Sexta-feira, 21 de Fevereiro de 2014

A Liberdade de Escolher…

 

Desde o armistício, já não era possível “ficar à margem”, isso equivaleria afinal de contas a tomar partido e a tomá-lo contra os seus: agora, portanto, combatia. Quando a fase actual terminar, quando se lutar de rosto descoberto, ele entrará no jogo, comprometer-se-á, empenhar-se-á.

 

- E se tudo falha? – perguntou de súbito.

- O quê? O desembarque?

- Não. O desembarque é apenas um pormenor. Mas a Revolução, a edificação do socialismo, tal como o queremos.

- Ora! – replica Rodrigo na risota -, sempre poderemos “morrer a combater”…

- Penso muitas vezes nisso. Nos momentos de depressão, lamento não me ter alistado nas Brigadas Internacionais… não ter sido morto, como Lorca, a lutar contra Franco… Parece-me que era o meu destino e que o gorei. Fiquei altamente impressionado no dia em que M.L. me contou ter visto, à beira de uma estrada, à saída de Madrid, o cadáver de um miliciano, um jovem intelectual, atingido por uma bala em cheio na testa, quando ia, lançando granadas, ao encontro dos tanques de Franco: este miliciano, dizia M.L., era tão espantosamente parecido comigo, que ele se surpreender imenso ao encontrar-se vivo em Paris. A guerra de Espanha não foi viciada pelas ambiguidades e os compromissos desta; não foi como em 40: cada um soube imediatamente de que lado devia pôr-se; foi a mais “pura” das guerras actuais, aquela onde era mais leve morrer… Mas supõe que, vencida a Alemanha, tudo recomeça como dantes: estabelece-se um regime democrático, mas os trusts gastam o dinheiro suficiente para nos derrotar nas eleições e a alta burguesia continua a controlar tanto os governos de esquerda como os da direita, a URSS tem demasiado trabalho com a reconstrução do socialismo no seu próprio território para se ocupar de nós, reedifica a barragem do Dnieprostroi, etc.; os operários franceses estão subalimentados há tempo demais para serem capazes de um desses despertares de que fala o cardeal de Retz, dão-lhes mais oito dias de férias pagas para ficarem sossegados e tornarem a fazer economias na mira de comprar uma horrenda casinhota nos arredores (perto dum caminho-de-ferro, para terem a certeza de ser bombardeados na próxima guerra); as vedetas de Hollywood reconquistam as parangonas dos grandes jornais, os que ganham algum dinheiro voltam a passar os fins-de-semana em Deauville, etc. A Revolução é adiada para a próxima guerra que se seguirá à próxima grande crise cíclica do sistema capitalista…

[…]

 

Esperavam da “vitória” não sabiam bem que libertação, que possibilidade de se dedicarem completamente, de darem toda a medida de si mesmas. Isto misturava-se confusamente com a esperança de ir para Paris, que representa aos olhos dos provincianos, agora como no tempo de Balzac, o sítio onde os talentos de qualquer espécie podem fazer carreira. Marat, ao mesmo tempo que as ouvia, temia por elas e por todos aqueles e aquelas que esperavam demasiado da “vitória”.

[…]

 

- Sim, porque a vida, não é verdade? na sua essência, no que ela tem de intrinsecamente angustiante, pode ser definida como a liberdade de escolher

 

Roger Vailland, Cabra-Cega
publicado por Elisabete às 21:35
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 8 de Fevereiro de 2014

Como se aquele gesto...

no rosto do menino

brilhavam gotas ásperas quase secas pela temperatura do fogo próximo, brilhavam na baba que a sua boca trémula deixava escorrer, ou ainda, porque tudo no seu rosto negro eram rastros amarelos, um ranho calmo brotava do seu nariz

o seu choro era calmo e doce porque cansado,

perdido da sua casa desde os primeiros instantes do fogo, buscou primeiro referências visuais que o fumo impediu, entregou-se ao tacto e queimou a ponta dos dedos, e caminhou, forçando a sua coragem de menino gigante que recusava entregar-se à morte, caminhou, buscando os irmãos ou uma voz conhecida, buscando a vida ou o que fosse uma saída, caminhou como se as ruas menos queimadas fossem a saída do labirinto,

molhou o corpo e o cabelo e a boca com a primeira água que encontrou e, no meio dos estranhos ruídos, o menino, no seu choro cansado, começou por descobrir uma espécie de silêncio, uma cama de tons não musicais que nasciam dos ruídos vindos das árvores e das casas em queda

os líquidos todos no seu rosto – o que era baba e ranho, o que era lágrima e medo, tudo isso se esvaiu numa sensação repentina em que o incrível monstro da solidão gemeu e se desfez – o menino viu um peixe arfante saltitando, cheirando, se fosse isso, mínimas gotículas de água onde ela houvesse, para saber, também ele, da possível salvação,

do outro lado, como se de duas criaturas salvadoras se tratasse, um pássaro branco, chamuscado e manco, compunha o cenário que, repentinamente, como um poder renovador do mundo, fazia o menino, no meio do fogo, começar a sorrir,

não hesitando, a criança, em transportar consigo o seu sorriso, os seus dedos queimados, as unhas doloridas, levando a fome no seu estômago em ardência, trazia de um lado do peito, por segurança, restos de um sólido medo, do outro, meio apagada, uma intensa saudade da mãe e

acometido de súbita sabedoria, pegou no peixe trémulo e deu de comer ao pássaro – como se aquele gesto resolvesse o mundo.

 

ONDJAKI, Os Transparentes

publicado por Elisabete às 22:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar