Sábado, 18 de Agosto de 2007

Portugal, Napoleão e Ilha de Santa Helena

 

Na ambição de dominar a Europa, Napoleão Bonaparte envolveu-se em lutas com vários países, entre os quais Portugal. Sofremos 3 invasões: a primeira, em 1807, foi comandada por Junot e teve como consequência a fuga da família real portuguesa para o Brasil; a segunda, em 1809, comandada por Soult e a terceira, em 1810, comandada por Massena. Com o auxílio de tropas inglesas, Portugal conseguiu afastar a ameaça francesa.

Vem isto a propósito de, há precisamente 195 anos (18 de Agosto de 1812), Napoleão ter, durante a sua campanha na Rússia, derrotado o exército russo em Smolensk. Muitas vitórias... também derrotas... um primeiro exílio na Ilha de Elba... o regresso... e a derrota definitiva em 18 de Junho de 1815, na Batalha de Waterloo. É condenado ao exílio, na ilha inglesa  de Santa Helena, no Atlântico Sul, onde morre, enquanto uma terrível tempestade varre a ilha, às 17.49 horas do dia 5 de Maio de 1821. 

O que é extraordinário é que a Ilha de Santa Helena foi descoberta pelo português João da Nova, no dia 18 de Agosto de 1502, isto é, faz hoje 505 anos. O navegador, ao regressar da Índia, "teve outra boa fortuna que lhe deparou Deus, uma ilha mui pequena, a que ele poz o nome de Santa Helena."  [João de Barros, Décadas]. Acrescenta ainda Barros que aí passaram a fazer escala habitual as naus que regressavam do Oriente., "pelo muito refresco que nela achavam".  A ilha recebeu os primeiros habitantes em 1513. No séc. XVII, foi sucessivamente ocupada por Holandeses, Ingleses e de novo por Holandeses. Em 1673, passou definitivamente à posse da Inglaterra.

Como diria o Sérgio Godinho, "cada coisa p'ra seu lado... isto anda tudo ligado.". 

publicado por Elisabete às 22:42
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 16 de Agosto de 2007

O Grande Escritor que, por um triz, não foi parar à Roda

 

José Maria Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 25 de Novembro de 1845/ Paris, 16 de Agosto de 1900).
"A Correspondência de Fradique Mendes", "Os Maias", "A Cidade e as Serras", "A Relíquia", "O Crime do Padre Amaro", "A Tragédia da Rua das Flores",  "Prosas Bárbaras", "O Primo Basílio, "Contos", etc., etc., etc....
Quão mais pobre seria o nosso país sem este gigante da Literatura Portuguesa.
Morreu faz hoje 107 anos, mas vive ainda na nossa memória. 

 

Carta do pai do escritor, anexa ao seu assento de baptismo:

 

"Senhora:

Ponte do Lima, 18 de Novembro de 1845.

Recebi carta de meu pai, que novamente me recomenda a criação de meu filho, e se me oferece para mandá-lo criar no Porto, em companhia da minha família, quando a senhora nisto convenha. Espero, pois, a sua resposta para nessa inteligência escrever a meu pai.

Ele me recomenda igualmente - e também o desejo - que no Assento de Baptismo se declare ser meu filho, sem todavia se enunciar o nome da mãe. Isto é essencial para o destino futuro de meu filho, e para que, no caso de se verificar o meu casamento consigo - o que talvez haja de acontecer brevemente - não seja precisa em tempo algum justificação de filiação. Espero se ponha ao nosso filho o meu, ou o seu nome, conforme deve ser.

Adeus. Acredite sempre nas minhas sinceras tenções e agora mais do que nunca. Queiroz."

 

Para o pai recomendar novamente ao filho a criação do neto, que estava para nascer, é porque o filho não tinha intenção de o fazer. Só por pressão do avô é que o pai do escritor se decidiu assumir a paternidade. E, pelos vistos, a mãe também não queria criar o filho que trazia no ventre. Disso, pai e filho não tinham a menor dúvida. O tempo e os factos encarregaram-se de lhes dar razão. Pois, nem após o casamento - efectuado em 3 de Setembro de 1849 - a mãe assume a sua maternidade. A mãe só assume a maternidade quando o filho é um escritor célebre e celebrado. Só em 25 de Dezembro de 1885 é que oficialmente o reconhece como seu filho legítimo, por se ter tornado necessário ao seu casamento.

[...]

Não fora a intervenção do avô paterno, e Eça de Queiroz poderia ter tido o destino dos filhos indesejados - a Roda. Instituição que, na Póvoa de Varzim, ficava em frente da casa onde Carolina Augusta Pereira de Eça, sua mãe, o dera à luz.

Foi sua mãe que, depois da morte do escritor, veio pôr ponto final no diferendo entre Poveiros e Vilacondenses. Pois uns e outros reclamavam para a sua terra a naturalidade de Eça de Queiroz. Em carta de 6 de Novembro de 1906, D. Carolina Augusta vem dizer: "meu filho José Maria de Eça de Queiroz nasceu na Póvoa de Varzim". Quem, melhor que ela, sabia onde o filho nasceu?!

Em suma, a omissão do nome da mãe de Eça de Queiroz no seu assento de baptismo não se deve a nenhuma "habilidade jurídica" do avô, para evitar a presunção da paternidade a favor do marido da mãe, mas tão só a recusa desta em assumir a maternidade do filho, que concebera no estado de solteira, menor de 19 anos e órfã de pai.

 

Francisco Marques, in "A Mãe de Eça de Queiroz"

 

*****************

Como se vê pelo último parágrafo, há quem defenda que a mãe do escritor era casada e, por isso, não queria reconhecer o filho. No entanto, não parece ser essa a verdade. Sendo assim, talvez se tenha ficado a dever ao avô a possibilidade de Eça ser o escritor que foi. Claro que o talento, o génio, estava lá. Mas a educação que recebeu possibilitou que se manifestasse. Se tivesse ido parar à Roda, é possível que fosse também um grande escritor. Seria, no entanto e com toda a certeza, um escritor diferente. E nós gostamos dele assim. Para sempre! 

publicado por Elisabete às 15:07
link do post | comentar | favorito
Domingo, 12 de Agosto de 2007

Miguel Torga nasceu há cem anos

  
Coimbra, 26 de Março de 1965
 
            Só há uma solução quando se vive num ambiente medíocre, entre medíocres: recusar a mediocridade. [...]
Diário (Volume X)

 

Miramar, 12 de Agosto de 1967
 
            Sessenta anos. Felizmente que ninguém deu pela conta, e pude calmamente, secretamente, meditar na significação deste dia crucial. Até há pouco, ia contando. Trinta, quarenta, cinquenta... Não era a juventude, evidentemente, mas havia ainda pano para mangas. Mais vinte, mais quinze... Tempo de sobra, enfim. Agora é que toda a ilusão se desvaneceu. Nem quarteirão, nem dúzia. Inexorável, a razão apenas me promete a decadência e o desenlace, no molho amargo de que tudo está feito e por fazer. É essa, de resto, a grande lição de humildade que a vida nos dá, se a esclerose não lavrou demais e consente ao espírito o resgate duma lúcida contrição. Vamos seguindo confiados pela estrada fora. De repente, olhamos para trás, e que terramoto de ilusões! O que parecia grande mede um palmo, o que julgávamos sólido abana, o que dava a impressão de voar, patinha. Incrédulos, esfregamos os olhos. Mas não há dúvida. Desacertos sobre desacertos, erros palmares, ingenuidades confrangedoras. O saco de viagem abarrotado de falências. E de nada vale perguntar se as coisas se poderiam passar de outra maneira. Os factos são irreversíveis. No meu caso, então, só por milagre. Comecei mal e tarde. Enquanto outros partiram do saber, eu parti do sofrimento. Nenhuma porta se me abriu sem eu a arrombar. Lutei contra a pobreza, lutei contra a ignorância, lutei contra a idade, lutei contra os homens, lutei contra Deus, lutei contra mim. Uma infância rolada, de bola à mercê dos pontapés do mundo, uma juventude esfalfada, de estafeta atrasado na maratona da cultura, uma maturidade crispada, de indesejável na pátria. A criança desaninhada e perplexa nas encruzilhadas do destino, o rapaz a tentar a ferro e fogo fazer-se gente, o homem cercado de incompreensões. De maneira que era praticamente impossível que a árvore desse outros frutos. Tudo se conjugou nela e fora dela para um Outono sáfaro, que verifico nesta singeleza despida de ilusões. É triste, mas não há voltas a dar-lhe. Resta-me apenas uma consolação: embora derrotado, consegui chegar ao fim da aventura na pureza com que a iniciei, a remir pela consciência dum velho poeta a sangrar a inocência dum jovem poeta de versos de pé quebrado.
Diário (Volume X)
***************************
Há 40 anos, fazias assim o balanço, um tanto amargo, da tua vida. Hoje, soube pela Rádio, que o Governo não se dignou estar presente na comemoração do centenário do teu nascimento, em Coimbra. Estiveram Manuel Alegre e António Arnaud, como amigos e admiradores. Porque sabem, como tu, que "Os poetas são como os faróis: dão chicotadas de luz à escuridão."
Apesar da amargura que sentes ou talvez por seres capaz de a sentir, é de homens como tu, que recusam a mediocridade, que se fará a História da nossa pátria sofredora. Dos medíocres, dos que se pensam melhores do que são, não rezará a "nossa História".
publicado por Elisabete às 16:06
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Segunda-feira, 6 de Agosto de 2007

HIROXIMA NUNCA MAIS!

 

  

6 de Agosto de 1945
Terminada a guerra (II Guerra Mundial) na Europa e, perante a recusa do Japão em aceitar a capitulação, o Presidente Truman, dos EUA, ordenou o lançamento da bomba atómica sobre a cidade japonesa de Hiroxima (3 dias depois, uma segunda seria lançada em Nagasáqui).
 Baptizada de “litle boy” (=menino, rapazinho) custou 2 mil milhões de dólares e, no seu fabrico, trabalharam cerca de 500 mil pessoas. Tinha uma potência equivalente a 20 mil toneladas de TNT.
Foi lançada pelo bombardeiro “Enola Gay”, nome da mãe do respectivo piloto.
Para além de destruir tudo, provocar tempestades, afundar navios e matar plantas, animais e milhares de pessoas, mais de 200 mil ficaram gravemente afectadas pela radioactividade. Posteriormente, nasceram muitas crianças deficientes. Hiroxima ficou reduzida a cinzas.
O problema das consequências da radioactividade continua actual. Movimentos ecologistas, como o “Greenpeace”, prosseguem a sua luta contra as centrais e resíduos nucleares.
 
Algumas perguntas: Haverá perdão para quem deu a ordem que provocou este crime contra a Humanidade? Será que o Japão não poderia ter sido vencido de forma menos destrutiva e mortífera? Será que o Presidente Truman teria sido capaz de usar esta arma num país europeu?
 
Gostaria de poder pensar que os japoneses não foram usados como “ratinhos de laboratório” para testar a bomba atómica. Não consigo. Por isso, condeno este acto hediondo que não há guerra que justifique. Como condeno as guerras. Como condeno os homens que as provocam.
 
GUERRAS E BOMBAS (de qualquer tipo), NÃO, OBRIGADA!!!
 
publicado por Elisabete às 12:31
link do post | comentar | favorito
Sábado, 4 de Agosto de 2007

Voo Nocturno

Jorge Palma continua a escrever coisas destas, no seu último álbum "Voo Nocturno". Quem canta assim o amor será, para sempre jovem.

 

Tudo o que eu vi

estou a partilhar contigo.

E o que não vivi, um dia,

hei-de inventar contigo.

Sei que não sei, às vezes,

entender o teu olhar...

Mas quero-te bem.

Encosta-te a mim!

publicado por Elisabete às 16:32
link do post | comentar | favorito

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* ANTERO – ONTEM, HOJE E AM...

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

* Nada para mim. Portugal.

*arquivos

* Junho 2018

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar