Terça-feira, 17 de Junho de 2008

O TRIUNFO DA BARBÁRIE

 

[…] A dada altura, Sender (1) escandaliza-se com o horário de trabalho dos operários de 1873: 60 horas semanais. Justa revolta: desde 1917, vigorava a obrigatoriedade das 48 horas. Acontece, agora, os ministros do emprego e assuntos sociais da UE aprovarem que se possa alargar o horário a 65 horas (12 diárias) e que o empregador negocie, directamente, com o empregado. Que diria Sender deste brutal retrocesso?
Manuel Poppe, Jornal de Notícias
[15.06.2008]
_______________________________________
(1) Ramón J. Sender [1901-1982], escritor espanhol [de Huesca, Aragão], combateu pelos Republicanos, contra os Nacionalistas de Franco, na Guerra Civil Espanhola.

 

1. Agora sou eu quem pergunta: O que vamos dizer nós?
Todos os dias somos confrontados com o roubo descarado dos direitos que os trabalhadores que nos antecederam conquistaram. Numa luta que durou séculos e que lhes custou, muitas vezes a liberdade e, algumas, a vida. Nada foi dado pelos donos do poder e do dinheiro; tudo foi arrancado pela força de quem acreditou ser possível viver com dignidade num mundo mais justo.
Graças a eles, criou-se o chamado modelo social europeu, destinado a proteger os cidadãos nos momentos mais críticos das suas vidas (desemprego, doença, velhice, etc.) e a elevar o seu nível (e qualidade) de vida, nomeadamente no que respeita às condições de trabalho.
Nasci na Europa. Nasci num continente que “ia à frente” na defesa dos valores democráticos e humanistas; que se considera civilizado. Um continente que, apesar das suas contradições e fragilidades, se empenhava na construção dum mundo mais justo e igual.
Que é feito dessa Europa? Vêmo-la fechar os olhos aos desvarios americanos que mascaram a sua avidez insaciável, semeando democracias (?) à força. Vêmo-la a aumentar o horário de trabalho, transformando os homens em máquinas produtivas sem tempo para serem Homens. Porquê e para quê?
É certo que as economias emergentes, como a China e a Índia, que crescem à custa de trabalho escravo, se tornaram concorrentes da economia europeia. Mas o caminho não é, NÃO PODE SER, reduzir ou eliminar os direitos conquistados pelos trabalhadores europeus. O caminho tem de ser o da Europa se assumir como exemplo, demonstrando que o desenvolvimento económico pode não ter como paradigma o enriquecimento de alguns à custa da pobreza e da humilhação de muitos. Não são os trabalhadores europeus que têm descer ao nível dos indianos ou chineses; são estes que devem conquistar direitos semelhantes aos dos europeus. Levará o seu tempo, concordo, mas não é impossível e é, não tenho dúvidas, a solução correcta e justa.
Talvez os grandes empresários e investidores tenham de baixar os seus lucros. E depois? Deixarem de ser tubarões, que engolem o seu semelhante, só fará deles seres humanos mais dignos e felizes.
2. A Irlanda votou “não” ao Tratado de Lisboa. Há, por isso, quem aconselhe o Governo irlandês a convencer o povo a mudar de voto, em próximo referendo, e até há quem defenda a sua saída da UE. Que resultados teríamos se nos outros países se tivesse feito referendos? Por que não se fizeram? De que têm medo os Governos europeus?
Que democracia é esta que não permite aos cidadãos decidir o seu futuro? A Europa que está a construir-se é, cada vez mais, uma escolha dos políticos. O que vai acontecer quando os europeus, perante as dificuldades, descobrirem que não são mais senhores do seu destino?

 

publicado por Elisabete às 16:14
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Junho de 2008

DANIEL DE SÁ condecorado a 10 de Junho

O escritor açoriano Daniel de Sá foi agraciado com o grau de Oficial da Ordem Infante D. Henrique, a 10 de Junho, em Angra do Heroísmo. As cerimónias de entrega das condecorações realizaram-se, pela primeira vez em separado nas Regiões Autónomas, num sinal de "reconhecimento e respeito por estas terras e por estas gentes", como explicou o Representante da República, José António Mesquita.

Congratulando-me com este merecido reconhecimento da obra de Daniel de Sá, por parte da República Portuguesa, deixo aqui um dos seus belíssimos textos e um abraço de parabéns.


 

 

O TEAR
No tear abandonado, só as aranhas voltaram a tecer. E elas mesmas tinham abandonado também as suas mantas de fios como redes de pescar na praia de um mar sem peixe.
Madalena tecera mantas e fama até muito longe. Na freguesia, era conhecida como a Tecedeira da Serra, longe, era a Tecedeira de Quintais. Não gostava de que a chamassem assim, mas não protestava porque não servia de nada. A fama valia-lhe o proveito de ter as mantas sempre de encomenda, às vezes de lugares de que nem soubera o nome antes. Depois dessa fama, viveu com outra, muito má. Não por razões semelhantes às da santa do Evangelho, porque ela mal tinha tempo para os deveres conjugais e suas consequências regulares. Chegou a trabalhar de lua a lua, que de sol a sol havia a casa para cuidar, o queijo para fazer, os filhos e o marido para alimentar. Tanto mais que o destino lhe pregara uma pirraça. Nem de propósito, enquanto a maior parte dos casais esperava, por vezes em vão, filhos machos para os trabalhos duros da serra e das courelas, ela teve três rapazes antes de que Deus lhe desse uma menina.
Manuel Cordovão lembrava-se vagamente. Andaria ele pelos cinco ou seis anos, passou um ministro em Quintais a levar cumprimentos de Lisboa. Haveria de parar na Aldeia Nova do Vale, para receber os desta aldeia e dos pastores da serra. O presidente da junta quis que fosse oferecido ao senhor ministro o melhor que na sua freguesia era produzido. Não faltaram alguns com excelentes queijos, mas isso era coisas de se comer e esquecer depressa. Uma manta, que aquecesse sua excelência no Inverno e lhe enfeitasse a cama no Estio, seria a recordação ideal de um povo trabalhador e artista, para que ele soubesse até onde Portugal podia contar com a sua gente, se bem que a sua gente, ali, não pudesse contar muito com Portugal. Só era lembrada, e no caso dos homens, para o serviço do rei ou da república, quando chegava o tempo da tropa. Depois de aprenderem a dar uns tiros, os moços eram despejados de novo nos seus aposentos de pedra tosca.
O presidente da junta pediu a Madalena para oferecer uma manta ao senhor ministro. “Como ele vai ficar agradecido ao saber que houve quem pensasse nele! Pode ser até que faça um caminho melhor para a gente andar de uma aldeia a outra. Ou pelo menos um fontanário, se calhar, quem sabe, luz eléctrica…” Madalena ouvira o pedido com espanto, dizia-se. E perguntou: “Quanto ganha o senhor ministro?” O presidente da junta não sabia ao certo, mas arriscou: “Talvez uns três contos por mês.” Ela voltou os olhos para a manta que tinha no tear, e respondeu com ar de desprezo, em vez da admiração talvez esperada por uma quantia tão grande: “Eu não ganho isso num ano!...”
Ficou a amaldiçoada. Patrioticamente amaldiçoada. Fuinha, avarenta. Para provar que o não era, não aceitou encomenda para a manta que haveria de começar a seguir. Ofereceu-a à Maria dos Anjos, que era pobre e ia casar daí a um mês.
A maior parte das suas mantas passou a ser vendida sem origem definida. E não viveu o suficiente para saber que também os cravos podem ser tecidos.
 
Daniel de Sá, capítulo XXVI da novela
O Pastor das Casas Mortas

 

publicado por Elisabete às 22:30
link do post | comentar | ver comentários (19) | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Junho de 2008

FERNANDO PESSOA: ele próprio e os "OUTROS"

13 de Junho de 1888, 15.30h, no quarto andar do nº 4 do Largo de S. Carlos, em Lisboa, nasce FERNANDO António Nogueira PESSOA.

 

publicado por Elisabete às 23:04
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

Porque a Poesia...

 

 
MAR DE VERÃO
 
No verão cinzento,
cinzenta era a alegria,
azul a cor
da melancolia.

Quem me prometia o mar,
se dar-mo não podia?
Albano Martins

 

 

 

publicado por Elisabete às 22:26
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 10 de Junho de 2008

HOJE COMO ONTEM

  

Ao desconcerto do Mundo
 
Os bons vi sempre passar
No Mundo graves tormentos;
E para mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só para mim,
Anda o Mundo concertado.

                                        Luís de Camões
   

Estátua de Camões [Constância]

publicado por Elisabete às 21:49
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Junho de 2008

Feliz aniversário, Jorge Palma!

Muitos parabéns, Jorge!

 Obrigada pelas tuas músicas.

 

 

A Gente Vai Continuar

 

 

  

Tira a mão do queixo, não penses mais nisso
O que lá vai já deu o que tinha a dar
Quem ganhou, ganhou e usou-se disso
Quem perdeu há-de ter mais cartas para dar
E enquanto alguns fazem figura
Outros sucumbem à batota
Chega aonde tu quiseres
Mas goza bem a tua rota

 

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

 

Todos nós pagamos por tudo o que usamos
O sistema é antigo e não poupa ninguém, não
Somos todos escravos do que precisamos
Reduz as necessidades se queres passar bem
Que a dependência é uma besta
Que dá cabo do desejo
E a liberdade é uma maluca
Que sabe quanto vale um beijo

 

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

 

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

publicado por Elisabete às 00:33
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Domingo, 1 de Junho de 2008

Poema de Junho

 

Marta Rietsch Monteiro
Porto, 1 de Junho de 2008

 

publicado por Elisabete às 20:02
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar