Segunda-feira, 24 de Março de 2008

O PÁSSARO DE VIDRO

 

[…] duas pessoas apaixonadas que pediam, um ao outro, o absoluto que não conseguiam encontrar dentro de si. Desiludia-os às vezes a pobre resposta; mas, porque se amavam, sabiam que só o outro – Lorenza a Andrea e Andrea a Lorenza – poderia dar-lhes aquilo de que andavam à procura. Estavam os dois de boa-fé. O medo deles era humano: ao mesmo tempo que se amavam, desconfiavam um do outro. O absoluto de que andavam à procura queriam que lhes aparecesse logo, evidente, e, no meio, metia-se-lhes a fragilidade que tinham: nem um nem outro se transformava facilmente na harmonia desejada. Eram da terra, animais como os outros, sujeitos às fraquezas.

 

 

 

 

“O Pássaro de Vidro” é a história de um amor impossível, cuja acção decorre em Veneza, entre o médico recém-divorciado, Andrea, e a jovem estudante Lorenza.
Manuel Poppe, num tom profundamente intimista, escalpeliza o fenómeno amoroso, visitando os recantos mais profundos da insegurança e dos medos provocados por um amor que se quer puro, único, absoluto.
Não havia barreiras exteriores para os separar, mas… separava-os a impossibilidade de se darem, como pobres pássaros, em invólucro de vidro, incapazes de voar. A ansiedade paralisa-os. E culpam-se mutuamente. Acabam enredados nas suas próprias dúvidas, utilizando todos os ardis para descobrir até onde vai o amor do outro. E magoam-se… e desconfiam…e fogem… e voltam a aproximar-se para de novo se separarem e saborearem a dor que quase os destrói.
Andrea dispõe, e aproveita, dum amor menos complicado, em que só quase dá o corpo, mas do qual obtém alguma estabilidade e uma sensação de bem-estar. E também de remorso, de traição e instantes de consciência intranquila. Caterina dá-se-lhe, para o confortar, sabendo que ele nunca será seu, mas… mesmo assim, esperando o impossível.
Ele prefere a outra, Lorenza, fugidia, irregular, incompreensível. É o enigma que ela representa que o atrai? Deveriam desligar-se, se não conseguem construir a ponte sobre o abismo que os separa, mas não: preferem a insegurança, o conflito, ao vazio da vida sem o outro.
É um romance que dói, que ora nos leva a chorar o infortúnio destes dois, ora nos transforma em potenciais personagens, com vontade de interferir nas suas vidas, obrigando-os a voar por cima do muro que ergueram entre eles. Na verdade, nós é que somos empurrados, pela mão do autor, para dentro de nós próprios, afinal… seres humanos indefesos perante a turbulência do amor.
Por que razão nos apaixonamos?
Para lá da atracção física, há muitas vezes, em nós como nas personagens, a necessidade de combater a solidão e a vontade de proteger, quem nos parece desamparado e frágil, ou de sermos protegidos. Pensar que alguém precisa urgentemente de nós, dá um sentido à nossa vida; pensar que alguém se preocupa connosco, faz-nos sentir igualmente importantes e imprescindíveis.
O caso da Lorenza e do Andrea é, por Poppe, levado ao limite. Mas a verdade é que, quando nos apaixonamos, surge o medo, quase intolerável, de perder o sonho, de fracassar: de não sermos suficientemente bons para satisfazer a exigência do outro, de confrontarmos o ser inventado por nós com a pessoa real e verificar que nos enganámos, de ficarmos dependentes e reféns do amor do outro, de interpretarmos erradamente os sinais que nos são enviados. É como se perdêssemos o pé, sem qualquer certeza e muitas dúvidas. Será que para ele/a sou a/o única/o, a/o tal, a/o diferente? Até que ponto gostará de mim? É mais fácil fugir e ver se o outro vai atrás. Para medir o amor e porque, lá no fundo, acreditamos que se deseja mais quem se escapa do que quem está na nossa mão. E porque é excitante ser “caçador” e agradável saber que nos procuram, cai-se numa espécie de jogo em que, de vez em quando, se muda de papel. E ficamos irremediavelmente presos.
Haverá ser humano que nunca tenha passado por isto, mesmo que só o apreenda de forma difusa? Não creio. O amor é o sentimento que nos leva às maiores loucuras, ao céu ou ao abismo. E quando o desejamos da pureza do cristal, preferimos o nada ao vidro grosseiro.
Mesmo que, no fim, reste apenas a rotina comezinha duma relação banal ou o ombro dum amigo para chorar e descansar…
“O Pássaro de Vidro”, da Caminho, está esgotado. Encontrei-o numa biblioteca pública. Espero uma nova edição para o adquirir, para o reler as vezes que o meu coração pedir.
publicado por Elisabete às 19:08
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De IBEL a 25 de Março de 2008 às 22:09
Vou comprar " O Pássaro de Vidro", mas só vou poder lê-lo em férias, porque agora ando tão ocupada com papéis inúteis que não sei para onde me virar. Acredite que só no Domingo à tarde é que saí um bocadinho.Tenho passado o tempo a preparar a Sessão Solene do Dia da Escola, com ensaios com os alunos; preparação de trabalhos para uma acção de formação que estou "obrigada" a frequentar e onde não apendi nada;actualização do Plano Curricular de Turma e...
Mas a história do pássaro atraiu-me, não falasse ela de amor e de relações existenciais complexas.Eu tive " Dois Amores" com sabor a praia e a mar.Um deu-me a felicidade suprema, mas impossível de concretizar, o outro escangalhou-me por completo. E outros sem grande importância.Vários, até que encontri o pai da estrelinha.. Eu hei-de contar, nos Frutos de Mim.
De Elisabete a 25 de Março de 2008 às 22:51
Ó, minha amiga, isso é só trabalho! E como eu sei o que isso é!...
Não é muito mais importante a literatura e o amor? Os "iluminados" poderosos deste mundo deram cabo de tudo, e até transformaram esta profissão, que deveria ser exercida com paixão e deleite, numa chatice insuportável.
Mas... "padeirinhas", é preciso manter a pá preparada. Vai ser precisa nos próximos tempos.
Um grande beijo
Elisabete
De Elisabete a 25 de Março de 2008 às 23:03
Ainda bem que gostou do "Pássaro". O Manuel Poppe é um verdadeiro especialista na matéria. Consegue confrontar-nos com os nossos próprios conflitos.
Se não fossem os livros, a vida era bem menos interessante. Não acha?
De Cristiano Amaral a 26 de Março de 2008 às 15:55
Ah!!! Esse terrível sentimento que nos mata, mas sem o qual a vida se torna insípida e cinzenta.
Apelativo o seu texto.

Comentar post

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar