Domingo, 5 de Outubro de 2008

Renúncia conformada

 

 Maria Clara

 
De maneira lenta mas segura, Maria Clara viera realizando um grande progresso: renunciara à felicidade. Ser feliz, não ser feliz, - como ser legítimo, ou não, passar-se com ela o que se passava – eis questões que, pouco a pouco, haviam deixado de se lhe apresentar à consciência; ou à semiconsciência que, na maior parte das vezes, era a sua. Todo o seu actual empenho se reduzia a ir passando os dias sem novidade de maior. Isto é: sem que explodisse qualquer cena com Joaquim. Para isso tinha Maria Clara de exercer uma vigilância cada vez mais hábil (em que sempre se apurara) não já só sobre os seus próprios gestos, palavras, impulsos, como sobre os do marido. Da interpretação destes, que muitas vezes eram enigmáticos ou dúbios, dependia o tom, a maneira, como devia responder ela própria, como se devia ela própria comportar. Assim, dia a dia, viera perdendo o melhor da sua antiga espontaneidade. Também da sua antiga alegria e frescura. Muito aprendera, em compensação; muitas coisas pequenas que lhe poderiam servir a evitar, ou rodear, grandes desgraças. Não era de admirar que estivesse mais inteligente!, como não pudera deixar de notar o próprio Joaquim.
Alegria..., - mas já, actualmente, lhe era uma alegria sacudir aquela timidez, aquele temor, aquele constrangimento ou fingimento em que, no geral, se mantinha perante o marido: atitude por vezes penosa que já, então, desejava o momento de o ver sair. Já libertar-se da sua presença lhe era, certos dias, um alívio! Já conversar livremente com a mulher dos recados, ou ouvir a senhora Rosa Venâncio e dar-lhe trela, ou entreter-se com os arranjos quotidianos da casa (esperando vagamente que o Joaquim voltasse de melhor sombra) se lhe tornara uma felicidade. Relativa, sem dúvida. Porque talvez, em verdade, não seja de todo rigoroso dizer-se que Maria Clara renunciara à felicidade. Quem lhe renuncia? E então ela, Maria Clara!... Só a noção – antes o sentimento – de felicidade se lhe estreitara ou empobrecera muito; e quase toda a sua grande luta não era agora senão pela conquista dum certo sossego, ou dumas pequenas felicidades provisórias e domésticas, circunstanciais, que dantes lhe parecia nada terem com a felicidade, mais não sendo que uma espécie de zona neutra quotidiana. Ia sempre envelhecendo, pois. Já cada vez se contentava com menos, tendo aprendido a conformar-se. Isto é: tendo aprendido que, geralmente, não passa o nosso bem-estar dum breve descanso do mal-estar já normal, (isto era o que se passava com ela): um fugidio intervalo entre receio e receio, pesar e pesar, angústia e angústia. Seria virtude, - tal conformação? Como, por vezes, em momentos de mais vivo desespero, lhe viam ainda sobressaltos de revolta, vagamente se lhe pusera à consciência (ou à semiconsciência que, na maior parte das vezes, era a sua) tal interrogação. E depois desistia de pensar, de consultar, e recaía nessa mesma conformação já parecida com um hábito.
 
José Régio, A Velha Casa III

 

publicado por Elisabete às 15:21
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Ibel a 6 de Outubro de 2008 às 06:26
Maria Clara...! Quantas Marias Claras mergulhadas na escuridão da desistência e do conformismo.Ontem estava a reler o Livro do Desssossego e houve passagens que me fizeram concluir, que a vida é um intervalo de felicidade no meio de um flme de terror.
Felizmente, não tenho razões para desconsolos destes, mas à medida que envelheço, repr cd vez mis no rosto dos outros e o que vejo ao meu redor é gente esgotada de viver.
Não conheço este livro de José Régio.Provavelmente será mais uma aquisição.Esta Maria da Graça lembrou-me um pouco uma personagem do conto" O moinho" .
De Cristina a 6 de Outubro de 2008 às 06:41
Querida Elisabete
Vim para te enviar um beijo no coração e agora vou ficar pensando um pouco na Maria Clara. Depois conversamos tudo bem ?
Um belo texto querida, um ótimo tema,como sempre.
Mais um beijinho... Ainda estou pensando...
De Elisabete a 6 de Outubro de 2008 às 11:57
Minhas amigas,
Infelizmente "mortes" como a da Maria Clara são mais frequentes do que se imagina.
Podem não ter a mesma forma ou os mesmos motivos, mas muitíssimas mulheres se violentam e desistem dos seus sonhos em troca de uma "paz podre".
Tão fortes e tão fracas que somos!...
Beijinhos

Comentar post

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar