Sexta-feira, 19 de Setembro de 2008

Palavras que façam pensar

 

 
Ainda antes de Cristo, na Grécia, Eurípides aconselhou: “Fala se tens palavras mais fortes do que o silêncio, ou então guarda silêncio”. Numa sociedade cada vez mais calada e indiferente, impera perguntar o que foi feito destas palavras fortes como as muralhas, que deixavam quem as ouvia a pensar. Em emoção, em fúria, apaixonados, em desacordo ou em acordo. Mas a pensar.
O mundo calou-se e não foi para meditar. O mundo silenciou a voz porque o que é importante custa dizer. Calar-se é sempre mais fácil. Afinal, já criticava Cervantes, esse amante das palavras: “Contra quem cala não castigo nem resposta.
Falar é uma questão de coragem. E essa, já se sabe, vai escasseando. Os Que Falam, falam sempre dos mesmos perigos: a crise do petróleo, a crise sistémica global, a “especial” crise na banca internacional. Ninguém fala da generalizada crise da coragem. A coragem humana e a coragem cívica, declaradamente em risco de extinção.
A ausência das palavras “desculpa”, “obrigada”, “parabéns pelo teu trabalho” ou “amo-te” não parece preocupar ninguém. E quando Os Que Falam se reúnem, ninguém manda parar as armas. Ninguém manda matar a fome e não os homens. Ninguém assume que o mundo se está a suicidar em morte lenta e que esse é o legado que vamos deixar.
Os discursos do Governo são ora ocos, ora incoerentes. Num dia mandam-nos marcar mais golos e ser competitivos, que a vida moderna a isso obriga; no dia seguinte mandam os pais acompanharem os filhos, para não delegarem nos professores um papel que só à família pertence. Mandam-nos acelerar e mandam-nos manter um estilo de vida saudável. Porque o país precisa de nós. E quando se cansam de tanta incoerência, simplesmente não comentam ou voltam às “velhas” crises, essas de que se pode falar porque falar delas é quase o mesmo que não dizer nada.
A importância destas crises é, evidentemente, indiscutível. Mas a gravidade que o silêncio está a assumir numa sociedade em que ninguém fala com os vizinhos com os quais partilham o mesmo prédio há anos, e só uma minoria dos clientes responde ao “bom dia” dos comerciantes (e vice-versa) é igualmente assustadora.
Quando penso nisto lembro-me sempre das descrições que os vizinhos fazem do serial killer, depois de descobertos os crimes. Ele parece sempre, aos que estão habituados a vê-lo, ao longe, boa pessoa, pacato, respeitável. “Quase não metia conversa com ninguém”, descrevem muitas vezes. O problema é esse mesmo. É que, como dizia Heinrich Heine, o poeta alemão, “não há nada mais silencioso do que um canhão carregado”.
 
Martha Mendes [estudante da Universidade de Coimbra]
Jornal de Notícias [7.Set.2008]
 
 
Este texto, escrito pela jovem Martha, mereceu a atenção de Manuel Poppe que lhe dedicou a sua crónica de domingo e que reproduzo a seguir. As suas palavras, mais do que dizem, sugerem o mal-estar latente na sociedade actual. Uma sociedade em que as pessoas se refugiam no silêncio interior dos muros que erguem em redor de si, por medo, por hipocrisia, por comodismo, por interesses vários. Daí a necessidade de palavras fortes, corajosas, também elas como muralhas, que os derrubem, dando passagem à fraternidade e ao amor.
Obrigada, Martha! Enquanto houver jovens críticos e comprometidos, haverá esperança.
 
O silêncio e a morte
 
1. Não podia deixar passar em claro o notável, reconfortante, oportuno texto de Martha Mendes, aluna da Universidade de Coimbra, que li, neste jornal, há oito dias, na excelente secção “Universidade Pública”, onde têm aparecido páginas muito boas. Desde logo, arriscando oratória barata, direi que Martha Mendes honra a escola cujas tradições humanísticas e culturais contam séculos; e honra, também, a sua geração, porque não nasceu sozinha, entalada no tempo da mentira e do cinismo, jovem descontente e, ainda, indignada (apesar do sorriso perverso dos “adultos” arregimentados, eternos vendilhões do templo e mercadores da própria alma). “Numa sociedade cada vez mais calada e indiferente, impera perguntar o que foi feito dessas palavras fortes como as muralhas, deixavam quem as ouvia pensar”, escreve Martha. A resposta dá-a de seguida: “Falar é uma questão de coragem”. É isso que falta? Com certeza; mas como encontrá-la numa sociedade que vem transformando o homem em objecto castrado, anulado - silenciado?
 
2. Quando os escritores falavam (queriam ir além do confusionismo, do malabarismo formal e do piroso suave), José Marmelo e Silva deu-nos duas novelas excepcionais: “Adolescente Agrilhoado” e “Anquilose”; antes, Régio lançara, na revista “presença” (disponível em fac-símile, editora Contexto), “A lição inútil ou carta a um juvenil individualista”. Há muitos anos? Os suficientes para que avançasse e se consolidasse o processo de desumanização em curso: a agonia e morte do Homem. A crise está aí (o cancro neoliberalista); e está aí o apaixonado grito de Martha Mendes, que é uma lição. E nenhuma lição é inútil.
 
Manuel Poppe, in O Outro Lado
Jornal de Notícias [14.Set.2008]
 
 
PORQUE PENSAR É PRECISO…
publicado por Elisabete às 15:23
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Ibel a 19 de Setembro de 2008 às 22:02
Verdades como punhos, duras como pedras.O silêncio fabricado pelo modernaços, que elgem as máquinas como prioridade e retiram-nos a dimensão de humanidade que deveria ser a nossa essência.
Como tudo era diferente no nosso tempo!
Eu vivo num prédio de dez andares e conheço a realidade do silêncio e da indiferença.E nas escolas existe a mesma realidade.
De cenas a 25 de Dezembro de 2008 às 22:22
Martha Mendes: uma escrita vulgar, verde, sem qualquer elevação. Escreve sobre os anseios de qualquer adolescente que inicia agora a fase de passagem para a vida adulta. Um texto como tantos outros, multiplicados pela net em blogs com o cor-de-rosa como fundo. Contudo, o que separa esta senhora de todos os outros é que ela publica os seus textos teenegeres no renomado Jornal de Noticias. Porque será?! Perguntem a qualquer aluno de Jornalismo da Universidade de Coimbra entre os anos 2005 - 2008...

As elites em Portugal são uma tristeza, e estão condenadas a sê-lo, porque neste país só vinga quem vende a alma ao diabo (subentenda-se)...
De Aluno do IEJ a 10 de Fevereiro de 2009 às 23:53
É tão verdade esse segundo comentário sobre Martha Mendes. Primeiro foi os Cadernos de Jornalismo, a Reitoria da UC, as crónicas do JN e até nas Ideias Concertadas. Depois a Tribuna de Macau e agora até no Público online ela escreve onde censuram (curiosamente) qualquer comentário que não seja um elogio. À custa de quê? De vender "a alma ao diabo".
Antes morrer desempregado e de cabeça erguida do que vingar no mundo do jornalismo e ter a má fama que essa menina já tem.
De Elisabete a 11 de Fevereiro de 2009 às 11:48
Resposta aos dois últimos comentários
Agradeço a vossa participação, mas quero esclarecer o seginte:
Não conheço a jovem em questão, apenas gostei do que li e publiquei;
Não conheço as vossas razões, mas penso que não é este o espaço adequado às vossas críticas.
O conselho que vos posso dar é que façam o vosso trabalho o melhor possível, com dignidade e ética. Se tal for necessário, o tempo separará o trigo do joio.
De jnp a 16 de Fevereiro de 2009 às 18:20
A inveja é uma coisa muito feia. Certas pessoas nem merecem que se perca tempo com elas, como esse "Aluno do IEJ" que tenta denegrir alguém que pelos vistos muito o incomoda. E que tal aproveitar para trabalhar?
De VITOR FERNANDES a 14 de Dezembro de 2009 às 15:16
A inveja e a língua venenosa são as armas dos incompetentes, burros e ignorantes. O texto de Marta Mendes é do melhor que já li e é a mais pura verdade. Parabéns Menina Marta. Com jovens assim talvez se remende um mundo esburacado pela gente somenos que a critica. Obrigado ao dono deste blogue por divulgar este texto.

Comentar post

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar