Domingo, 3 de Fevereiro de 2008

O que vale a pena ler...

 

 

 

A Insuportável Solidão

 

1.Bridgend é uma pequena cidade de 40.000 habitantes, no sul do País de Gales. Um burgo isolado e pacato, aconselhável aos turistas (fonte de divisas), com o problema de muitos outros burgos: o desemprego. E, recente e inesperadamente, saltou para a primeira página dos jornais. Nesse mundo esquecido e apagado, aconteceu a tragédia: o suicídio de sete jovens, o mais velho de 20 anos e o mais novo (uma rapariga) de 17. Estudantes sem mácula, vidas aparentemente equilibradas e arregimentadas. Nem álcool, nem droga. Portanto, nenhuma razão. Um gesto absurdo. Mas haveria uma razão? Enraizaria o gesto na chateza da corrente dos dias? No ritual cinzento, em que as pessoas se perdem umas das outras e de si próprias?

***

2.Os sete jovens tinham coisas em comum viviam condições semelhantes, trocavam mensagens num sítio da internet e, pormenor macabro, suicidaram-se da mesma maneira: enforcaram-se. Talvez, ainda, um outro elo os unisse: a vontade de se tornarem públicos, de saírem do anonimato e de se afirmarem. Talvez fosse o alvo que o grito deles procurou atingir: a tona de água. O protesto -obviamente um protesto- quis arrancar, ao silêncio circundante, reconhecimento e admiração jamais tidos. Quem nos vê acompanha-nos e reconhece-nos? Não é certo. Albert Camus escreveu "O Estrangeiro": a solidão absurda do homem; Malcolm Lowry, na obra-prima "Debaixo do Vulcão", denunciou: "O que é a vida mais do que uma guerra e a passagem pela terra de um estrangeiro?" Em Bridgend, a meio de tantos sinais de beleza -paisagem, arquitectura, praias- sete fantasmas vivos (nunca se terão visto e trocavam mensagens dentro de garrafas que se confiam ao mar) descobriram que as suas almas estiolavam e pensaram o mesmo que o Cônsul de Lowry: "o pior de todas as coisas é sentir morrer a própria alma".

***

3.Não eram únicos, a não ser no gesto excêntrico, esquisito. Fora disso, habitavam o centro do quotidiano. Vivemos entre homens e mulheres, que se desconhecem e desconhecemos. Entre vítimas da indiferença e do egoísmo, do falso progresso, que tudo reduz a números. Sofremos, em época retrógrada, desumana, insalubre, assassina. Tempo de peste. Milhões de homens esbracejam, pulam, mascaram-se, na esperança de que atentem neles. Não atentam. A máquina não se condói nem pára, tritura e afoga, desliga-nos do mundo, pobres títeres, extraterrestres cada vez mais cadáveres adiados. Malcolm Lowry alertava "Le gusta este jardin que es suyo? Evite que sus hijos lo destruyan!"

Manuel Poppe, in Jornal de Notícias [O Outro Lado]

3.Fevereiro.2008

N.B. Não acho necessário acrescentar mais nada. Um óptimo texto para... reflectir.

publicado por Elisabete às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De livros2amao a 9 de Março de 2008 às 16:02
Realmente, palavras para quê?!
Vim cá parar por acaso, através de Camus e "O Estrangeiro", livro que acabei de ler ontem e ainda estou a interiorizar e por isso andava a pesquisar outras opiniões. E, deparei-me com este belo incentivo à reflexão... :)
De Elisabete a 15 de Março de 2008 às 19:17
O Manuel Poppe é um crítico literário extraordinário e fala sempre das melhores obras e autores nacionais e estrangeiros.
Terá sempre referências importantes nos textos que escreve. Alguns deles estão publicados neste blogue.
Apareça sempre!

Comentar post

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar