Sexta-feira, 5 de Junho de 2015

Por entre os pingos da chuva

torneira-pingando-agua-materia.jpg

E, de repente, vem-me à ideia o som da água de um ribeiro a escorregar pelos limos das rochas, desdobrando-se em gotas e pingos que nos atingem o regaço quando nos debruçamos para, com as mãos em concha, bebermos um pouco daquela frescura que tão bem sabe, no meio do calor das tardes de Verão. 

É diferente do som das ondas a rebentar contra a areia, numa praia. Apesar de ser água, não é a mesma água. E não é só o sal que as separa. Ou o facto de umas separarem continentes e outras, margens. É também a generosidade com que a água doce se predispõe a dar-nos vida sem nada pedir em troca. Correndo das montanhas apressada para se juntar ao sal da terra no mar, guarda ainda assim algum tempo para que nos possamos abeirar dela e receber a água de que precisamos para matar a sede.

Esta relação entre a água e quem a bebe sempre se fez de cumplicidade, de um vulnerável equilíbrio entre as duas partes. Infelizmente, mais ou menos desde o período da Revolução Industrial, o ser humano tem vindo a convencer-se de que é o dono disto tudo e de que tudo se encontra sujeito à sua vontade.

Aprisionou a água doce, marcou-a e disse que era sua. A água que antes corria livre, ao alcance de todos para que a apanhassem, é agora pintada de cores e químicos pelas fábricas que se plantaram à beira-rio, suja pelos detritos e esgotos que lhe lançamos e captada e engarrafada para que a compremos.

Sem água não vivemos, é um truísmo. Mas é, sobretudo, a lembrança de que sem água não teríamos vida na Terra. Dela vimos todos os que respiramos ar. A nossa procedência é líquida e líquida devia ser a nossa devoção para com aquilo que nos permitiu que vivêssemos. Mas, se nem aos nossos pares outorgamos igualdade, separando as espécies humanas em caixinhas onde cabem todo o tipo de estereótipos e futilidades que pouco apontam ao interior comum que partilhamos, como poderíamos esperar que pudéssemos tratar com dignidade qualquer outro elemento externo?

Chegámos a um ponto da nossa existência em que o barulho da avidez é tão ensurdecedor, que deixamos de ouvir o som da água a cair do céu e a bater com toda a força no chão, o fim da sua viagem. Deixamos de nos relacionar com ela e habituamo-nos a que a sua existência possa ser controlada pelo gesto que abre e fecha uma torneira. E como o gesto que abre e fecha uma torneira é comandado pela vontade de beber, mas controlado pela sede de poder, privatizaram-se as águas em Portugal.

Na sua mente louca, em desvario, acham os que votaram a favor de tal crime que um elemento da natureza que é, por inerência livre, pode ter donos. Que pode ser colhido, aprisionado e dividido para depois ser vendido a retalho, ao sabor das leis de mercado e da ganância humana.

O bem comum passa a ser expressão non grata. A culpa deve ser do novo Acordo Ortográfico, claro. Baniu letras mortas e mudas, que já não fazem falta a esta mundo cheios de sons de progresso. O que lhes desejo, aos que acham que é possível e legítimo privar o todo de uma coisa que é de todos e taxá-la de acordo com os seus interesses, é que sequem, que mirrem, como o deserto de ideias e emoções que são e que, ao mirrarem, se lembrem do som da água do ribeiro a correr, soltando gotas que, pesadas, vêm cair no regaço de quem se dobra para a colher nas suas mãos, fresca, cristalina, pura, livre.

ana-bacalhau-1.png

 

ANA BACALHAU (in Notícias Magazine)

publicado por Elisabete às 12:04
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Beatriz Santos a 5 de Junho de 2015 às 16:54
Concordo com a Ana B.

E talvez esses mesmos que querem aprisionar a água nas suas mãos que são garras de plástico, talvez eles sequem. Morram à míngua. Conheço exemplos de quem não deu água a beber e morreu com sede.

O problema são os muitos que eles prejudicam com a decisão, que eles mesmos me desimportam.

Comentar post

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

* Seis anos de divinos torm...

*arquivos

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar