Quinta-feira, 29 de Setembro de 2011

Um pouco de silêncio

Lagoas das Sete Cidades: onde o silêncio não é apenas a ausência de ruído
 

Onde ainda é possível hoje um pouco de silêncio, longe da contínua sucessão de notícias nas TV, rádios, jornais; da gritaria da publicidade; da música aos berros das discotecas, bares, corredores do Metro, ruas, praias; da chamada (raio de nome!) “música ambiente” dos centros comerciais, consultórios médicos, bancos, restaurantes, cafés, comboios, até das casas de banho e dos elevadores; do ruído estridente dos telemóveis; das conversas em voz alta; dos automóveis circulando de vidros abertos e leitor de CD no volume máximo; da chiadeira dos
travões; dos escapes; dos festejos de vitória nos dias de futebol; das celebrações gregárias que, por tudo e coisa nenhuma, enchem as ruas de todo o
género de turbas ululantes?

 

Porque tememos tanto o silêncio? Não é fácil, por exemplo, perceber se a música ensurdecedora nos bares se destina a poupar aos clientes, na maioria jovem – que, provavelmente, passaram a adolescência de headphones -, o embaraço de não terem que dizer ou se eles pouco falam entre si por ser impossível ouvirem-se; de qualquer modo, a situação parece convir à clientela e os bares enchem-se de grupos e de casais (alguém sozinho num desses bares é uma raridade) de copo na mão, mal trocando uma palavra, ou fazendo-o apenas de quando em vez, aos gritos, encostando a boca ao ouvido do, chamemos-lhe assim, interlocutor.

 

Onde será ainda possível um pouco de silêncio e, se não for pedir muito, um pouco de solidão também, quando até nos hospitais os televisores (em quartos, enfermarias, salas de espera) permanecem hoje ligados durante todo o dia?

 

Fui, não há muito tempo, operado num hospital público e pior e mais penoso do que a cirurgia foi ter estado uma semana inteira enfiado numa enfermaria (aliás nova e funcional) com o televisor ligado de manhã à noite: de manhã Goucha ou Praça da Alegria, à tarde telenovelas e Júlia Pinheiro, depois o Preço Certo, depois mais telenovelas, Ídolos, concursos, sei lá o quê, e tudo sem anestesia.

 

Quando finalmente consegui mudar para um quarto, não havia enfermeiro ou auxiliar que, entrando para me dar a medicação, para fazer a cama ou trazer a refeição e deparando com o televisor desligado, não se dirigisse mecanicamente a ele para o ligar, só se detendo quando eu gritava: “Não!” (Até o capelão, com quem mantive umas conversas sobre fé e sobre futebol, me perguntou um dia à saída, prestável: “Não quer que lhe ligue a televisão?”)

 

O horror ao silêncio (e a essa forma do silêncio que é a solidão), o fluxo tumultuoso da informação e da mera bisbilhotice, a prevalência da imediaticidade, da superficialidade, a vacuidade fotogénica, o voyeurismo e o exibicionismo, características da TV enquanto – como em Fahrenheit 451 – fantasia neurótica da “grande família”, são uma espécie de clone das nossas sociedades urbanas, histericamente gregárias e dominadas pela ansiedade de participação e de pertença, onde a reivindicação da solidão ou do silêncio são tanto mais afrontosas quanto mais são “associais”.

 

Não que nas nossas sociedades não haja gente solitária, mas não é dessa solidão que se trata; uma multidão de pessoas solitárias continua a ser uma multidão; basta ver os magotes de velhos nos lares, todo o dia diante da TV, mais sós do que ninguém. Nem da solidão essencial de Frei Luís de Leon:

 

Vivir quiero conmigo,

gozar quiero del bien que debo al Cielo,

a solas, sin testigo, libré de amor, de celo,

de ódio, de esperanzas, de recelo.

 

É coisa mais simples. Só um pouco de espaço para a identidade e para o pensamento; e talvez para o sofrimento, mas sem necessidade de ir contar tudo à TVI.

 

Manuel
António Pina
, in a terra vista da lua

[Notícias Magazine] 

 

publicado por Elisabete às 20:46
link do post | comentar | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar