Domingo, 23 de Junho de 2013

CRÓNICA, 24

 

Cada vez mais somos governados por pessoas que acham que governar é apenas administrar e gerir. Nomeadamente administrar e gerir um orçamento. Saídos de cursos de economia e gestão onde há muito se abandonou a dimensão social e política, acreditam mesmo que governar é gerir o estado, como quem gere uma empresa ou um orçamento doméstico.

Esta ausência aparente de ideologia é, obviamente, a forma mais perniciosa de ideologia. A que deixa o senso comum guiar as decisões, sendo que o senso comum – a “cultura”, vá, e nisso sou um antropólogo algo sui generis – é a ideologia dominante, defendendo os interesses dominantes.

Quando chegam ao governo, convencidos de que vai ser canja, são confrontados com dificuldades. Entram então em cena os camaradas de partido – ou simplesmente a gente de partido, já que a tendência é para contratar governantes-administradores fora dos mesmos – que os avisam de que “há também a política”.

Só que a política a que se referem é, na verdade, a “politiquice”, o jogo de equilíbrios, influências e favores das disputas por poder dentro dos partidos enquanto máquinas de carreiras.

Eventualmente fartos disso, os “técnicos” abandonam o barco, depois de muita destruição, e regressam às empresas ou ao ensino da economia e da gestão (dantes era mais o direito, mas na realidade a diferença não é muita) enquanto suposta neutralidade objetiva. Lá fica a gente de partido órfã, até à chegada de um novo messias da tecnicalidade.

O que nem os técnicos nem a gente de partido percebem é que em momento algum estiveram a fazer política. Só gestão ou politiquice. Fazer política é, desde logo, “fazer” ética, aplicar valores, implementar uma visão do mundo. Nunca ouvimos, nem ouviremos (salvo exceções freelance) dos tais técnicos ou da tal gente de partido, afirmações sobre ética, valores e visões.

Desde logo – e, se calhar, por fim – porque nem a filosofia, nem as humanidades, nem as ciências sociais (e, sobretudo, a economia enquanto ciência social) lhes foram ensinadas. Talvez por isso mesmo estas sejam desprezadas e progressivamente afastadas das prioridades educativas e de política científica – pois se não servem para nada, isto é, para a gestão do orçamento vista como tecnicalidade ou o exercício da política visto como profissão e carreira…

A check list de tarefas para a construção e gestão de um orçamento e para a construção e gestão da governação deveria começar com dois itens: que valores defendemos?; e que tipo de sociedade imaginamos ser justa? A política ou é ética (no sentido estrito da palavra, não apenas no sentido corriqueiro de “comportamento honesto) ou não é nada.

P.S.: Talvez as eleições presidenciais sejam a oportunidade que nos resta, nesta paisagem política deplorável, para recuperar estes sentidos de política. Uma eleição uninominal presta-se mais à avaliação dos valores, opções éticas e imaginação do social de um candidato ou candidata. Espero que, no campo progressista, apareça um homem ou uma mulher com a capacidade de nos inspirar. Não se trata de desejar a chegada de salvadores ou salvadoras providenciais, com todos os perigos demagógicos inerentes, mas sim da necessidade de exemplos que contrariem o perigoso desgosto com a política que se estabeleceu.
 
Miguel Vale de Almeida
 
publicado por Elisabete às 12:27
link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Outubro de 2012

Era possível acabar com esta crise já

 

 

Era possível acabar com esta crise já. Se “eles” quisessem [Paul Krugman]

 

Os instrumentos económicos existem mas a opinião política dominante proíbe o fim da crise. Paul Krugman, Prémio Nobel da Economia, apela ao fim dessa corrente austeritária, sacrificial e assassina de empregos. Ana Sá Lopes leu e gostava de assinar por baixo

 

Nestes últimos três anos caiu-nos uma depressão em cima da cabeça, e o que fizemos? Procurámos culpados. O “viver acima das nossas possibilidades” e “os malefícios do endividamento” são duas cantigas populares dos últimos anos. E, no entanto, antes de a crise ter rebentado na América e de se ter propagado à Europa, o nível de endividamento de alguns dos países do sul da Europa, como Portugal e Espanha, tinha vindo a reduzir-se. Os gráficos estão lá e mostram que sim (como mostram que o gigante alemão também está fortemente endividado). Mas porque é que as pessoas não querem acreditar nisto? Nem sequer apreender o facto de terem sido “praticamente todos os principais governos” que, “nos terríveis meses que se seguiram à queda do banco de investimento Lehman Brothers, concordaram em que o súbito colapso das despesas do sector privado teria de ser contrabalançado e viraram-se então para uma política orçamental e monetária expansionista num esforço para limitar os danos”? A Comissão Europeia e a Alemanha estavam “lá”. E, de repente, tudo mudou.

Uma das maiores dificuldades de lidar com esta crise é, em primeiro lugar, o facto natural de tanto o cidadão comum como Jesus Cristo não perceberem nada de finanças, a menos quando lhe vão ao seu próprio bolso (ou perde o emprego). A outra é o poder da narrativa do “vivemos acima das nossas possibilidades”, aquilo a que Krugman chama a “narrativa distorcida” europeia , “um relato falso sobre as causas da crise que impede verdadeiras soluções e conduz de facto a medidas políticas que só pioram a situação”. Krugman ataca “uma narrativa absolutamente errada”, consciente de que “as pessoas que apregoam esta doutrina estão tão relutantes como a direita americana em ouvir a evidência do contrário”.

Três quartos do livro-manifesto “Acabem com esta crise já” é dedicado aos Estados Unidos, pátria de Krugman. Mas tendo em conta o nosso “interesse nacional”, centremo-nos no que diz sobre a Europa.

Krugman refuta a explicação popular e maioritária sobre a situação actual na Europa – países sob tutela de troika e pedidos de resgate à média de dois por ano. “Eis, então, a Grande Ilusão da Europa: é a crença de que a crise da Europa foi essencialmente causada pela irresponsabilidade orçamental. Diz essa história que os países europeus incorreram em excessivos défices orçamentais e se endividaram demasiado – e o mais importante é impor regras que evitem que isto volte a acontecer”.

Krugman aceita que a Grécia (e Portugal, “embora não à mesma escala") incorreu em “irresponsabilidade orçamental”, mas recusa a “helenização” do problema europeu. “A Irlanda tinha um excedente orçamental e uma dívida pública reduzida na véspera do deflagrar da crise (...) A Espanha também tinha um excedente orçamental e uma dívida reduzida. A Itália tinha um alto nível de endividamento herdado das décadas de 1970 e 1980, quando a política era realmente irresponsável, mas estava a conseguir fazer baixar de forma progressiva o rácio do endividamento em relação ao PIB”. Ora um graficozinho do FMI demonstra que, enquanto grupo, “as nações europeias que se encontram actualmente a braços com problemas orçamentais conseguiram melhorar de forma progressiva a sua posição de endividamento até ao deflagrar da crise”. E foi só com a chegada da crise americana à Europa que a dívida pública disparou. Explicar isto aos “austeritários” é uma tarefa insana. Diz Krugman: “Muitos europeus em posições-chave – sobretudo políticos e dirigentes na Alemanha, mas também as lideranças do Banco Central Europeu e líderes de opinião espalhados pelo mundo das finanças e da banca – estão profundamente comprometidos com a Grande Ilusão e nada consegue abalá-los por mais provas que haja em contrário. Em consequência disso, o problema de responder à crise é muitas vezes formulado em termos morais: as nações estão com problemas porque pecaram e devem redimir-se por via do sofrimento”. Ora é esta exactamente a história que nos conta o governo e que é, segundo Paul Krugman, “um caminho muito mau para se abordar os problemas que a Europa enfrenta”.

Ao contrário do que muita gente possa pensar, Krugman não é um perigoso socialista. E, céus, até defende a austeridade (alguma, mas não esta). Vejam como ele explica a crise espanhola, que considera a crise emblemática da zona euro: “Durante os primeiros oito anos após a criação da zona euro a Espanha teve gigantescos influxos de dinheiro, que alimentaram uma enorme bolha imobiliária e conduziram a um grande aumento de salários e dos preços relativamente aos das economias do núcleo europeu [Alemanha, França e Benelux]. O problema essencial espanhol, do qual derivam todos os outros, é a necessidade de voltar a alinhar custos e preços. Como é que isso pode ser feito?”. O Nobel explica: “Poderia ser feito por via da inflação nas economias do núcleo europeu. Imagine-se que o BCE seguia uma política de dinheiro fácil enquanto o governo alemão se empenhava no estímulo orçamental; isto iria implicar pleno emprego na Alemanha mesmo que a alta taxa de desemprego persistisse em Espanha. Os salários espanhóis não iriam subir muito, se é que chegavam a subir, ao passo que os salários alemães iriam subir muito; os custos espanhóis iriam assim manter-se nivelados, ao passo que os custos alemães subiriam. E para a Espanha seria um ajustamento relativamente fácil de fazer: não seria fácil, seria relativamente fácil”.

Ora, esta maneira “relativamente fácil” de resolver a crise europeia tem estado condenada (vamos ver o que se segue ao novo programa de compra de dívida do BCE, criticado pelo presidente do Bundesbank) pela irredutibilidade alemã relativamente à inflação, “graças às memórias da grande inflação ocorrida no início da década de 1920”. Krugman lembra bem que estranhamente “estão muito mais esquecidas as memórias relativas às políticas deflacionárias do início da década de 1930, que foram na verdade aquilo que abriu caminho para a ascensão daquele ditador que todos sabemos quem é”.

O que trama as nações fracas do euro (como Espanha e Portugal) é, não tendo meios de desvalorizar a moeda – como fez a Islândia no rescaldo da crise com sucesso – estão sujeitas ao “pânico auto-realizável”. O facto de não poderem “imprimir dinheiro” torna esses países vulneráveis “à possibilidade de uma crise auto-realizável, na qual os receios dos investidores quanto a um incumprimento em resultado de escassez de dinheiro os levariam a evitar adquirir obrigações desse país, desencadeando assim a própria escassez de dinheiro que tanto receiam”. É este pânico que explica os juros loucos pagos por Portugal, Espanha e Itália, enquanto a Alemanha lucra a bom lucrar com a crise do euro – para fugir ao “pânico” os investidores emprestam dinheiro à Alemanha sem pedir juros e até dando bónus aos alemães por lhes deixarem ter o dinheirinho guardado em Frankfurt.

Se Krugman defende que “os países com défices orçamentais e problemas de endividamento terão de praticar uma considerável austeridade orçamental”, defende que para sair da crise seria necessário que “a curto prazo, os países com excedentes orçamentais precisam de ser uma fonte de forte procura pelas exportações dos países com défices orçamentais”.

Nada disto está a acontecer. “A troika tem fornecido pouquíssimo dinheiro e demasiado tardiamente” e, “em resultado desses empréstimos de emergência, tem-se exigido aos países deficitários que imponham programas imediatos e draconianos de cortes nos gastos e subidas de impostos, programas que os afundam em recessões ainda mais profundas e que são insuficientes, mesmo em termos puramente orçamentais, à medida que as economias encolhem e causam uma baixa de receitas fiscais”. Conhece esta história, não conhece?

 

Ana Sá Lopes [24 Set 2012]

 

publicado por Elisabete às 16:05
link do post | comentar | favorito
Sábado, 18 de Agosto de 2012

O fim do euro em Portugal

 
 

O euro é um projecto insustentável, por duas razões principais. Em primeiro lugar, porque permitiu a acumulação de desequilíbrios muito superiores ao que existiriam com moeda própria. A Grécia jamais poderia acumular as dívidas que hoje tem, a Irlanda jamais assistiria a uma tão grande expansão do seu sistema bancário, Portugal jamais poderia ter uma dívida externa de 100% do PIB, Espanha nunca teria embarcado numa tão grande bolha imobiliária. Mas, mais grave do que permitir desequilíbrios maiores, o euro deixa os países com menos instrumentos para os corrigir, em particular o instrumento cambial, o que torna as correcções muitíssimo mais difíceis.

Em segundo lugar, com moeda própria, a variável que sinaliza os problemas – a taxa de câmbio – ajuda a resolver esses mesmos problemas. No euro, a variável que serve de alerta – a taxa de juro de longo prazo – agrava todos os desequilíbrios. Quando percebi este aspecto, nos finais de 2010, fiquei convencido de que os dias do euro estavam contados.
Há quem imagine que há soluções para os problemas do euro, mas se há soluções tecnicamente viáveis, elas são politicamente impossíveis.

Dado o melindre de escrever sobre o fim do euro, adiei ao máximo isso, mas em Dezembro do ano passado comecei a escrever um livro sobre isso, que deveria estar pronto em Abril. Vicissitudes várias fizeram com que o projecto se atrasasse e só este mês deverá estar disponível, com o título "O fim do euro em Portugal?", numa edição da Actual Editora, do Grupo Almedina.

 

 

 

Apesar do ponto de interrogação no título estou firmemente convencido, não só de que o euro deixará de ser a moeda em Portugal, como de que isso ocorrerá até ao final deste ano.

Os problemas estruturais do euro estão lá, mas as autoridades europeias têm-se esmerado em tornar as coisas ainda piores. Mario Draghi, tinha-nos pedido para acreditarmos nele, que o BCE tudo faria para preservar o euro. Afinal o BCE pondera voltar a comprar obrigações dos países em dificuldades, mas apenas DEPOIS de estes pedirem ajuda, que virá sob fortes restrições. Então a intervenção do BCE não era para evitar que estes Estados chegassem ao ponto de ter de pedir auxílio?

O ministro alemão da Economia e o presidente do Eurogrupo, Juncker, consideram que a saída da Grécia do euro é "gerível". Importam-se de repetir? Se a Grécia sair do euro, isso pode bem desencadear um processo de desintegração do euro. Mas, se isso não acontecer, e isto é que é um dos maiores dramas, há muitos mais acontecimentos que podem colocar em marcha a desagregação do euro: um pedido de resgate pleno de Espanha, para o qual não há fundos suficientes; subida vertiginosa das taxas de juro em Itália; na Holanda, nas eleições de 12 de Setembro, vitória do partido que defende a saída do país do euro; veto do Tribunal Constitucional alemão às condições de expansão das competências dos fundos europeus de resgate; etc., etc., etc.

08/Agosto/2012

 

Pedro Braz Teixeira [*]

 

 

 

 

 

 

 

 

[*] Investigador do NECEP da Católica Lisbon School of Business and Economics (as opiniões expressas no texto não vinculam o NECEP). Foi assistente na Faculdade de Economia da UNL, economista-chefe do Banco Santander Totta e adjunto da ex-ministra das Finanças Dra. Manuela Ferreira Leite. Actualmente é economista independente.

 

Tem o blog individual Abelhudo , e colabora no blog colectivo O Cachimbo de Magritte.

 

 Email: pbteixeira3@gmail.com

 

O original encontra-se em

 

 http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=572565

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/

 

 

 

publicado por Elisabete às 13:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 14 de Maio de 2010

Apertar o cinto... PARA QUÊ?

 
Todos sabemos que sobre nós europeus, e portugueses em particular, caiu uma nuvem negra que não tem nada a ver com a nuvem de cinza do vulcão islandês. Parece que estamos à beira do abismo. Impõe-se, por isso, apertar o cinto. Até poderia estar de acordo se... se tivesse a certeza de que isso resolveria alguma coisa.
A experiência obriga-me a desconfiar. A verdade é que há culpados desta situação e, enquanto estes não forem responsabilizados pelos seus actos, não poderá encontrar-se uma solução duradoura.
Os homens que decidem as nossas vidas, os governantes do país e da UE, seguem políticas incorrectas que põem em perigo o futuro de todos e, quando as coisas correm mal, obrigam-nos a pagar o preço da sua incompetência e incapacidade. Ninguém lhes pede contas. Por que carga de água se vão importar com as nossas dificuldades?
Enquanto continuarmos a suportar a impunidade destes senhores, não haverá salvação. E não basta a penalização da falta de confiança traduzida na mudança de voto nas eleições. Se só lhes interessa ganhar eleições à custa da mentira, de remendos pontuais, e não são capazes de perspectivar o longo prazo, vão fazer outra coisa! Quem lhes dá o direito de destruir as nossas vidas e do futuro do país?
A nuvem negra só cai sobre nós enquanto nós deixarmos, enquanto não os obrigarmos a ver que não somos números de uma qualquer estatística, mas homens e mulheres com direito a viver com dignidade e a felicidade possível.
publicado por Elisabete às 15:50
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009

Falar politicamente incorrecto...

Portugal pelo olhar de Medina Carreira:

 

 http://sic.aeiou.pt/online/scripts/2007/videopopup2008.aspx?videoId=%7BFAC8D8E5-0EDB-45B5-BB20-8F332BE338DC%7D

publicado por Elisabete às 22:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 2 de Janeiro de 2009

Tão simples como isto...

[...] a ideia que lhe martelava a cabeça era a da rentabilização do pessoal e a racionalização de recursos.

A forma eufemística de dizer que iam despedir pessoas. Criar desemprego para criar riqueza, criar pobreza para enriquecer, o sólido princípio da economia contemporânea.

 

João AguiarO Priorado do Cifrão 

publicado por Elisabete às 10:19
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

*mais sobre mim

*links

*posts recentes

* CRÓNICA, 24

* Era possível acabar com e...

* O fim do euro em Portugal

* Apertar o cinto... PARA Q...

* Falar politicamente incor...

* Tão simples como isto...

*arquivos

* Dezembro 2018

* Junho 2018

* Maio 2017

* Abril 2017

* Março 2017

* Fevereiro 2017

* Janeiro 2017

* Setembro 2016

* Junho 2016

* Abril 2016

* Novembro 2015

* Setembro 2015

* Agosto 2015

* Julho 2015

* Junho 2015

* Maio 2015

* Março 2015

* Fevereiro 2015

* Janeiro 2015

* Dezembro 2014

* Fevereiro 2014

* Janeiro 2014

* Dezembro 2013

* Novembro 2013

* Setembro 2013

* Agosto 2013

* Julho 2013

* Junho 2013

* Maio 2013

* Abril 2013

* Março 2013

* Fevereiro 2013

* Janeiro 2013

* Dezembro 2012

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Setembro 2012

* Agosto 2012

* Julho 2012

* Maio 2012

* Abril 2012

* Março 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Setembro 2011

* Julho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Julho 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Janeiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Agosto 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Março 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Dezembro 2007

* Novembro 2007

* Outubro 2007

* Setembro 2007

* Agosto 2007

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*pesquisar