Segunda-feira, 26 de Março de 2007

SALAZARISMO OU SEBASTIANISMO?

 

Salazarismo ou Sebastianismo?

 

Pois é!... Parece que Salazar foi eleito “o melhor português”. Se se tratasse dum referendo, ficaria muito preocupada. Felizmente, trata-se apenas de mais um concurso que permite, a quem tem acesso à Internet ou possui muitos telemóveis, eleger, de forma falaciosa, o que quer que seja.

Não acredito que haja assim tantos fascistas em Portugal, como não acredito que seja preciso “um outro Salazar” para pôr o país na ordem. A nossa ordem tem de ser a da DEMOCRACIA. Não a da democracia que temos, mas outra: a DEMOCRACIA de todos.

Era uma jovem rapariga em 25 de Abril de 1974. Dei o meu coração, e a minha vida se preciso fosse, à construção dum país novo, mais humano e igual. Os capitães de Abril merecem, ainda hoje, a minha gratidão. No entanto...

No entanto... aos poucos... o poder foi mudando de mãos. “A clara madrugada” foi escurecendo e prevejo um futuro negro para o meu País. Não posso dizer que foi tudo em vão. Há conquistas importantes que subsistem e que impedirão um retorno ao passado. Enquanto viver, nada apagará da minha memória a esperança e a fraternidade imensas que Abril nos deu. Mas quando as pessoas estão habituadas ao cinzento, à obediência cega, à ausência de espírito crítico (O que é dizer que não estão habituadas a gerir o seu destino.), são alvo fácil dos irresponsáveis e oportunistas.

Não foi isto que quis. Não é isto que quero. Um país em que só comem os grandes empresários, os políticos, os gestores, os “espertos”, os sem escrúpulos... não é o meu país. Sabes, Zeca, os vampiros regressaram: “Eles comem tudo e não deixam nada”. No meu país, no país que amo, há desemprego e miséria de todos os tipos, temos muitos políticos e governos apostados em dar cabo da classe média, dos sindicatos, da agricultura, da saúde, da educação e da possibilidade de termos alguma felicidade.

O que me assusta não é que um magote de fascistas tivesse eleito Salazar. Os mortos não ressuscitam. O que espero que ainda esteja vivo, e bem vivo, é o “espírito de Abril”. Para que possamos ainda sonhar com um amanhã.   

publicado por Elisabete às 15:21
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De emfrosa2 a 28 de Março de 2007 às 12:57
Como compreendo esta mensagem! Não que tivesse vivido, esses momentos, mas conheço o sentimento que me foi descrito de forma sentida pela protagonista (Luar de Janeiro).
Acredito vivamente nas tuas palavras , aprendi a respeitar os sentimentos, os factos, as recordações de que passou, muitas dificuldades.
São necessárias pessoas assim,. Pessoas capazes de abanar consciências e mentalidades.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Como compreendo esta mensagem! Não que tivesse vivido, esses momentos, mas conheço o sentimento que me foi descrito de forma sentida pela protagonista (Luar de Janeiro). <BR>Acredito vivamente nas tuas palavras , aprendi a respeitar os sentimentos, os factos, as recordações de que passou, muitas dificuldades. <BR>São necessárias pessoas assim,. Pessoas capazes de abanar consciências e mentalidades. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Obhrigada</A> por seres assim. <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Bjs</A> emfrosa2

Comentar post

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* Joaquim Alberto

* ANTERO – ONTEM, HOJE E AM...

* QUINTA DE BONJÓIA [PORTO]

* POMPEIA: A vida petrifica...

* JOSÉ CARDOSO PIRES: UM ES...

* PELA VIA FRANCÍGENA, NO T...

* CHILE: O mundo dos índios...

* NUNCA MAIS LHE CHAMEM DRÁ...

* ARTUR SEMEDO: Actor, galã...

* COMO SE PÔDE DERRUBAR O I...

* DÉCIMO MANDAMENTO

* CRISE TRAZ CUNHALISMO DE ...

* O CÓDIGO SECRETO DA CAPEL...

* O VOO MELANCÓLICO DO MELR...

* Explicação do "Impeachmen...

* CAMILLE CLAUDEL

* OS PALACETES TORNAM-SE ÚT...

* Tudo o que queria era um ...

* 1974 - DIVÓRCIO JÁ! Exigi...

* Continuará a Terra a gira...

* SETEMBRO

* SEM CORAÇÃO

* A ESPIRAL REPRESSIVA

* 1967 FÉ DE PEDRA

* NUNCA MAIS CAIU

* Alfama é Linda

* Por entre os pingos da ch...

* DO OUTRO LADO DA ESTRADA

* Não há vacina para a memó...

* Um pobre e precioso segre...

*arquivos

* Dezembro 2018

* Junho 2018

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar