamo-nos no trabalho, na vida familiar e até nos pequenos gestos de todos os dias, sejam eles fumar um cigarro, tomar um café ou ler o jornal. Mas, como tudo a que nos agarramos é igualmente instável, qualquer ponto de equilíbrio é sempre de curta duração. Tudo está constantemente a mudar e nós sentimos essa mudança como uma ameaça permanente. A impermanência subtil dos fenómenos é a causa profunda das mudanças visíveis que nos fazem sofrer e também do sentimento de instabilidade e insegurança, que está sempre presente.

 

            Por outro lado, se nada neste Mundo é permanente, todas as situações, por mais terríveis que sejam, têm uma certa duração. Pensar que uma circunstância negativa vai durar muito tempo cria um sofrimento desnecessário. Já não basta sofrer por vivermos uma situação difícil, aumentamos ainda mais o sofrimento com a convicção de que vai durar muito tempo. (Será que o maior prazer do mundo, durando muito tempo, não acabaria por provocar sofrimento?)

            Muitas vezes, basta mudar a nossa perspectiva das coisas para que a situação se altere. Em vez de aceitar que somos vítimas, temos sempre a possibilidade de intervir, nem que seja através duma mudança de atitude interior. Muitas vezes é a nossa própria reacção que impede a situação de evoluir e faz com que se arraste durante muito mais tempo. Ficamos tão obcecados por ela, e presos a uma determinada visão das coisas que, no limite, quase somos nós a cultivá-la.

            Devemos lembrar-nos que nada é definitivo, que não existe o “nunca mais”. O que hoje nos parece muito importante, pode não ter qualquer importância amanhã; a pessoa sem a qual nos parece impossível viver hoje, torna-se-nos indiferente daqui a uns meses a uns anos; cada dia é um novo desafio e um virá em que, de repente, entendemos que a dor passou e podemos, de novo, seguir em frente. Pensando que o mau nunca mais acaba, perdemos a coragem de continuar, deixando-nos vencer pelo desânimo. “Pensar a longo prazo é um acto de auto-sabotagem.”

             Muitas situações difíceis por que passámos acabaram por se tornar momentos de grande crescimento interior ou de oportunidades inesperadas. E, para isso, bastou simplesmente “um novo olhar”, uma perspectiva diferente do problema que antes nos parecia sem solução e destruidor de todas as nossas esperanças.

publicado por Elisabete às 22:43
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Março de 2007

O INÍCIO DO "FUTURO"

"A sociedade está distraída do essencial (...). O futuro deve ser uma coisa horrorosa, vazia."

 

Marguerite Duras

(1914-1996)

É muito triste verificar que "este" futuro se assemelha, assustadoramente, ao presente.

Luar de Janeiro

 

publicado por Elisabete às 21:11
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Março de 2007

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

  

 

Política portuguesa, licenciada em Engenharia Químico-Industrial. Foi Procuradora na Câmara Cooperativa (1965-1974). Depois do 25 de Abril ocupou vários cargos governamentais, sendo ministra dos Assuntos Sociais do II e III Governos Provisórios e 1ª Ministra do V Governo Constitucional. Foi depois embaixadora da UNESCO e consultora do Presidente Eanes, fundando o Movimento para o Aprofundamento da Democracia em 1986. Foi candidata às Presidenciais de 1986. Integrou variadíssimas organizações internacionais. Foi eleita Deputada pelo PS ao Parlamento Europeu em 1987.
Tem publicadas algumas obras referentes ao papel da Igreja na sociedade e à ascensão das mulheres na vida política e pública.

                                              

 Neste dia, é justo lembrar uma grande portuguesa que foi Primeira-Ministra de Portugal, apenas  por cem dias. Nesse curto espaço de tempo, demonstrou ser uma das raras figuras da política dotada dum, não menos raro, espírito humanista.

Que saudades! Quem dera que o actual Primeiro-Ministro tivesse um grãozinho da sua compaixão, da sua necessidade de servir os outros! O país não seria, como é neste momento, uma coisa cinzenta, desprovida de esperança e talvez até de futuro.

A melhor homenagem que posso prestar-lhe é transcrever um pequeno excerto que retirei duma entrevista sua, há alguns anos, e que conservo num dos meus  "livrinhos de memórias":

"Todos, homens e mulheres, querem relações mútuas de ternura e protecção; mas uma e outra são produtos escassos porque não se fabricam nas sociedades de competição mas só se encontram nos lugares - raros - onde a compaixão e a admiração brotam de um desejo do outro que é, paradoxalmente, dar ao outro."

Luar de Janeiro

 

 

publicado por Elisabete às 16:27
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 3 de Março de 2007

"A ALQUIMIA DA DOR" I

 

Não sou, desde que me conheço como ser pensante, grande apreciadora da vida. Estou aqui: não sei de onde vim, não sei para onde vou, não vislumbro o objectivo da existência que é, mais do que qualquer outra coisa, sofrimento.

A minha vida não é melhor nem pior do que a da maioria das pessoas e reconheço que há coisas e momentos sublimes no Mundo e nas vidas de todos nós. Mas como ser-se feliz perante o absurdo (aparente ou real) da vida?

Apesar de me considerar agnóstica, simpatizo com algumas ideias do Budismo. Sei que a felicidade depende mais de nós do que das circunstâncias, concordo que o sofrimento é, muitas vezes, provocado pelo “apego” que temos às pessoas e às coisas, que os momentos maus não duram para sempre e podem, até, ser momentos de grande crescimento interior. Sei isso tudo e, no entanto...

Como aguentar aquelas fases em que muitos dos que nos são próximos enfrentam  problemas que parecem não ter resolução à vista? Parece que tudo o que é mau acontece ao mesmo tempo: desemprego ou doença grave de uns, necessidade de emigrar para sobreviver ou conflitos matrimoniais de outros. E as preocupações com os filhos e a morte...

“... o mais poderoso antídoto contra o sofrimento e a dor é o altruísmo.” , diz Tsering Paldrön, autora do livro “A Alquimia da Dor”, que tomei a liberdade de usar como título deste texto. Também acho. Aliás, sempre pensei que a Humanidade não passa dum colossal bando de “cegos” que anda às cabeçadas nas paredes, numa luta inútil para encontrar um caminho. Se é assim, o que nos resta? A ajuda mútua, o esforço conjunto para, pelo menos, diminuir a frequência e a força das “cabeçadas”.

A vida seria melhor se fôssemos menos egoístas e procurássemos o bem comum. Mas existem os “vampiros” e destes talvez fale mais tarde.

 

publicado por Elisabete às 18:09
link do post | comentar | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar