Domingo, 31 de Agosto de 2008

Regresso a casa

Para a Ibel, com carinho.

 

 

Mis Gaviotas

 

Jugando ayer desnudo por la arena,

mi niñez poco a poco vi pasar,
se me escapo sin darme cuenta apenas
soñando com volar.
 
Irme jugando com el viento,
caer sobre el agua un momento;
crecí soñando cerca del mar,
junto a las rocas un dia
aprendi a volar,
aprendi a volar
como mis gaviotas.
 
Y me fui lejos de allí
aquel dia,
sin mirar atrás creí
que jamás volveria.
 
Me encontré un cardo, una flor,
un sueño, un amor, una tristeza,
me fui solo y luego fuimos dos,
un beso, un adiós y todo empieza.
Otra canción, otra ilusión, otras cosas
y harto ya de andar,

 

hoy volví a buscar mis gaviotas.

 

 
Y no las vi, ellas también se fueron
de aquel rincón que nos unió una vez,
me quedé solo escarbando en el suelo,
buscando mi niñez.
 
Ellas no han de volver jamás,
ellas la dejaron atrás
bajo la arena, cerca del mar,
junto a unas rocas
que no saben volar,
que no saben volar
como mis gaviotas.
 
Y me voy más triste hoy
que aquel dia

 que sin mirar atrás

creí que jamás volvería. 
                                                         

                                                             Joan Manuel Serrat

publicado por Elisabete às 22:20
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sábado, 30 de Agosto de 2008

Recado para o Brasil

Para a Cris, com carinho.

 

 

  

Pode alguém ser quem não é?
 
- Senhora de preto
diga o que lhe dói
é dor ou saudade
que o peito lhe rói
o que tem, o que foi,
o que dói no peito?
- É que o meu homem partiu
 
- Disse-me na praia
frente ao paredão:
Tira a tua saia
dá-me a tua mão
o teu corpo, o teu mar
teu andar, teu passo
que vai sobre as ondas, vem!
 
Pode alguém ser quem não é?
 
Seja um bom agoiro
ou seja um bom presságio
sonhei com o choro
de alguém num naufrágio
não tenho confiança
já cansa este esperar
por uma carta em vão
por cá me governo
escreveu-me então
aqui é quase Inverno
aí quase Verão
mês d’Abril, águas mil
no Brasil também tem
noites de S. João e mar.
 
Pode alguém ser livre
se outro alguém não é
a corda dum outro
serve-me no pé
nos dois punhos, nas mãos
no pescoço, diz-me:
Pode alguém ser quem não é?
 
                                                    Sérgio Godinho
publicado por Elisabete às 18:52
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

Requiescat in pace!

publicado por Elisabete às 15:11
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Agosto de 2008

A andar...

 

 Caminante no hay camino

 
Todo pasa y todo queda
pêro lo nuestro es pasar,
pasar haciendo caminos
caminos sobre la mar.
 
Nunca perseguí la gloria,
ni dejar en la memoria
de los hombres mi canción;
yo amo los mundos sutiles,
ingrávidos y gentiles,
como pompas de jabón.
 
Me gusta verlos pintarse
de sol y grana, volar
bajo el cielo azul, temblar
subitamente y quebrarse…
 
Nunca perseguí la gloria.
 
Caminante, son tus huellas
el camino y nada más;
caminante, no hay camino,
se hace camino al andar.
 
Al andar se hace camino
y al volver la vista atrás
se ve la senda que nunca
se há de volver a pisar.
 
Caminante no hay camino
sino estelas en la mar…
 
Hace algún tiempo en esse lugar
donde hoy los bosques se visten de espinos
se oyó la voz dun poeta gritar:
Caminante, no hay camino,
se hace camino al andar…
 
Golpe a golpe, verso a verso…
 
Murió el poeta lejos del hogar.
Le cubre el polvo de un país vecino.
Al alejarse le vieron llorar.
Caminante, no hay camino,
se hace camino al andar…
 
Golpe a golpe, verso a verso…
 
Cuando el jilguero no puede cantar.
Cuando el poeta es un peregrino,
cuando de nada nos sirve rezar.
Caminante, no hay camino,
se hace camino al andar…
 
Golpe a golpe, verso a verso…
 
 
                                                                 António Machado

                                       [musicado por Joan Manuel Serrat]

 

publicado por Elisabete às 16:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Agosto de 2008

Vai um bom policial?

 

 

A mulher de branco
 
1.Já ninguém duvida de que o romance policial é um modo respeitável de expressão artística. Eu iria mais longe: certos autores atingem, nas novelas, a qualidade da obra-prima. E penso em Georges Simenon e o seu comissário Maigret; Agatha Christie e Poirot e Miss Marple; Dashiell Hammett e Sam Spade (no fabuloso “O Falcão de Malta”, por exemplo); Raymond Chandler e o Philip Marlowe de “O Longo Adeus” – aos quais poderíamos juntar o empolgante John Le Carré. Graham Green, romancista estimado e consagrado, não escreveu romances policiais ou semipoliciais? Afinal, talvez aconteça o seguinte: há novelas cuja força e profundidade se nos impõem, seja qual for a forma de expressão escolhida. Uma história apaixonante é uma história apaixonante e o que acontece é o seguinte: a “verdade” das personagens, a complexidade da teia psicológica, o dramatismo do conflito e a variedade da peripécia, que agarram e subjugam o leitor, criam pathos, emoção única. Assim, alguns desses autores, como todos aqueles extraordinários, tornam-se aliciantes e inesquecíveis. Nunca será demais lembrar que a qualidade superior de Georges Simenon deslumbrava André Gide e José Régio. Gide julgava-o mesmo o melhor romancista francês do século XX; Régio dava voltas à cabeça para descobrir como Simenon conseguia, em meia página, criar um ambiente.
 

2.Wilkie Collins (1824-1889) foi um pioneiro do género. Os especialistas consideram “A Mulher de Branco” (1859) o primeiro grande romance policial. Collins, grande amigo de Dickens e escritor de muito sucesso, deixou uma obra admirável. Há décadas, a saudosa “Romano Torres” publicou uma tradução do livro. Reeditaram-no? Duvido. Faria as delícias dos leitores.

 

Manuel Poppe, in "O Outro Lado"

Jornal de Notícias [17.08.2008]

 

 

publicado por Elisabete às 22:54
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Agosto de 2008

Procurar a verdade nas "verdades" que nos vendem

O Magalhães e o choque tecnológico, aqui:

 

blasfemias.net/aqui2008/08/14/o-magalhaes/

 

 

 

 

 

publicado por Elisabete às 12:20
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Agosto de 2008

Mudar a fechadura

As certezas do meu mais brilhante amor

 

As certezas do meu mais brilhante amor
vou acender, que amanhã não há luar
eu colherei do pirilampo um só fulgor
que me desculpe o bom bichinho de o roubar
 
Assobiando as melodias mais bonitas
e das cidades descrevendo o que já vi
homens e faces e os seus gestos como escritas
do bem, do mal: a paz, a calma e o frenesi
 
Se estou sozinho é num beco que me encontro
vou porta a porta perguntando a quem me viu
se ali morei, se eu era o mesmo, e em que ponto
o meu desejo fez as malas e fugiu
 
Já de manhã, vai parecer tudo tão diferente
não é do vinho, nem do sono, ou do café
é só que o olho por olho, dente por dente
nos deixa o rosto assemelhado ao que não é
 
Não vás contar-lhes desse abraço derradeiro
nem que mudei a fechadura mal saíste
quero o teu rosto devolvido por inteiro
o desse dia em que me vi no que tu viste
 
Não vás tomar à letra aquilo que te disse
quando te disse que o amor é relativo
se o relativo fosse coisa que se visse
não era amor o porque morro e o porque vivo

 

  

Não vás contar que mudei a fechadura
 
Não vás contar que mudei a fechadura
nem revelar que reclamei dos teus anéis
o amor dura, se durar, enquanto dura
e o vento voa à procura de papéis
 
O vento passa à procura dum engano
e quando encontra presa fácil na cidade
bate à janela, e redemoinha, e causa dano
naquilo que é suposto ser nossa vontade
 
Já de manhã, vai parecer tudo tão diferente
não é do vinho, nem do sono, ou do café
é só que o olho por olho, dente por dente
nos deixa o rosto assemelhado ao que não é
 
 Não vás contar-lhes desse abraço derradeiro
nem que mudei a fechadura mal saíste
quero o teu rosto devolvido por inteiro
o desse dia em que me vi no que tu viste
 
Não vás tomar à letra aquilo que te disse
quando te disse que o amor é relativo
se o relativo fosse coisa que se visse
não era amor o porque morro e o porque vivo
 
                                                                          Sérgio Godinho, Escritor de Canções
 

 

publicado por Elisabete às 17:49
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Agosto de 2008

O Mundo a andar para trás

 

Para acabar com a pobreza

 

Swift propôs ironicamente no século XVIII uma solução radical para acabar com a pobreza: os ricos comerem os pobres.
Na Itália de Berlusconi, ao mesmo tempo que se ordena à Justiça que não investigue os métodos usados pelo primeiro-ministro para enriquecer, a solução da direita no poder para resolver o problema da pobreza é… escondê-la debaixo do tapete. Assim, em oito cidades (entre elas Assis, a do "poverello") é agora proibido pedir esmola.
O objectivo é não mostrar aos turistas que a Itália dos ricos é, afinal, a Itália dos pobres, pois, como notava o nosso Garrett, para fazer um só rico é sempre necessário um grande número de pobres.
No Portugal de Salazar, por motivos idênticos, foi proibido o pé descalço. Quem não pudesse comprar sapatos devia manter-se escondido e não andar na rua.
Hoje, para o CDS de Portas, o que está em causa é o Rendimento Social de Inserção. O Estado deve apoiar os ricos (que "criam emprego"; e as estatísticas mostram o número de empregos que têm sido criados pelas escandalosas riquezas que por aí se vêem), não os pobres.
Para estes, há os chás de caridade.
 
Manuel António Pina
Jornal de Notícias, 11 de Agosto de 2008
publicado por Elisabete às 11:58
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Agosto de 2008

"O receio da morte é a fonte da arte"

 

 

Ruy Belo morreu no dia 8 de Agosto de 1978

com 45 anos

 

Atropelamento mortal

 

 Nalgum oásis do princípio ele fora

 um fugitivo brilho no olhar de Deus

-a vida havia de lho lembrar muitas vezes.
 
Atravessou as nossas ruas entre gatos,
a chuva molhou-lhe as pobres botas cambadas.
Teve um banco de jardim, teve amigos, um deles o sol.
Sempre sem o saber procurou Deus.
Um dia foi campos fora atrás dele, perdeu o emprego
na Câmara Municipal. Teve mãe mas depois
nunca mais foi solução para ninguém.
 

 Naquele dia a morte instalou-o

 confortavelmente no céu. Lá se foi

com seus modos humanos, seus caprichos
e um notório acanhamento em público
(há-de a princípio faltar-lhe à-vontade entre os anjos).
 
Tinha o nome no registo, agora habita
nas planícies ilimitadas de Deus.
Nas suas costas ainda se derrama
a tarde interrompida.
Manhãs e manhãs desfilarão sobre ele,
caracóis cobrirão a memória daquele
que foi da sua infância como qualquer de nós.
 
Teve um nome de aqui, andou de boca em boca,
agora é Deus que para sempre o tem na voz.
 

 

                                                                             Ruy Belo, Aquele Grande Rio Eufrates

 

 

publicado por Elisabete às 21:06
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Agosto de 2008

A noite de S. Jorge para a poesia de Antero

                                                                                                              Foto de:fgamorim

 

  NOX
 
Noite, vão para ti meus pensamentos,
Quando olho e vejo, à luz cruel do dia,
Tanto estéril lutar, tanta agonia,
E inútil tantos ásperos tormentos…
 
Tu, ao menos, abafas os lamentos,
Que se exalam da trágica enxovia…
O eterno Mal, que ruge e desvaria,
Em ti descansa e esquece alguns momentos…
 
Oh! antes tu também adormecesses
Por uma vez, e eterna, inalterável,
Caindo sobre o Mundo, te esquecesses,
 
E ele, o Mundo, sem mais lutar nem ver,
Dormisse no teu seio inviolável,
Noite sem termo, noite do Não-ser!
 
                                               Antero de Quental
publicado por Elisabete às 11:27
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 5 de Agosto de 2008

DÁ QUE PENSAR...

Porque mesmo de férias a vida continua...

 

 

Uma “espécie” de salário
Segundo o "Público", a proposta de alteração da lei laboral que chegou à AR prevê o pagamento de parte do salário em "espécie", mesmo sem acordo do trabalhador.

A UGT queixa-se de que a norma não constava do texto que subscreveu, e a CIP diz o mesmo. Parece que, a meio do caminho entre o Governo e a AR, está, como Drummond diria, uma pedra, e que a proposta de revisão do Código do Trabalho terá tropeçado nela, como já sucedera com a norma do Código Penal que alargou o conceito de crime continuado a crimes contra bens pessoais, metida na lei pela porta do cavalo não se sabe por quem (embora se saiba a quem aproveitará...).

Imagine-se, pois, o leitor a receber no fim do mês, em vez do salário, as "espécies" que o seu patrão bem entender e que tiver em armazém a ganhar mofo: fraldas descartáveis, sabão, pneus, quem sabe?, até jornais (pode ser uma boa solução para alguns jornais, começar a pagar aos jornalistas com as sobras das edições).

Resta saber (aguarda-se agora legislação do Governo nesse sentido) se o trabalhador poderá, depois, pagar a renda e a conta da luz com essas "espécies".

 

Manuel António Pina, Jornal de Notícias [04.08.2008]

  

***************************************************

 

 IMAGINEM
 

Imaginem que todos os gestores públicos das setenta e sete empresas do Estado decidiam voluntariamente baixar os seus vencimentos e prémios em dez por cento. Imaginem que decidiam fazer isso independentemente dos resultados.

Se os resultados fossem bons as reduções contribuíam para a produtividade. Se fossem maus ajudavam em muito na recuperação. Imaginem que os gestores públicos optavam por carros dez por cento mais baratos e que reduziam as suas dotações de combustível em dez por cento.

Imaginem que as suas despesas de representação diminuíam dez por cento também. Que retiravam dez por cento ao que debitam regularmente nos cartões de crédito das empresas. Imaginem ainda que os carros pagos pelo Estado para funções do Estado tinham ESTADO escrito na porta. Imaginem que só eram usados em funções do Estado.

Imaginem que dispensavam dez por cento dos assessores e consultores e passavam a utilizar a prata da casa para o serviço público. Imaginem que gastavam dez por cento menos em pacotes de rescisão para quem trabalha e não se quer reformar. Imaginem que os gestores públicos do passado, que são os pensionistas milionários do presente, se inspiravam nisto e aceitavam uma redução de dez por cento nas suas pensões. Em todas as suas pensões. Eles acumulam várias. Não era nada de muito dramático. Ainda ficavam, todos, muito acima dos mil contos por mês.

Imaginem que o faziam, por ética ou por vergonha. Imaginem que o faziam por consciência. Imaginem o efeito que isto teria no défice das contas públicas. Imaginem os postos de trabalho que se mantinham e os que se criavam. Imaginem os lugares a aumentar nas faculdades, nas escolas, nas creches e nos lares. Imaginem este dinheiro a ser usado em tribunais para reduzir dez por cento o tempo de espera por uma sentença. Ou no posto de saúde para esperarmos menos dez por cento do tempo por uma consulta ou por uma operação às cataratas.

Imaginem remédios dez por cento mais baratos. Imaginem dentistas incluídos no serviço nacional de saúde. Imaginem a segurança que os municípios podiam comprar com esses dinheiros. Imaginem uma Polícia dez por cento mais bem paga, dez por cento mais bem equipada e mais motivada. Imaginem as pensões que se podiam actualizar. Imaginem todo esse dinheiro bem gerido. Imaginem IRC, IRS e IVA a descerem dez por cento também e a economia a soltar-se à velocidade de mais dez por cento em fábricas, lojas, ateliers, teatros, cinemas, estúdios, cafés, restaurantes e jardins.

Imaginem que o inédito acto de gestão de Fernando Pinto, da TAP, de baixar dez por cento as remunerações do seu Conselho de Administração nesta altura de crise na TAP, no país e no Mundo é seguido pelas outras setenta e sete empresas públicas em Portugal. Imaginem que a histórica decisão de Fernando Pinto de reduzir em dez por cento os prémios de gestão, independentemente dos resultados serem bons ou maus, é seguida pelas outras empresas públicas.

Imaginem que é seguida por aquelas que distribuem prémios quando dão prejuízo. Imaginem que país podíamos ser se o fizéssemos. Imaginem que país seremos se não o fizermos.  

 Mário Crespo, Jornal de Notícias [04.08.2008] 
publicado por Elisabete às 12:24
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 2 de Agosto de 2008

SAUDADE

 

 

Saudade – nome que diz a permanência do perdido.

 

Sophia de Mello Breyner

 

publicado por Elisabete às 12:44
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Agosto de 2008

Apenas viver...

 

Vivam Apenas
 
Vivam, apenas
Sejam bons como o sol.
Livres como o vento.
Naturais como as fontes.
 
Imitem as árvores dos caminhos
que dão flores e frutos
sem complicações.
 
Mas não queiram convencer os cardos
e transformar os espinhos
em rosas e canções.
 
E principalmente não pensem na morte.
Não sofram por causa dos cadáveres
que só são belos
quando se desenham na terra em flores.
 
Vivam, apenas.
A morte é para os mortos!
 
                                                       José Gomes Ferreira

 

publicado por Elisabete às 19:20
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar