Domingo, 4 de Novembro de 2007

Luar de Janeiro

 

 

O cão é um animal muito interessante! Devora as toxinas deixadas por aqueles que nos desiludiram e transforma-as nas qualidades que podem interessar ao seu dono. É subserviente e nisso satisfaz inteiramente aos autoritários; é resignado e com isso alivia de preocupações aqueles que não gostam de se preocupar com os outros; é fiel sem exigir reciprocidades; é dedicado e resiste a todos os cepticismos que lhe pode dar o objecto da sua dedicação...” [...]
Realmente, o cão é um bicho muito curioso... Mas não julgues que te podes reconciliar inteiramente com o reino animal através do cão que os homens acabam por comprar... É certo que o nosso cão nos devolve em afecto os pontapés que lhe damos... Mas os cães também têm os seus defeitos originários. O teu cão não te morderá, mas todos os outros cães poderão morder-te. E há cães que são tão rebeldes como os homens...”
Ferreira de Castro, A Curva da Estrada

 

  

 

Quando criei este blogue, dei-lhe um nome que, para mim, tem várias conotações. Cada uma das palavra tem algo a ver com a minha vida. E “Luar de Janeiro” foi o nome que demos a uma cadelinha que comprámos, com quase dois meses, na Serra da Estrela, precisamente no início duma noite de passagem de ano. Na verdade, ela é que nos escolheu. Quando chegámos à Torre, começava a escurecer e nevava. Um homem tinha num cesto, creio que três, cãezinhos para vender. A família há muito que desejava um cão; eu, tenho de confessar, não me sentia muito atraída. Já só havia cadelas e... era um cão que pretendiam. Só uma delas tinha pêlo castanho dourado. Linda! Peguei nela. “A sabida” enfiou logo o nariz frio por debaixo do meu casaco quente. O fim da história é o esperado: não fui capaz de opor mais resistência. Veio connosco e nunca foi, para nós, um “animal de estimação”; foi mais uma espécie de “irmã pequenina” para o G. e para a M.
Já morreu, mas não a esquecemos. É dela a fotografia do perfil.
Ao ler as palavras acima, do meu querido Ferreira de Castro, numa das poucas obras dele que ainda não conhecia, apeteceu-me discordar da maneira como vê o cão, e que é, aliás, a mais comum. A Luar não era subserviente nem resignada. Era uma cadela cheia de personalidade e que, só muito dificilmente, fazia aquilo que não queria. Fiel sim, era. Só que a sua fidelidade era a consequência do muito que de nós gostava. Ficava triste se me sentia triste; sentava-se, virada para a porta da rua, quando via que me preparava para sair e, se eu olhava para ela, virava o focinho para o lado, zangada, e lá tinha eu de disfarçar, dando a entender que não ia sair, para poder escapulir-me sem aquele olhar triste sobre mim; num tempo em que tive de permanecer ausente de casa por períodos longos, amuava e, só algum tempo depois da minha chagada, se dignava dar pela minha presença; parece que só se sentia completamente bem quando toda a família se encontrava em casa.
A afectividade que os cães desenvolvem, sobretudo se vivem sempre perto das pessoas, é tão extraordinária que nos recusamos a acreditar que seja verdadeira. Por isso os comparamos a bajuladores fiéis, moles e burros.
A “minha” Luar de Janeiro era linda, meiga, inteligente e não tenho a mínima dúvida de que sentia, por nós, um amor verdadeiro e do tamanho do Mundo.
 
publicado por Elisabete às 17:37
link do post | comentar | favorito
|

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar