Quinta-feira, 18 de Março de 2010

Em dia de aniversário

 

[…]
É que ser novo não é só ter vinte anos no corpo. É tê-los, também, intemporalmente na alma, em cada instante rendida ao milagre permanente da vida, e pronta a coadjuvá-lo e enriquecê-lo. É não deixar morrer em nós o íntimo sentimento de que apenas nos foi dada uma oportunidade, a da nossa própria existência. Que somos nela uma singularidade radical, até quando o não parecemos, e latejam dentro de nós, incorruptíveis, as forças necessárias para o afirmar em todas as idades.
[…]
Miguel Torga, Diário XVI

 

publicado por Elisabete às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Março de 2010

No lugar da consciência, a lei da concorrência

Foto: Margarida Madruga

 

Do que um homem é capaz
 
Do que um homem é capaz
As coisas que ele faz
P’ra chegar aonde quer
É capaz de dar a vida
P’ra levar de vencida
Uma razão de viver

A vida é como uma estrada
Que vai sendo traçada
Sem nunca arrepiar caminho
E quem pensa estar parado
Vai no sentido errado
A caminhar sozinho
 
Vejo a gente cuja vida
Vai sendo consumida
Por miragens de poder
Agarrados a alguns ossos
No meio dos destroços
Do que nunca vão fazer
 
Vão poluindo o percurso
Com as sobras do discurso
Que lhes serviu para abrir caminho
À custa das nossas utopias
Usurpam regalias
Para consumir sozinho
 
Com políticas concretas
Impõem essas metas
Que nos entram casa dentro
Como a Trilateral
Com a treta liberal
E as virtudes do centro
 
No lugar da consciência
A lei da concorrência
Pisando tudo pelo caminho
P’ra castrar a juventude
Mascaram de virtude
O querer vencer sozinho
 
Ficam cínicos, brutais
Descendo cada vez mais
Para subir cada vez menos
Quanto mais o mal se expande
Mais acham que ser grande
É lixar os mais pequenos

Quem escolhe ser assim
Quando chegar ao fim
Vai ver que errou o seu caminho
Quando a vida é hipotecada
No fim não sobra nada
E acaba-se sozinho
 
Mesmo sendo os poderosos
Tão fracos e gulosos
Que precisam do poder
Mesmo havendo tanta gente
Para quem é indiferente
Passar a vida a morrer

Há princípios e valores
Há sonhos e há amores
Que sempre irão abrir caminho
E quem viver abraçado
À vida que há ao lado
Não vai morrer sozinho
E quem viver abraçado
À vida que há ao lado
Não vai viver sozinho
 
                                           José Mário Branco, Resistir é Vencer

 

publicado por Elisabete às 21:55
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Março de 2010

Mulheres da República

 Maria Veleda (1871-1955)                                                             

                                                                               Ana de Castro Osório (1872-1935)   

 

   Adelaide Cabete (1867-1935)                   Carolina Beatriz Ângelo (1877-1911)

 

Quatro mulheres notáveis que, nos inícios do século XX, se notabilizaram em vários domínios e dedicaram as suas vidas à luta pela emancipação das mulheres.

Merecem, por isso, o meu agradecimento e esta pequena homenagem.

 

 

 

publicado por Elisabete às 21:49
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar